'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Cultura livre, movimentos e humanização do Capital
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A nova batalha por Assange e pelo jornalismo

» Eis os economistas rebeldes

» Coronavírus: o desejo pela pandemia

» Decifrando Bolsonaro

» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

Rede Social


Edição francesa


» Tenir une grève longue

» Au nom du bien-être de l'enfant

» En 1961, le tournant du procès Eichmann

» Qui a peur de Big Brother ?

» En Irak, émergence d'un pouvoir autoritaire à dominante chiite

» Ce que la génétique doit à l'eugénisme

» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


CONHECIMENTO LIVRE

Cultura livre, movimentos e humanização do Capital

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

O conhecimento livre em si é apenas uma possibilidade. Não basta que trabalhemos na ampliação do conhecimento livre como tal. É necessário que pensemos de modo estratégico, que produzamos conhecimentos livres não apenas em si mesmos, mas para si mesmos.

Aaron Shaw - (12/12/2008)

Como refletir sobre a Tecnologia do Conhecimento e a Produção Colaborativa pelo ponto de vista do conhecimento livre, aberto, não proprietário?

Talvez um bom início seja pensar tal questão pelo viés do conhecimento não proprietário como contraditório ao mercado. De conhecimento que, livre, está sujeito a grandes abusos (levados ou não a cabo) pelo capital e pelo mercado.

Nos anos 40 do século 20, o sociólogo estadunidense Karl Polanyi escreveu sobre o Liberalismo e os abusos do mercado. Sua hipótese era de que, para se humanizar, o mercado livre, ou seja, neoliberal, tem de criar uma "economia submersa (embedded, no original)" na sociedade e na cultura. Quer dizer, uma economia que responda às necessidades sociais, à proteção social. Em seus termos, Polanyi fala de mercadorias fictícias: terra, trabalho e dinheiro.

Na sociologia estadunidense de hoje, fala-se muito sobre o conhecimento ter se tornado, ele também, uma mercadoria fictícia. O que nos leva à seguinte questão: o conhecimento é mesmo uma mercadoria fictícia, nos termos das teorias neo-polanyianas?

Se sim, os recentes cercamentos sofridos pela propriedade intelectual seriam a mais nova frente de batalha no esforço para que a sociedade viabilize essa "economia enraizada". E, como tal, os conhecimentos livres (o software livre e a cultura livre, por exemplo) seriam ferramentas-chave para a proteção social.

As implicações sociais da adoção, da incorporação do conhecimento livre pelas grandes forças do capital, levam o conhecimento livre a tornar-se ferramenta capitalista

Até aí, o sentido é cristalino. Acontece que, se pensarmos no assunto de modo mais aprofundado, as teorias neo-polanyianas parecem ter chegado a um momento no qual não mais conseguem explicar a realidade. Isso porque, hoje, vemos grandes corporações, tanto nacionais como multinacionais, com produtos locais e globais, se apropriando desse conhecimento livre e percebendo que esses processos abertos, livres, acessíveis, podem funcionar como novos pólos, novas fontes de lucros.

Enfim, as implicações sociais da adoção, da incorporação do conhecimento livre pelas grandes forças do capital, levam o conhecimento livre (que, em si mesmo, não é nem precisa ser anticapitalista) a tornar-se ferramenta capitalista.

Vejamos o caso do Brasil. O governo Lula, em 2003, fez, numa interface com o mercado de Tecnologia da Informação, grandes adoções e migrações para o software livre nos Ministérios brasileiros. Migrar um Ministério é um negócio enorme, você tem 5.000 máquinas, um sem número servidores, workstations, desktops, escritórios. E, se você quer fazer uma migração dessa magnitude, tem que contratar alguém para te ajudar.

E quem é que você vai contratar pra fazer essa migração?

Você vai chamar a IBM, a Sun, as grandes consultorias multinacionais de mercado. E, a princípio, o resultado é bom. A IBM Brasil, por exemplo, dobrou seu número de empregados entre os anos de 2004 e 2006. Isso é impressionante, trata-se de uma empresa que aumentou seu número de trabalhadores brasileiros num momento de reformulação do mercado global. E isso significa, talvez, uma possibilidade de distribuir riqueza de uma maneira menos desigual.

O que acontece em seguida, porém, é que, ao assinar contratos com o governo, a IBM também aumenta seus lucros. E esses ganhos, embora vinculados ao conhecimento livre, não são uma forma de proteção social. Porque o enriquecimento das grandes corporações, como defende Polanyi, não necessariamente atende às necessidades da sociedade.

Enfim, esse é um mecanismo simples, sem grandes segredos. Mas sua implicação para a teoria do conhecimento livre, para a estratégia das pessoas que apóiam o conhecimento livre, é importante. Isso significa que não basta que trabalhemos na ampliação do conhecimento livre como tal. É necessário que pensemos de modo estratégico, que produzamos conhecimentos livres não apenas em si mesmos, mas para si mesmos. Um mote que, na verdade, pertence a Marx.

O conhecimento livre em si é apenas uma possibilidade. Mas a partir do momento que os conhecimentos livres compartilham de situação similar, e que as pessoas se beneficiam desses conhecimentos, o conhecimento livre passar ser livre para si mesmo. Torna-se, então, mais clara a existência de interesses políticos, bem como sua necessidade de vinculação às questões institucionais e à realização da proteção social, do "mercado enraizado".

Nos Estados Unidos, por exemplo, fala-se muito, hoje, da questão da Neutralidade da Rede. E vemos que, nesse campo, os ativistas estão se aliando às grandes corporações que apóiam o conhecimento livre (como Google, Sun e IBM) para fazer avançar a possibilidade de manter a Internet livre de monitoramentos excessivos e bloqueios.

Essa aliança é um novo passo para os movimentos do conhecimento livre, um passo importantíssimo, também, no Brasil. Hoje, assistimos ao debate sobre o Projeto Azeredo. Não temos a certeza de que os movimentos livres tenham, eles mesmos, a força política e econômica para vencerem o debate. Pode ser que, no caso do Projeto do Azeredo, obtenham alguma vitória — mas não podemos garantir como se sairão em projetos futuros.

O sucesso do conhecimento livre vai depender da capacidade dos movimentos livres de se aliarem com as forças do grande capital. O que não é fácil, porque as forças do grande capital podem se apropriar da capacidade dos movimentos livres. Enfim, vivemos um momento de construir, de ampliar o movimento pelos conhecimentos livres,de aumentar as possibilidades do Conhecimento. Mas, para que isso aconteça, será necessário, antes, que ampliemos os limites do movimento como tal.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos