Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 4 de agosto de 2020

» Eletrobrás, privatização humilhante

» Chile: a rebeldia retomada e o sistema em xeque

» Rusgas no casamento entre Bolsonaro e Guedes

» Cinema: Minimalismo vazio ou superação do consumismo?

» 3 de agosto de 2020

» Enfim, o direito humano a imprimir dinheiro

» Despotismo algorítmico, outra faceta da exploração

» Por que a pandemia afasta mulheres da ciência

» 31 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Algérie : Les réformes de 1947 et l'intégration

» « The Economist », le journal le plus influent du monde

» L'avènement du tourisme de masse... Près de chez soi

» Babel jeune et innocente

» Des usages de Bach

» Rendez-vous avec Frantz Fanon

» Dans la jungle de Bornéo, des visiteurs en quête d'authenticité

» « Il nous faut tenir et dominer Athènes »

» Égalité, identités et justice sociale

» D'autres pistes pour la santé publique


Edição em inglês


» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian

» Wake up! I have things to say!

» Newspapers without borders


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


MÍDIA PÚBLICA

Nem privada, nem estatal

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Com informações da BBC Brasil - (27/07/2008)

Estabelecimento autônomo (Corporation) criado em 1927, a BBC não é controlada nem pelo estado nem pelo capital privado. trata-se de um bem público, isto é, da população, quase exclusivamente financiada pela “taxa sobre a televisão” estabelecida para cada domicílio. em 2007, o valor dessa contribuição foi fixado em torno de € 185. A estas receitas acrescem-se os lucros de uma de suas filiais comerciais, BBC World-wide, assim como a subvenção – de € 312 milhões em 2007 – oriunda do Foreign Office (Ministério dos assuntos estrangeiros) por seu serviço mundial. Com um orçamento total de € 4,5 bilhões, as cadeias públicas britânicas não veiculam nenhum tipo de publicidade.

A Corporation conta com duas cadeias gerais de televisão hertzianas (com aproximadamente 30% dos índices de audiência), seis cadeias digitais difundidas pelo suporte TNT Freeview, cabo e satélite, cinco cadeias de rádio nacionais, cinco estações de rádio digitais e perto de 40 estações locais, que detêm 55% dos índices de audiência.

O serviço mundial da BBC transmite seus programas em 33 línguas, recebidos por 180 milhões de espectadores mundo afora. A BBC intervém igualmente em uma dúzia de cadeias internacionais em parceria com operadoras privadas, a maioria norte-americana. Dispõe ainda de cerca de 40 escritórios permanentes instalados fora do reino unido, o que lhe garante uma incomparável cobertura internacional. O Brasil é um deles. Aqui, a BBC acaba de completar 70 anos. O início do serviço de notícias em português estreou em 14 de março de 1938 com uma notícia sobre as movimentações políticas que antecederam a Segunda guerra Mundial. “O senhor Hitler entrou hoje à noite em Viena”, disse o apresentador Manuel Braune, o aimberê. A transmissão, na época apenas em rádio, foi feita em ondas curtas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos