Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


O que é a GAIA

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(23/11/2008)

A Gaia (Global Alliance for Incinerator Alternatives, ou Aliança Global para Alternativas à Incineração, em português) tomou emprestado o nome da mitologia – Gaia (deusa da terra para os antigos gregos) – para defender a bandeira ambiental da nãoincineração e não-destinação para aterros sanitários de resíduos sólidos que liberam, a cada ano, toneladas de gases tóxicos na atmosfera terrestre e poluem os solos e mananciais hídricos. A entidade foi fundada em dezembro de 2000, em uma reunião com mais de 80 representantes de 23 países, na África do Sul. Seus integrantes perceberam que a incineração era um obstáculo à construção de uma sociedade com desenvolvimento sustentável, conservação de recursos e justiça ambiental. Assim, se comprometeram a construir uma comunidade de solidariedade global e de colaboração internacional na luta por um mundo justo e sem poluição ambiental. Desde então, vários encontros já aconteceram, como em 2003 na Malásia e na região Basca, em 2007. Além desses encontros houve várias iniciativas espalhadas por todos os continentes, buscando criar um ciclo de produção e consumo, que reduza drasticamente o uso de materiais e químicos tóxicos, e onde todos os materiais e produtos sejam reutilizados, reparados e reciclados. Desde 2000, a Gaia incluiu mais de 500 organizações de 84 países em sua rede. Vitórias ambientais importantes foram conquistadas em diversos lugares, como em Buenos Aires, na Argentina, aonde foi adotada uma legislação de “Desperdício Zero”, que envolve cooperativas de trabalhadores que ajudam a promover saúde e sustentabilidade em uma das maiores cidades da América Latina, além de estimular a inclusão dos catadores locais. Já na África do Sul, existe uma ampla coalizão de grupos da sociedade civil e de interesse público para tentar derrotar um grande incinerador de lixo em uma das cidades mais pobres daquele país, Sasolburg. Já afetada pela indústria petroquímica, que não deixou nada além de um rastro de desemprego e poluição do ar, Sasolburg leva em seu nome a maior companhia petroleira da África do Sul, a Sasol, criada durante o apartheid. No Brasil, as principais frentes de luta da Gaia são o combate a má destinação de restos de pneus – como nas cimenteiras que queimam pneus para produzir cimento, um processo muito poluente – e o fim das incineradoras. Os signatários brasileiros da primeira declaração para a América Latina e Caribe são a ODESC e o Instituto Pólis, este último um dos atores na luta antiincineração desde 1993. (Pedro Ribeiro Nogueira)

Para mais informações sobre a GA IA na América Latina, acesse www.no-burn.org




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos