Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources

» Pas de démocratie sans conflit


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


LITERATURA

Palavra 42

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Hóspedes do vento
Ergueu-se, abriu os braços, não sabendo como saudá-los senão assim, camisa aberta, arreganhado, ele Neno, ele total, a mangueira repleta
Aqui

Perdendo Heitor
Noites que ela guardaria pelo cheiro do cigarro, da terra batida das estradas furtivas, do desodorante impreciso que ele passava, e, por fim, de muito usá-la, aprová-la, repeti-la, ele a tinha declarado única, nunca conhecera carne, cheiro melhor
Aqui

Tantas palavras
Quase ri dessa idéia absurda, outra que me cruzava o pensamento sem que eu soubesse de onde nem por que ela vinha. Mas me contive a tempo diante de um par de olhos que pareciam estar levando bem a sério a aventura
Aqui

O assassino bossa-nova
Espalham rapidamente as fotografias anteriores na mesa e decidem onde colocar a moça. Ela já está com um vestido longo, azul, semelhante aos usados na virada para os anos sessenta
Aqui

Rodrigo Gurgel - (22/08/2008)

A edição desta semana apresenta três contistas. Na verdade, três bons contistas, de mão firme e mira certeira.

Chico Lopes – que, a partir desta edição, torna-se colaborador mensal do Palavra –, autor de Nó de sombras e Dobras da noite, ambos publicados pelo Instituto Moreira Salles, apresenta duas narrativas inéditas, pertencentes a um livro de catorze contos que ainda aguarda editor: “Hóspedes do vento”- e “Perdendo Heitor”. No primeiro, dois andarilhos vagam rumo a uma cidade imprecisa, talvez a cidade ideal de todos os nossos sonhos; no segundo, o tema da busca retorna, mas toldado pela paixão, pelo desejo e por um final irônico, quase perverso.

Luiz Paulo Faccioli, que já colabora para este Palavra – dentre seus textos, há uma incisiva análise crítica da tradução brasileira de O Quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrell –, traz um conto inédito de seu novo livro, Trocando em miúdos, a ser publicado em outubro pela Editora Record. O livro compõe-se de quinze contos, livremente inspirados em quatorze canções de Chico Buarque, sem qualquer intenção de fidelidade. Para esta 42ª edição, Faccioli – que já publicou Elepê (contos, WS Editor) e Estudo das teclas pretas (novela, Editora Record) – escolheu a narrativa “Tantas palavras” – uma bordadura de sutilezas –, releitura da canção homônima gravada por Chico Buarque em 1984.

Marco Polli, colaborador do Palavra desde a nossa primeira edição, e autor do blog Ângulo, publica o conto inédito “O assassino bossa-nova”. Às vezes – nem sempre, é verdade – há razões existenciais para se matar: a melancolia, certa taciturnidade a que a vida nos condena, a falta de inspiração, a necessidade de exercitar os próprios dotes artísticos, ou apenas a passagem do tempo – e um angustiante sentimento de inadequação.

Boa leitura – e até a próxima semana!

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos