Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Tecnologia, Ignorância e Violência

» Universidades: a “nova” estratégia do governo

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (2)

» Por uma Reforma Tributária Solidária

» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

Rede Social


Edição francesa


» La France favorable à un système international de gérance

» Les savants, le public et la sonde Rosetta

» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


MÍDIA PÚBLICA

Nem privada, nem estatal

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Com informações da BBC Brasil - (27/07/2008)

Estabelecimento autônomo (Corporation) criado em 1927, a BBC não é controlada nem pelo estado nem pelo capital privado. trata-se de um bem público, isto é, da população, quase exclusivamente financiada pela “taxa sobre a televisão” estabelecida para cada domicílio. em 2007, o valor dessa contribuição foi fixado em torno de € 185. A estas receitas acrescem-se os lucros de uma de suas filiais comerciais, BBC World-wide, assim como a subvenção – de € 312 milhões em 2007 – oriunda do Foreign Office (Ministério dos assuntos estrangeiros) por seu serviço mundial. Com um orçamento total de € 4,5 bilhões, as cadeias públicas britânicas não veiculam nenhum tipo de publicidade.

A Corporation conta com duas cadeias gerais de televisão hertzianas (com aproximadamente 30% dos índices de audiência), seis cadeias digitais difundidas pelo suporte TNT Freeview, cabo e satélite, cinco cadeias de rádio nacionais, cinco estações de rádio digitais e perto de 40 estações locais, que detêm 55% dos índices de audiência.

O serviço mundial da BBC transmite seus programas em 33 línguas, recebidos por 180 milhões de espectadores mundo afora. A BBC intervém igualmente em uma dúzia de cadeias internacionais em parceria com operadoras privadas, a maioria norte-americana. Dispõe ainda de cerca de 40 escritórios permanentes instalados fora do reino unido, o que lhe garante uma incomparável cobertura internacional. O Brasil é um deles. Aqui, a BBC acaba de completar 70 anos. O início do serviço de notícias em português estreou em 14 de março de 1938 com uma notícia sobre as movimentações políticas que antecederam a Segunda guerra Mundial. “O senhor Hitler entrou hoje à noite em Viena”, disse o apresentador Manuel Braune, o aimberê. A transmissão, na época apenas em rádio, foi feita em ondas curtas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos