'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A traição da pátria e outras suposições literárias
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


LITERATURA

A traição da pátria e outras suposições literárias

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Os escritores estrangeiros são recebidos aqui — e não há diferença se bem ou mal: eles são sempre mais importantes — com um tipo de sorriso bastante comum

Renata Miloni - (15/08/2008)

A perspectiva de um observador, na literatura, tem como benefício a análise unicamente perceptiva, que é diferente do ponto de vista de um escritor. Com ele, a análise é participativa, ou seja, a visão nítida mas imparcial de um todo não deve ser alcançada com muita facilidade. Por também fazer a literatura, o escritor já não consegue pensá-la sem ser parte dela. Milan Kundera, por exemplo, tem consciência da influência que sua profissão pode causar ao escrever sobre esta arte. Mas trata-se de um autor que sabe como se aproveitar nas próprias observações. E delas partiu a idéia para este texto, mais especificamente das terceira, quarta e quinta partes do ensaio “Die Weltliteratur”, do livro A cortina (Companhia das Letras, 2006).

O autor explica dois contextos nos quais uma obra de arte pode se estabelecer: o pequeno contexto, que envolve a história da nação da obra; e o grande contexto, que é a “história supranacional de sua arte”. Ao ler essas três partes do ensaio, não consegui evitar a tentativa de encaixar a literatura brasileira em um dos dois, mas não sei o que dar como resultado. Não sei, ainda, se há um resultado. Será que a literatura de qualquer país precisa se encontrar em algum desses contextos? Ou melhor, o que se pode dizer do que é escrito e das leituras seletivas em cada país quando se está em determinado contexto?

Goethe, citado por Kundera, foi o primeiro a deixar claro que estamos na “era da literatura mundial, e cabe a cada um de nós acelerar essa evolução”. E talvez seja este o centro da questão que quero apresentar: qual foi/é a contribuição da literatura brasileira para tal evolução? A análise presente é a da perspectiva já citada de observador: o que é possível concluir sobre a literatura nacional contemporânea e como aqui é tratado o que é produzido em outros países. O primeiro ponto é simples: a abordagem da literatura estrangeira. Talvez seja mais fácil explicar descrevendo uma expressão facial. Os escritores estrangeiros são recebidos aqui — e não há diferença se bem ou mal: eles são sempre mais importantes — com um tipo de sorriso bastante comum, com o qual qualquer pessoa da área deve estar bem familiarizada.

Um exemplo próximo, para não perder o foco, é quando um escritor encontra uma resenha sobre seu romance e se lembra de ter sido escrita por um amigo. A troca não foi das mais honestas — e eles sabem e gostam disso —, mas ao menos seu nome está ali: num texto assinado por aquele colega famoso que está sempre escrevendo o mesmo livro. Ou seja, a literatura estrangeira é recebida com toda a alegria cínica possível de brotar num ser humano inteligente. E não porque existe aquele pé atrás em relação ao que se escreve em outros países, não mesmo. Mas porque, no fundo, deixar de lado a própria literatura de alguma forma causa uma satisfação imensa. É a nossa cultura: praticamente ignorar e/ou menosprezar a arte nacional. Muitas vezes com razão, claro (perceba como a cultura me domina), mas já é uma tradição.

O Brasil é uma nação literária extremamente pequena, por isso tem a chance de se encaixar no que Kundera define como “provincianismo dos pequenos”:

(As pequenas nações) têm em alta estima a cultura mundial, mas esta lhes parece algo de estrangeiro, um firmamento distante, inacessível, uma realidade ideal com a qual sua literatura nacional pouco tem a ver.

O sorriso cínico

Sim, há momentos em que a análise pode ir para um caminho totalmente oposto. Afinal, além de se alimentar da cultura mundial, o Brasil jamais tratou a literatura de outros países da forma que Kundera explicou. Como já foi dito no texto, a relação é contrária. Por quê? Nosso país não chega a ignorar a produção literária, há vários espaços para a divulgação do que é produzido. Mas, ao mesmo tempo, existe uma força maior, digamos, que obriga silenciosamente a se pensar que a literatura daqui não tem capacidade de se sustentar mundialmente ou, pior, que é necessário aceitar melhor o que vem de fora para estar próximo a uma cultura que não seja tão vergonhosa como a nossa. Não estou dizendo que é, digo que assim é tratada.

Enquanto Kundera diz que “juntar-se aos confrades no território supranacional da arte é considerado pretensioso, arrogante em relação aos seus”, os brasileiros literatos apontam o dedo para quem se junta aos tais confrades, mas, na verdade, é seu lugar que buscam com o sorriso cínico. Aqui, só há a possessividade em relação ao artista, da qual fala o autor tcheco, quando ele próprio precisa gritar seu valor ou, então, nos momentos em que a hipocrisia domina o cenário.

Casos como quando se reclama que um escritor brasileiro, numa festa literária realizada aqui, deveria ter citado um conterrâneo só confirmam a maneira que lidam com a literatura nacional. Por um lado, é possível perceber o instante em que se dá o valor merecido a uma determinada obra. Mas, por outro, além de assumirem que um autor de outro país tem mais a acrescentar a qualquer cultura, se presencia a desvalorização total de qualquer importância que as obras contemporâneas possam ostentar — em silêncio, claro. A literatura brasileira não existe mais, é o que se diz.

Se ela não tem mais como se firmar nem no próprio país, poderia ser uma arte sem pátria? Ou, ainda, aqueles que priorizam o que é feito em outros países são traidores da pátria? Seria o Brasil o traidor de si mesmo? A verdadeira pátria, neste caso, é a literatura à qual qualquer escritor deveria ser fiel, pois ela o situou no mundo. E ser fiel é honrar, respeitar e admirar, como, em teoria, num casamento? Muito mais: o exemplo aqui é de pátria, que não mede condições. Talvez nossa cultura jamais tenha cooperado para que soubéssemos o que é ser um defensor patriota, e isso poderia implicar numa ausência de personalidade nos literatos como grupo. Afinal, o que eles fazem? Deve ser por este motivo que se maltrata a literatura, inclusive no momento em que se escreve. Mas esta e todas as outras são apenas suposições literárias.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos