Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para compreender a “Améfrica” e o “pretuguês”

» O sofisticado descolonialismo de Roberto Retamar

» A era dos eleitores cínicos

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (final)

» Contingenciamentos: a barbárie nos números

» O horror como mera constatação

» João Gilberto pra acabar com a apatia

» Boaventura: Descolonizar o saber e o poder

» Morte e gozo sobre rodas

» Morte e gozo sobre rodas

Rede Social


Edição francesa


» Quand l'Espagne révolutionnaire vivait en anarchie

» Il y a soixante ans, l'aube de la guerre d'Espagne

» Mourir pour des images

» L'évêque aux côtés des tueurs

» Quand les intellectuels s'enflammaient pour une cause…

» La France favorable à un système international de gérance

» Les savants, le public et la sonde Rosetta

» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran


Edição em inglês


» Voting advice applications in Ukraine

» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


CRIANÇA & CONSUMO

Sapatos de pano contra o vazio de afetos

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Como na antiga lenda, vieram as pomposas estratégias do marketing, em suas carruagens douradas de sedução, propondo-se a oferecer às crianças um mundo de maravilhas e tratando de atirar ao fogo as criações. Mas atenção: há meios de construir outra infância

Maria Helena Masquetti - (29/06/2008)

Ao olhar uns sapatos em uma vitrine, veio-me à mente uma antiga lenda. Embora a tenha escutado em diferentes versões desde a infância, uma delas me incita a reconstruí-la voltada para esta sensação de vazio da qual cada vez mais pessoas se queixam.

Aurora era uma menina pobre que não tinha sapatos. Criada pela avó, não demorou muitos anos para que se visse completamente sozinha no mundo. Arqueada pelo peso do tempo, a velha senhora se foi, não antes de transmitir à neta tudo quanto sabia sobre seu ofício de costurar. Para não sobrecarregar a menina com o peso das responsabilidades adultas, a sábia senhora começou por ensinar a pequena a confeccionar sapatinhos para as nove bonecas que lhe fizera, uma para cada aniversário. Na perspectiva da arte, uma mais linda que a outra. Na perspectiva do afeto, presentes que não tinham preço. Por ser ainda criança para trabalhar, em troca da proteção que recebia de todos, Aurora encantava a aldeia com sua radiante alegria. Com o tempo, seus pés, inchados de tanto brincar e dançar, reclamaram melhores cuidados. Por não ter onde conseguir sapatos, abriu seu baú de idéias e eles estavam lá. Aurora confeccionou a mão, recordando a arte da avó, um par de sapatos de pano. Os retalhos jazidos nos cestos da velha costureira renasceram em uma combinação singular de detalhes, cores e flores, dando ao saltitar de Aurora um toque de fantasia.

Certa tarde, porém, chegou em uma carruagem dourada uma velha e rica senhora. Adotada pela idosa, Aurora não estava mais só. Cercando-a de todo o conforto, a primeira coisa que a mulher execrou foram os sapatinhos de pano, atirando-os logo ao fogo. Depois de muito chorar pela perda, Aurora, enfim, consolou-se. Levando-a a uma loja moderna, a idosa permitiu que a menina escolhesse o mais luxuoso sapato. Havia um magnífico, vermelho, todo em verniz reluzente. Extasiada, Aurora calçou os sapatos e logo se pôs a dançar. E saiu pelas ruas dançando em ritmo acelerado. Porém, quando quis descansar, percebeu que não era por sua vontade própria que dançava, mas sim pela determinação dos sapatos vermelhos. E foi assim que, com os sapatos fundidos aos pés, seguiu dançando noite e dia, exaurindo suas últimas forças naquela coreografia de morte. Para não me alongar na história, Aurora recorreu a um carrasco, habitante de uma floresta lá perto, pedindo-lhe que decepasse seus pés. E foi o que o homem fez, salvando-lhe a vida enquanto os pés nos sapatos saíram dançando mundo afora com vistas a nunca parar.

Concordo que a lenda seja aterrorizante. Foi o que senti quando criança, razão pela qual tratei logo de imaginar um final mais promissor para Aurora, um que talvez faça sentido hoje com a questão do consumo na infância. Assediadas por tantos brinquedos e produtos sofisticados, fora o bombardeio de anúncios chamando sua atenção, nossas crianças parecem não saber mais como brincar de verdade. O tempo que levavam antes criando seus próprios brinquedos de “pano”, levam agora seguindo as instruções impressas nas embalagens e tentando encaixar as pilhas no carrinho eletrônico ou na boneca falante de frases repetitivas. Como os sapatinhos vermelhos de verniz, os brinquedos ultra-equipados já vêm brincando sozinhos. Antes desses avanços, pelo som do “brrumm” que as crianças emitiam, forjando o ronco do motor, e pelo combustível da inventividade que injetavam na brincadeira, o carrinho feito a mão pelo avô largava em alta velocidade. Pulando barreiras, subindo montanhas, atravessando rios e até voando sobre as cidades, era literalmente o veículo que as levava ao futuro. Mas vieram as pomposas estratégias do marketing, em suas carruagens douradas de sedução, propondo-se a oferecer às crianças um mundo de maravilhas e tratando de atirar ao fogo as criações infantis.

Pouco a pouco, sem perceber, os pais deixam que os filhos embarquem na carruagem furada da ânsia de consumir

Tal como Aurora, as crianças não têm maturidade mental e nem física para acreditar em si mesmas e para entender que a verdadeira identidade está no gesto espontâneo e na contribuição única de cada um. Acreditando naquilo que ouvem e vêem, elas se tornam presas fáceis da ganância comercial. E não é bom que os pequenos desconfiem das manobras mercadológicas. Saber disso antes do tempo compromete a beleza de sua inocência, embotando-lhes a imaginação na qual a produção de brinquedos é uma história sem fim. Porém, não sabendo mais sobreviver sem TV, sem shoppings, sem marcas e sem brinquedos dos quais logo mais vão se enjoar, cada vez mais crianças se deixam levar nessa dança do “quero isso e aquilo também”, que os pais já não sabem como deter. Pouco a pouco, e sem perceber, perdem a certeza de dizer “não” aos desmandos mercadológicos, acreditando que o melhor para os filhos é deixar que embarquem na carruagem furada da ânsia de consumir. Se aos pais é tão difícil resistir ao assédio de tantas mensagens envernizadas de afeto, quanto mais para as crianças. Se não forem protegidas a tempo, um dia, quando elas tentarem voltar ao que eram e procurarem as saídas que tinham dentro de si, as portas poderão estar fechadas, e o carrasco da dependência terá decepado sem dó as bases de sua autonomia.

Talvez por este prognóstico assustador, criei um final mais feliz para a lenda. Depois que o carrasco amputou os pés de Aurora, ela saiu rastejando de volta à aldeia onde todos a acolheram curando suas feridas. Não podendo mais retribuir os cuidados com sua alegria de antes, retomou o baú de retalhos que herdara da avó e pôs-se a confeccionar sapatinhos para as outras crianças vizinhas. Certa tarde, porém, sentindo a falta de quem ela era e de seus sapatinhos de pano, atreveu-se a calçar nos cotos doídos um modelo que havia acabado de confeccionar. Sentiu um conforto tão grande que manteve os sapatinhos ali a aquecer-lhe as bases ceifadas, adormecendo de tanto chorar.

Ao raiar da manhã seguinte, gritou o quanto pôde até se convencer de não estar ainda sonhando: seus pés haviam brotado de novo, sob medida para o sapato de pano. E a menina voltou a brincar e dançar, recuperando a espontaneidade e o modo genuino de ser. Pena não termos mais a ingenuidade criança de atribuir à fantasia um caráter de realidade para crermos, ao pé da letra, num final tão feliz assim. Em compensação, temos, na consciência adulta, razões para crer que a recuperação da auto-estima é possível. Neste caso, a magia é o amor e a confiança dos pais e responsáveis naquilo que sabem e podem fazer para preencher nos filhos o vazio causado pela compulsão consumista. Que abrindo o baú das lembranças, eles juntem os retalhos de sabedoria legados pelos mais velhos, relançando a moda de acreditar no ser em lugar da preocupação com o ter. Que resistindo ao chamariz das vitrines, fujam com suas crianças para as bibliotecas, para os jardins e praças ou para o porto seguro das conversas em volta da mesa, recuperando o papel protetor e abrindo espaço para brilhar uma aurora de paz e esperança na vida de nossas crianças.

Mais:

Maria Helena Masquetti assina, no Caderno Brasil, a coluna Consumo & Direitos. Edição anterior:

Um tapinha não dói em quem se acostumou com a dor
Carinho é gostoso, tapa é ruim. De quantas pesquisas necessitamos para ter certeza disso? Lembrando Belchior em uma outra música, não precisamos que nos digam de que lado nasce o sol porque bate lá nosso coração — e a esperança de um futuro melhor para nossas crianças

Em liquidação, a auto-estima
No Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, vale notar que as crianças tornaram-se o público-alvo preferido da publicidade. Ainda em formação, são bombardeadas com a idéia de que os prazeres se compram — o que prolonga a imaturidade, acentua frustrações e produz, no futuro, adultos infantilizados



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Criança & Consumo


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos