Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando cientistas sociais assistem a Game of Thrones

» EUA x China: o que pode tirar o sono de Trump

» Como construir uma internet sem violência?

» A independência radical de Luiz Rosemberg Filho

» Uber: assim começam as greves do futuro

» O conto de fadas de Paulo Guedes

» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

Rede Social


Edição francesa


» Enjeux et acteurs de la sécurité en Afrique

» Interventions militaires françaises en Afrique

» Fonds européen de développement

» Image de la France en Afrique

» Ressortissants français en Afrique

» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


ECONOMIA MUNDIAL / DO BOOM AO CRASH

Alan Greenspan e a instabilidade

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Gérard Duménil e Dominique Lévy - (15/08/2008)

Em julho de 2005, Alan Greenspan, então presidente do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, exigiu que os riscos de inadimplência das famílias fossem bem avaliados. Recorreu às lições do passado: “A história ensina que os períodos de relativa estabilidade geralmente engendram expectativas irrealistas quanto à sua continuidade e podem levar a excessos financeiros e a tensões econômicas”. Tal declaração demonstra, retrospectivamente, que ele não ignorava a tempestade que se acumulava no horizonte. Greenspan teve de enfrentar a crise de 2001.

Mas dentro da bitola neoliberal. Isto é, sem regulamentar o setor financeiro (coisa, aliás, que teria emperrado as engrenagens do incentivo ao consumo mediante a facilidade do crédito); sem questionar o livre-comércio, e sem restringir a mobilidade internacional dos capitais.

Portanto, seu remédio consistia em crédito e somente crédito (inclusive por meio do endividamento público). Tratava-se de optar pelo pior para não tocar no “essencial”. Greenspan observou a tripla expansão do endividamento das famílias, do consumo e dos desequilíbrios externos que o tratamento da crise de 2001 acabou por intensificar. Ele precisava frear a máquina infernal. Também estava consciente da deterioração da situação do mercado imobiliário e dos correspondentes mecanismos de crédito. Vendo a saída da recessão de 2001 se confirmar, desencadeou um processo gradual de elevação das taxas de juros dos “fundos federais”: lentamente, o mais gradualmente possível, 17 pequenos passos de 0,25%, entre junho de 2004 e junho de 2006.

Esse procedimento que visava desacelerar o aumento do endividamento pela alta das taxas de juros finalmente deu certo, mas, em vez da esperada aterrissagem suave, o edifício financeiro ficou desestabilizado. É justamente isso que significa “instabilidade”. As variáveis deixam de ser controláveis e um impulso a mais provoca o naufrágio.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos