Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


CULTURA

Os Quatrocentos do Sarau da Cooperifa

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Contra a vontade de muitos e pela vontade de muitos, centenas estavam comungando a palavra, resistindo à mediocridade, ao marasmo e a abulia que parece ter tomado conta dos corações da maioria. Quixotes! O melhor é que tudo isso não nos foi dado nem herdado, foi conquistado

Sérgio Vaz - (24/07/2008)

Na quarta-feira, 9 de julho, enquanto o frio castigava a noite paulistana, quase quatrocentas pessoas compareceram ao Sarau da Cooperifa, no bar do Zé Batidão. Por conta das férias e do feriado, gente de todos os lugares e de todas as quebradas veio comungar a poesia junto com os poetas da Cooperifa, que somavam quase cinqüenta. Uma noite magnífica como há muito não se via na periferia, como há muito não acontecia em nossas vidas. (Tem gente lá até agora).

Como o bar estava extremamente lotado, muito se temia pelo silêncio e respeito à poesia. Mas, que nada: numa prova de que as coisas estão tomando novos e bons rumos, o silêncio foi uma das coisas mais belas que já aconteceu no sarau este ano. Os convidados, muitos que vieram pela primeira vez, compreenderam o quanto o sarau é sagrado para nós, para a comunidade, e nos presentearam com o devido respeito que é dado aos guerreiros da literatura das ruas, e com uma chuva de aplausos, que lavou a alma de todos. Uma noite para se lembrar para sempre.

Como emoção pouca, para nós é bobagem, durante o sarau ligamos para a Ricarda, poeta da Cooperifa, que acabou de ser operada. Como a quarta-feira era dia da sua visita, e nós não podíamos visitá-la, ligamos para ela, e pelo viva-voz, ela emocionada nos disse que estava tudo bem e que tinha ficado muito contente pela nossa visita via satélite. Ao final, todos a aplaudiram e gritaram seu nome, para que ela pudesse entender que nenhum câncer pode com uma grande amizade. Força, guerreira!

E se esta poesia feita na periferia, tem menos ou mais crase e se há vírgula no ponto final, é porque estamos apenas começando a dominar o signo das palavras e a entender o seu real poder

O sarau também foi em homenagem às professoras e professores da rede Estadual, essas guerreiras e guerreiros que se entrincheiraram nas escolas e combatem o sistema, de giz em punho, para que nossas crianças não cresçam analfabetas. E que realmente cresçam. Como pode alguém magoar os nossos mestres? Covardes!. “...Porque ensinar é regar a semente sem afogar a flor."

Numa quarta-feira fria de São Paulo, longe do centro, no mesmo horário da novela, do jogo na TV, contra a vontade de muitos e pela vontade de muitos, quase quatrocentas pessoas estavam comungando a palavra, resistindo à mediocridade, ao marasmo e a abulia que parece ter tomado conta dos corações da maioria dos brasileiros. Quixotes! O melhor é que tudo isso não nos foi dado nem herdado, foi conquistado. E se esta poesia feita na periferia, tem menos ou mais crase e se há vírgula no ponto final, é porque estamos apenas começando a dominar o signo das palavras e a entender o seu real poder. Mas não vá para grupo com a gente não, quando a gente fala que "nóis vai" é porque "nóis vai mesmo!"

Nada mal para quem, durante mais de 500 anos, foi erva daninha, ou as “flores do mal" no jardim aristocrático da literatura. Só nos resta uma certeza: nem todos se calaram!

Mais

Se não estiver acreditando, veja as fotos no blog



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos