Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Preparados para o mundo pós-petróleo?

» 3 de julho de 2020

» Destrinchamos a nova lei que mercantiliza a água

» Literatura dos Arrabaldes: O decreto e o levante

» As fronteiras cruzadas em Apocalipse Now

» Bolsonaro usa o vírus para reinventar tortura

» 2 de julho de 2020

» Boaventura: A universidade pós-pandêmica

» As miragens de que se vale a ultradireita

» Em filme, Nise, e sua crítica radical à velha psiquiatria

Rede Social


Edição francesa


» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers

» Décollage africain, marasme sénégalais

» BCE, enquête dans le temple de l'euro

» Le procès de M. Barack Obama

» Comment fonctionnent les systèmes de santé dans le monde

» Les nouvelles stratégies pétrolières des Etats et des grandes compagnies


Edição em inglês


» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water

» A tale of two countries

» Jair Bolsonaro, wannabe dictator

» The culture of health and sickness


Edição portuguesa


» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia

» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças


UNIÃO EUROPÉIA

Promessa européia...

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Por trás do véu do Tratado de Lisboa pode-se encontrar mais um sorriso amarelo. Democracia, segurança, mudanças climáticas entram na lista de uma Europa Unida. Ao mesmo tempo, em que xenofobia, guerras contrastam com as aclamadas liberdade, igualdade e fraternidade

Serge Halimi - (27/07/2008)

No momento em que um júri dá seu veredicto e inocenta um réu, o presidente do tribunal concede a palavra ao promotor para que este reinicie sua argumentação. Imagine também que, desta vez, a acusação consiga condenar o acusado. Isso seria possível, já que no dia 12 de junho, pouco tempo depois da rejeição do Tratado de Lisboa pelos irlandeses (ele pode entrar em vigor somente com o acordo da totalidade dos 27 países da União Européia), a maioria dos dirigentes deixou claro que o processo de ratificação continuava. Prometeram, ao mesmo tempo, ”respeitar a vontade” dos irlandeses... É hábito das elites européias violar a soberania popular. Isso tornou-se ”marca registrada” do continente, considerada como o reino da democracia na terra.

Por terem rejeitado um tratado “simplificado”, bastante enigmático, ao ponto de o primeiro ministro Brian Cowen admitir que não conseguiu lê-lo em sua totalidade, os irlandeses teriam, segundo um deputado europeu, ressuscitado a memória de ”uma democracia popular”. Não é por acaso, que o referendo é o procedimento mais utilizado por ditadores [1], afirmou um de seus colegas. E o presidente do Parlamento Europeu Hans-Gert Pottering concluiu: “O não irlandês não pode ser a última palavra" [2]. Portanto, haverá um segundo referendo sobre o tratado de Lisboa e, talvez, um terceiro. Em Dublin, se votará até a aprovação do sim, já que isso é o que exigem os Estados cujos eleitores não foram consultados uma única vez.

Os irlandeses são culpados! Ingratos, egoístas, populistas, eles não conseguem alcançar o nível de generosidade e altruísmo de sua classe dirigente. Exceto quando lhe confiam o poder e dão permissão para empreender “reformas corajosas”. Mas neste caso, eles não votam de novo. Nisso, são muito europeus...

A marca Europa não pára de se expandir. A imagem de céu azul e nuvens fofinhas é vendida para mascarar o céu nublado europeu

Uma mola quebrou. A marca Europa não pára de se expandir e vender, evocando a paz, a prosperidade, justiça, igualdade. Ela produziu lindos cartazes com um céu azul e muitas mães que amam seus filhos. Dispõe de inúmeros jornalistas e artistas. Seminários, reuniões, gratificações produzem a Europa de forma tão certa quanto os moinhos produzem vento. Mas sua bandeira mal se agita. Sua identidade parece tão evanescente, que quando ela imagina uma moeda única, o único sentido impresso nas notas é a vida mais cara.

Ela fala de paz, mas prepara guerras incertas ao lado do exército norte-americano. Ela fala de progresso, mas organiza a desregulamentação do trabalho. Ela fala de cultura, mas escreveu uma diretiva, televisão sem fronteira, cujo principal resultado será multiplicar a freqüência dos anúncios publicitários. Ela fala de ecologia, de segurança alimentar, anulando um embargo de 11 anos sobre a importação de frangos norte-americanos anteriormente imersos em um banho de cloro [3]. Finalmente, a Europa fala de liberdade. E subscreve uma “diretiva da vergonha”, prevendo que os estrangeiros ilegais poderão ser colocados em prisão por 18 meses antes a expulsão do país.

Manter a promessa européia impunha a harmonização por cima: liberdade, direitos sociais, impostos progressivos, independência. Em nome da unificação, ao contrário, diminuiram-se as conquistas nos estados mais avançados. O resultado é a detenção prolongada, o trabalho noturno para as mulheres, o livre-comércio, a aliança com os Estados Unidos. Finalmente, este tipo de reflexo terminou de criar uma Europa Social: aquela que diz não. Quando observou que na Irlanda as mulheres, os jovens de 18 a 29 anos, os trabalhadores e os empregados rejeitaram maciçamente o texto proposto, o semanário The Economist ironizou :” Um colégio eleitoral próximo aos do século 19 – ou seja, restrito aos proprietários idosos do sexo masculino - teria produzido um enorme sim ao Tratado de Lisboa” [4]. Mas qual Europa pode se construir com o regresso ao voto censitário?



[1] Por Jean-Louis Bourlanges, no programa France Culture em 22 de junho de 2008, e Alain Lamassoure no Le Figaro, o dia 16 de junho de 2008.

[2] Le Monde, em 17 de junho de 2008.

[3] Manuel Barroso presidente da Comissão Europeia, explicou que " Impedir esta importação seria julgado incompatível com as regras do comercio internacional" (L’express, em 19 de junho de 2008)

[4] The Economist, Londres, em 21 de junho de 2008


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos