'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Imagens de um continente em busca de si mesmo
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


3º FESTIVAL LATINO-AMERICANO DE CINEMA

Imagens de um continente em busca de si mesmo

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Filmes, debates e oficinas expõem, em São Paulo, estado da produção cinematográfica na América Latina. Festival reflete momento em que tanto o continente quanto seu cinema buscam novos rumos — mas já não o fazem com as lentes e projetos que marcaram o século 20

Iana Cossoy Paro - (12/07/2008)

O 3º Festival de Cinema Latino-Americano começou na segunda-feira (7 de julho), em São Paulo. O filme escolhido para a abertura do evento, que praticamente encheu os mais de 800 lugares do auditório do Memorial da América Latina, foi um documentário: Os Uruguaios, de Mariana Viñoles. O filme faz parte da série Os Latino-Americanos, da Televisão América Latina – TAL. Além da pré-estréia da série, o festival, que tem entrada gratuita e vai até o dia 13 de julho, [1], presta uma homenagem ao cineasta argentino Fernando Solonas e exibe uma retrospectiva da obra do cineasta cubano Tomás Gutierrez Alea (1928-1996). O festival traz também uma mostra de filmes produzidos por escolas de cinema, outra de longas-metragens latino-americanos contemporâneos, debates e oficinas.

Além de promover a exibição de filmes, o evento pretende ser um ponto de reflexão sobre as identidades e projetos (ou ausência de projetos) latino-americanos, tomando como ponto de partida o cinema. Em sua primeira edição Fernando Birri, poeta e cineasta, um dos fundadores do Nuevo Cine Latinoamericano com o curta Tire Dié, assinalou que a atmosfera do festival o fazia lembrar a de Vinã del Mar em 1967. Assinalou a importância de consolidação deste espaço como um pólo de encontro e discussão da cinematografia deste continente.

A série da TAL tem como objetivo a produção de filmes que busquem as identidades das nações latino-americanas por meio do olhar de diretores de cada país. Já foram realizados dez documentários. O primeiro grupo (2006-2007) inclui Argentina, Colômbia, México, Paraguai e Uruguai . Na segunda fase (2007-2008), foram produzidos os documentários de Bolívia, Cuba, Equador, Peru e Venezuela. O desafio era que cada realizador procurasse retratar nada menos que a identidade de sua nação e, ao mesmo tempo, os elementos que nos caracterizam como latino-americanos.

A uruguaia Mariana Viñoles, de 31 anos, que veio a São Paulo a convite do festival para apresentar seu filme, caracteriza a proposta de “ambiciosa”. A diretora, que falou ao Le Monde Diplomatique na última terça-feira, afirma que não teria pensado em fazer um filme sobre a identidade de sua nação se não tivesse sido convidada pela TAL. “Era um projeto ambicioso, que envolvia uma grande responsabilidade e pedia coerência com a realidade”, diz.

Em Os Uruguaios, sinais dos novos tempo. Para produzir, já não é preciso recorrer à Europa. E, ao invés dos clichês, "não falar muito, e sim escutar, conhecer as pessoas"

A diretora optou por buscar “pequenas histórias de pessoas simples, do povo: atores sociais e não especialistas, como sociólogos, historiadores, por exemplo”. Esta é uma tendência da série, que se caracteriza por colocar na tela rostos e histórias de anônimos de cada país.

Mariana diz haver buscado lançar um olhar de intimidade e simplicidade sobre os personagens que foi encontrando. Tinha consciência de que era impossível retratar o todo, mas preocupou-se “com uma certa representatividade”. A realizadora foi a três regiões de seu país buscar seus personagens: o interior profundo, a capital (Montevidéu) e a costa atlântica. “O Uruguai é um país pequeno. Metade dos 3 milhões de habitantes vive na capital”. O filme mostra um pouco das diferentes paisagens, em muitos momentos ao som de tangos de Carlos Gardel, cuja nacionalidade é motivo de disputa entre uruguaios e argentinos. Mas o foco são as pessoas, que contam um pouco de suas vidas, pensamentos e identidades ao espectador.

A opção de Mariana de buscar alguns personagens com boas histórias, sem tentar retratar tudo o que há no Uruguai, faz de Os Uruguaios um documentário que dá ao expectador tempo para aproximar-se com certa profundidade a esses “outros” e refletir. Isso não acontece com todos os filmes da série. Alguns tentam retratar, nos 50 minutos de cada obra, a maior quantidade possível de paisagens, rostos, costumes, sons, cores, sabores, crenças, problemas, festas e algo mais de determinada nação. O excesso de informação acaba, em certos casos, mareando o espectador e transmitindo pouco mais que clichês – ou reproduzindo o discurso elaborado desde fora sobre nós mesmos.

Em Os Uruguaios, a estratégia da diretora “era não falar muito e sim escutar. São mais conversas que entrevistas”. Mariana, que é responsável também pela fotografia do filme, deixa para conhecer as pessoas com a câmera ligada, para garantir certo “frescor” aos depoimentos. O documentário foi realizado por uma equipe brasileiro-uruguaia, em um “ritmo vertiginoso”. Mariana elogia a experiência, que possibilitou a criação de vínculos profissionais, antes mais difíceis. “Acho que agora há menos necessidade de recorrer à Europa”.

Haverá uma América Latina nestes filmes? Ou será que justamente a fragmentação de todos estes modos de fazê-los nos revela algo deste continente e seu projeto?

Logo no início do filme, a diretora, que estudou cinema na Bélgica, aparece na tela, contando que está fazendo um documentário e assim transformando-se em sujeito do mesmo. Ela afirma que isso não foi planejado, mas como havia material decidiu, na etapa de edição, acrescentar alguns momentos em que aparece ou escutamos sua voz. “Sou também uma uruguaia, jovem, que vive em seu país e realiza coisas”. Há apenas um outro jovem no documentário, um rapaz que está de partida à Espanha, para buscar trabalho e estudar.

Personagens que vão e vêm, temporariamente ou definitivamente, estão presentes também em outros documentários da série. São estrangeiros que optam por viver na “acolhedora” América Latina ou latino-americanos que partem para “tentar a vida” na Europa ou nos Estados Unidos. Uma das uruguaias do filme de Mariana, Victoria, diz que o Uruguai não tem um projeto como país. Perguntamos a Mariana se ela acha que a América Latina tem um projeto. Ela diz acreditar na existência de um “sonho de poder ser um continente unido, que possa fortalecer-se para apoiar-se e não depender dos mais ricos”. “Gosto de sonhar”, afirma, acrescentando que as utopias dos anos 70 sofreram o corte das ditaduras, mas há uma reaproximação lenta dos diferentes países através de novos governos de esquerda.

Cinema e sonho sempre estiveram associados. Qual o espaço para sonhos neste cinema latino-americano contemporâneo? Que histórias contamos, como as contamos, para quem as contamos? O que elas dizem da América Latina? Que América Latina é inventada aí? Uma América dos que vão e que ficam (em nosso continente partir é, para muitos, uma condição), ou de diretores que vão e ficam? Esta pergunta, colocada em tom de provocação, nos leva a indagar não apenas sobre o que contamos e para quem, mas também quem é esse “nós” que conta. Reinsere no debate, assim, a situação do autor e a relação desta com as identidades que esculpem o documentário. Ou, ainda, quem é esse “nós” que conta? Haverá uma América Latina em todos estes filmes produzidos em nosso continente? Ou será, justamente, a fragmentação de todos estes modos de fazer filmes que nos revela algo deste continente e seu projeto de América Latina? Ficam estas perguntas (talvez em forma de busca), sobre o contar nossas próprias histórias.

Mais

Colaboraram neste artigo Javier Cencig e Moara Passoni.

Esta é a quarta de uma série de matérias sobre os latino-americanos e seu cinema a partir do 3º Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo, redigidas em colaboração por Iana Cossoy Paro, Javier Cencig, Thiago Mendonça e Moara Passoni. Veja os outros textos:

2.
O universal e o latino-americano: diálogos entrecruzados
Jornalismo-cinema: numa mesa imaginária, colagem de falas reais, personagens presentes ao 3º Festival, em São Paulo, debatem tanto as condições de produção e distribuição do cinema latino-americano quanto a possibilidade de um projeto estético que expresse a identidade da região

3.
Fernando Solanas: entre a Terra e as Nuvens, o Sonho
Em entrevista especial para Le Monde Diplomatique Brasil, um dos grandes cineastas latino-americanos contemporâneos descreve sua formação política, explica como ela influenciou sua obra e defende uma estética que articule investigação profunda da realidade com invenção formal incessante

4.
Memórias do Subdesenvolvimento, arte e revoluções
Edmundo Desnoes, romancista e inspirador de um filme que marcou o cinema cubano, conversa sobre seu processo criativo, as encruzilhadas da Ilha, política e literatura na América Latina, a banalidade do consumo e a importância do ato de narrar, como sentido da própria existência humana

5.
Memórias do Desenvolvimento será dois filmes
Dirigida por Miguel Coyula, obra homônima ao romance está focada em Sérgio, personagem principal, que surge como alguém existencialista e desconforme. Já O pai, a filha e o desconhecido, de Lorenzo Regalado, baseia-se na relação entre Sérgio e a filha que ele descobre ter em Cuba

6.
"Sérgio nunca estaria conformado. Por isso, identifico-me com ele"
Miguel Coyula, diretor de um dos dois filmes que estão surgindo a partir de Memórias do Desenvolvimento, explica como a obra dialoga com romance de Desnoes. Para cineasta, personagem principal expressa o sentimento — entre anárquico e apático — de sua geração diante da revolução cubana



[1] As exibições se dão em quatro salas: auditório do Memorial da América Latina, Sala Cinemateca, Cinusp e Cinesesc. Para programação completa, clique aqui

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cinema
» Arte e Utopia
» América Latina


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos