Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


DEPOIS DA CRISE

A marcha para a multipolaridade

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A crise atual do sistema financeiro só acelerou o movimento de recuo do Ocidente. Sem sombra de dúvida, os Estados Unidos continuarão sendo, por longos anos, a potência dominante. Mas a ascensão de Brasil, Rússia, Índia e China leva à formação de novos centros de poder que contestam a ordem internacional

Alain Gresh - (22/11/2008)

Antes mesmo de desabar o temporal que devastou o mercado financeiro, algumas notícias publicadas entre julho e agosto de 2008 traziam sinais interessantes.

O número de internautas chineses ultrapassou o de americanos, e os estados Unidos não representam hoje mais do que 25% do tráfego da rede, contra cerca de 50% há dez anos.

As tentativas para reanimar a rodada Doha das negociações comerciais internacionais fracassaram, principalmente porque Índia e China se recusaram a sacrificar seus agricultores, já empobrecidos, no altar do câmbio livre.

A Rússia defendeu, no decorrer da crise da Geórgia, seus interesses nacionais no Cáucaso, enfrentando os hesitantes protestos de Washington.

Esses fatos, entre muitos outros, expressam uma recomposição das relações internacionais, demonstram o fim do domínio absoluto ocidental que havia sido imposto desde a primeira metade do século 19.

A crise atual do sistema financeiro só acelerou esse movimento de recuo do ocidente. “o fim da arrogância” foi o título do semanário alemão Der Spiegel de 30 de setembro, com o seguinte subtítulo: “A América perde seu papel econômico dominante”. Por uma dessas ironias da história, essa mudança memorável ocorreu menos de duas décadas após a derrota do “campo socialista”, dirigido pela União Soviética, e do triunfo aparente dos princípios da economia liberal.

Profetizar é sempre perigoso. Em 1983, dois anos antes da ascensão de Mikhail Gorbatchev ao Kremlin, Jean-François revel previa o fim das democracias, incapazes de lutar contra “o mais temível de seus inimigos externos, o comunismo, variante atual e modelo perfeito do totalitarismo [1]”.

Alguns anos depois, Francis Fukuyama anunciava o “fim da história” com a vitória completa do modelo americano-ocidental. Da mesma forma, após a primeira Guerra do Golfo (1990-1991), muitos observadores entreviam o início de um século 21 majoritariamente americano.

Quinze anos mais tarde, surgiu outro consenso, talvez um pouco mais próximo da realidade: nós entramos em “um mundo pós-americano [2]”. Como reconhece o Livre blanc sur la défense et la sécurité nationale adotado pelo governo francês em junho de 2008, “o mundo ocidental - essencialmente a europa e a América - não é mais o único detentor da iniciativa econômica e estraté- gica da forma como era em 1994 [3]”.

O mundo vai se tornar multipolar? Sem sombra de dúvida, os estados Unidos continuarão sendo, por longos anos, a potência dominante. E não apenas no plano militar.Entretanto, deverão levar em conta o apare- cimento de centros de poder em Pequim, nova Délhi, Brasília e Moscou.

A paralisação das negociações da organização Mundial do Comércio (OMC), o impasse da crise nuclear iraniana e as peripécias nas negociações com a Coréia do norte confirmam que os americanos, mesmo aliados à União Européia, não são mais capazes de impor seu ponto de vista e precisam de outros parceiros para solucionar as crises.

Pode-se acrescentar a essas novas potências uma série de atores. Richard Haass, antigo funcionário do alto escalão da administração George Bush (pai) e atual presidente do Council on Foreign relations, evoca alguns deles em sua descrição de um “mundo não-polar” [4]: a Agência Internacional de Energia (AIE), a organização de Cooperação de Xangai [5], a organização Mundial da Saúde (OMS) e as organizações regionais; cidades como Xangai ou São Paulo; a mídia e suas transmissões via satélite, da Al Jazeera à Cnn; as milícias, do Hezbollah aos talebãs; os cartéis do tráfico de drogas; as organizações não-governamentais etc.

Integrantes do bloco conhecido como BrIC (Brasil, rússia, Índia e China), manifestam suas ambições ao mesmo tempo em que contestam uma ordem internacional responsável por sua marginalização.

Com objetivos mais limitados, países como África do Sul, Israel, Indonésia e até mesmo as nações sul-americanas defendem seus interesses “egoístas” com determinação. Nenhum desses estados é impulsionado por uma ideologia global, como era o caso da União Soviética. Tampouco algum deles se apresentou como modelo alternativo: todos aceitaram – uns mais, outros menos – a economia de mercado.

Mas esses países não pensam em fazer concessões sobre os seus interesses nacionais. Acima de tudo, lutam pelo controle das matérias-primas minerais, que se tornaram mais raras e caras – principalmente o petróleo e o gás.

A motivação inicial é resguardar a capacidade de alimentar a população diante de uma produção agrícola insuficiente e ameaçada pelo aquecimento global.

Por trás dela, porém, as nações também buscam defender seus interesses geopolíticos. Baseando-se em uma visão histórica de longo prazo, por exemplo, Taiwan e o Tibete iriam para a China; a região da Caxemira, para a Índia e o Paquistão; o Kosovo, para a Sérvia; e o Curdistão, para a Turquia.

Sabemos que esses conflitos estão longe de serem resolvidos por uma globalização triunfante. Pelo contrário: mais do que nunca, eles mobilizam grandes massas de ambos os lados.

Um simples olhar no mapa mundial indica que a maioria dessas tensões se manifesta em torno de um “arco de crises” que se estende, segundo o Livre Blanc sur la Défense et la Sécurité Nationale, do Atlântico ao oceano Índico. Seus autores alertam para “o novo risco de uma conexão entre os conflitos, que se desenha entre o oriente Médio e a região do Paquistão e do Afeganistão.

A existência de programas, em geral clandestinos, de aquisição de armas nucleares, químicas e biológicas agrava esse perigo, assim como a compra de arsenais militares baseados em vetores aéreos e mísseis.

A desestabilização do Iraque, dividido em comunidades rivais, corre o risco de se espalhar pelos países vizinhos e afetar, direta ou indiretamente, os interesses europeus.

Afinal, por diversas razões, os países do velho Continente estão presentes militarmente no Chade, na Palestina, no Líbano, no Iraque e no Afeganistão. Nessas condições, a europa provavelmente será chamada a participar ainda mais do futuro da região, para auxiliar na prevenção e na administração das crises [6]”.

Uma análise semelhante é compartilhada pela maioria dos estrategistas americanos e foi resumida por William Burns, importante funcionário do Departamento de estado: “Há dez anos, a europa era o epicentro da política externa americana. Agora, tudo mudou. o oriente Médio ocupa, para o presidente George W. Bush, para a secretária de estado Condoleezza rice e para seus sucessores, o lugar que a europa ocupava junto às diferentes administrações americanas do século 20”. O fato de essa região abrigar a maior parte das reservas petrolíferas do mundo num momento em que o preço do barril permanece muito alto – apesar da queda recente – contribui para aumentar o caráter estratégico do “Grande oriente Médio”.

Do Iraque até o Chade, do Afeganistão até o Líbano, registra-se uma concentração sem precedentes de tropas ocidentais. A última vez que um contingente de dimensão semelhante esteve na região remonta à Segunda Guerra Mundial.

A política norte americana de “guerra contra o terrorismo” ignorou a diferenças entre esses países e seus problemas internos e essa postura contribuiu para a criação de uma “internacional da resistência”. Internacional essa heterogênea e dividida, que não é capaz de se unir para nada, a não ser para fazer oposição à hegemonia americana.

Essa resistência se manifesta também na economia, um campo crucial. Ao contrário do que ocorreu nas crises precedentes, principalmente a asiática e a russa, a atual tempestade financeira confirma a marginalização de organizações internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. No início do milênio, muitos países, entre eles a própria rússia, a Tailândia, a Argentina, o Brasil, a Sérvia e a Indonésia, haviam decidido pagar suas dívidas ao FMI antecipadamente [7], para se libertar das regras impostas por esses organismos.

Será que o “consenso de Washington” [8] pode ser substituído pelo “consenso de Pequim”? Como um país do Sul pode se colocar no cenário internacional?

Segundo o economista Joshua Cooper ramo [9], são três teoremas que definem essas novas relações: insistência na inovação; levar em conta não apenas o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), mas a qualidade de vida e certa forma de igualdade que evite o caos; independência e autodeterminação nas decisões, o que implica na recusa em deixar que outras nações, principalmente as potências ocidentais, imponham seu ponto de vista.

Planos fora do consenso de Washington

Esses conceitos provocaram muitos debates e críticas [10] em torno da possibilidade de a China oferecer realmente um “novo modelo”. Afinal, ao mesmo tempo em que as desigualdades continuam crescentes em território chinês e o país aceitou aderir à globalização, suas movimentações permitem compreender que, como nunca desde a descolonização, os países do sul têm a possibilidade de conduzir políticas independentes, aliando-se a parceiros – tanto estados como empresas – que não compartilham a visão de Washington.

Novas relações se estabelecem, como comprovam os encontros entre a China e as nações africanas e a reunião dos ministros das relações exteriores do BrIC, em 26 de setembro em nova York.

Agora, os países podem traçar planos de desenvolvimento sem passar pelas duras condições do “consenso de Washington”. outra transformação essencial que afeta a arquitetura geopolítica do mundo é o aquecimento global. As implicações políticas e de segurança decorrentes deste fenômeno já são objeto de discussões no Conselho de Segurança das nações Unidas e estão incluídas nas reflexões estratégicas, dos Estados Unidos, da França ou da Austrália [11].

Condições extremas do tempo afetarão as colheitas de alimentos, favorecendo o desenvolvimento de epidemias, e a subida das águas não apenas colocará 150 milhões de pessoas na categoria de refugiados ecológicos até 2050, mas também reavivará a luta pela divisão dos territórios após o desaparecimento de atóis e ilhas, alterando a superfície das Zonas Econômicas Exclusivas (ZEE) [12].

A partir de agora não é só a dominação econômica do ocidente que é contestada, mas sua legitimidade em estabelecer o Bem e o Mal, em definir o direito internacional e em interferir nos assuntos mundiais em nome da moral ou do humanitarismo.

O ex-ministro das relações exteriores francês, Hubert védrine, explica que o ocidente perdeu “o monopólio da história”, o monopólio do “grande relato”. A história do mundo, inventada há dois séculos, se resumia à história da ascensão e da superioridade da Europa.

A marcha para a multipolaridade pode ser vista como uma esperança de avanço para um verdadeiro universalismo, mas ela também provoca medo no ocidente.

O mundo se tornaria cada vez mais ameaçador uma vez que “nossos valores” seriam atacados por todas as partes, pela China, pela Rússia, pelo Islã. E frente a esta situação seria preciso, sob o comando da organização do Tratado do Atlântico norte (OTAN), iniciar uma nova cruzada contra os bárbaros que tentam “nos destruir”. Se não tomarmos cuidado, essa visão se tornará uma profecia auto-realizadora.



[1] Comment les democraties finissent, Paris, Grasset,1983.

[2] Ler Farred Zakaria, The post-American world, Nova York, Norton, 2008. Ler também a crítica desse livro por Hubert Védrine, Le Monde Diplomatique, setembro de 2008.

[3] Défense et sécurité nationale. Le livre blanc, Paris, Odile Jacob/la Documentation française, 2008.

[4] “The age of nonpolarity: What Will Follow U. S. Dominance”, Foreign Affairs, nova York, maio-junho de 2008.

[5] Oficialmente criada em 2001, a OCs reagrupa China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão. ela foi reunida pelos quatro países observadores: Índia, Paquistão, Irã.

[6] Défense, op.cit. p 44

[7] ler Jacques sapir, Le nouveau XXIe siècle. Du siècle “américain” au retour des nations, Paris, seuil, 2008.

[8] O consenso de Washington é uma expressão criada em 1989 pelo economista John Williamson. Designa ao mesmo tempo as medidas liberais impostas pelas instituições internacionais (entre elas o Fmi) aos estados em dificuldade e a atenção redobrada que estes últimos demonstram – teoricamente – pela questão dos “direitos humanos”.

[9] Ler The Beijing consensus, Londres, The Foreign Policy Center, 2004.

[10] Ler Arif Dirlik, Beijing consensus: Beijing “Gonshi”. Who recognizes whom and to what end?

[11] Alan Dupont, “The strategic implications of Climate Change”, Survival, londres, The international institute for strategic studies, junho-julho de 2008.

[12] A ZEE tem sua origem na Convenção das nações Unidas sobre o direito do mar (1982). ela permite a um estado exercer certo número de direitos sobre uma linha de 370 quilômetros ao longo de suas costas.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos