Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de maio de 2022

» Colômbia: como esquerda reavivou esperanças

» Getninjas: o perverso leilão digital de trabalho humano

» Cinema: Em Tantas almas, a contracorrente da guerra suja

» 25 de maio de 2022

» Chacinas: O pacto de sangue na origem das PMs

» A Big Pharma e o relógio do apartheid pandêmico

» Rentismo: o parasita que alimentamos sem saber

» A fome e o colapso da “Revolução Verde”

» 24 de maio de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Comment ça marche ? Les structures de fonctionnement de l'OTAN

» L'avancée vers l'est

» Ventes d'armes des États-Unis à leurs partenaires

» Opérations militaires de l'OTAN

» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire


Edição em inglês


» France's new vocation

» Lawfare in the Mediterranean

» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


LITERATURA

Palavra 41

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Notas sobre contos machadianos
Nem tudo da farta produção de Machado de Assis, quase uma centena e meia de narrativas breves, merece ser lido
Aqui

A traição da pátria e outras suposições literárias
Os escritores estrangeiros são recebidos aqui — e não há diferença se bem ou mal: eles são sempre mais importantes — com um tipo de sorriso bastante comum
Aqui

Um portal de papel
Solaris é uma revista-portal que não pode ser encontrada em livrarias ou nas bancas – porque ela é mais uma ação viral que uma publicação
Aqui

As histórias da história de Biafra
“Meio sol amarelo”, de Chimamanda Ngozi Adichie, põe a história da tragédia de Biafra no mapa da geração Google
Aqui

Rodrigo Gurgel - (15/08/2008)

No centenário de sua morte Machado de Assis mostra-se mais eterno do que se poderia supor – para benefício de seus leitores atuais e das gerações que, no futuro, se debruçarão, com renovado prazer, sobre o universo de ceticismo e ironia do velho Bruxo, aprendendo com ele essas duas virtudes que dignificam os homens.

A fim de celebrar esses 100 anos, David Oscar Vaz escreve, especialmente para o Palavra, uma série de artigos dedicados à obra machadiana, iniciando com suas notas aos contos do autor de Memórias póstumas de Brás Cubas, marco não só do Realismo brasileiro, mas da fase adulta de nossa literatura.

Um dos méritos de Machado foi dar as costas ao Romantismo – e à sua tentativa de sobrevalorizar o local, o nacional, em detrimento de uma literatura universalista. Coube a esse mulato epiléptico e de origem humilde a tarefa de empreender o caminho inverso, o caminho da grande literatura: dialogar com a experiência humana em seu todo, não se prender a bairrismos, recusar-se à pequenez.

Sem tratar especificamente de Machado, Renata Miloni discute em seu texto quinzenal exatamente essa questão: é possível, no Brasil contemporâneo, criar a literatura universal que propunha Goethe? Em outros termos, é possível, no Brasil de hoje, repetir a experiência machadiana – ou estamos condenados a um eterno e tosco regionalismo? Para completar a discussão aberta pela Renata, proponho a leitura do debate publicado no suplemento Babelia, do El País, em janeiro de 2008.

Ainda voltados ao tema do universalismo – e do diálogo com outras realidades, com culturas diversas – Marina Della Valle e Fábio Fernandes fecham esta edição: Fábio escreve sobre uma insólita revista-portal, a Solaris, recentemente lançada e que congrega uma nova geração de escritores dedicados à ficção científica; e Marina analisa o romance Meio sol amarelo, da jovem escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie.

Boa leitura – e até a próxima semana!

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos