Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Guedes quer repetir privataria da década de 90

» Aloysio Biondi e seu direito sagrado de analisar

» 7 de julho de 2020

» A Guerra, o Futuro e a “transição energética”

» Por que o apoio a Bolsonaro não desmorona

» 6 de julho de 2020

» Por uma moratória no Reconhecimento Facial

» Como nosso petróleo atiçou a cobiça dos EUA

» Preparados para o mundo pós-petróleo?

» 3 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers

» Décollage africain, marasme sénégalais

» BCE, enquête dans le temple de l'euro


Edição em inglês


» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water

» A tale of two countries


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


Desregulamentação: o grande jogo do monopólio

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Mathias Reymond - (05/12/2008)

Agosto de 2004. A mudança de estatuto das companhias francesas EDF e da Gaz de France, transformadas em sociedades anônimas, provoca agitação entre os assalariados. Os sindicatos das ex-empresas públicas propõem uma fusão entre os dois grupos a fim de “reforçar o serviço público”. A resposta contrária das direções e do Ministério da Economia e das Finanças é categórica: a operação seria impossível, pois implicaria “custos sociais e econômicos enormes”. Em posição de fraqueza diante da companhia de eletricidade, a Gaz de France alimenta a ambição de se transformar em um grupo multienergia, assegurando uma oferta “dupla” de gás e eletricidade. Assim, graças à abertura do mercado francês de energia, a GDF espera tomar 5 milhões de clientes da EDF até 2012.

Janeiro de 2006. O grupo franco-belga Suez e a Gaz de France aliam-se localmente para construir duas centrais de ciclo combinado a gás, perto de Foz-sur-Mer. No mês seguinte, a empresa de eletricidade italiana Enel anuncia que deseja lançar uma oferta pública de compra da Suez. Logo em seguida, o governo francês replica informando sua vontade de promover a fusão da Suez com a Gaz de France. E, portanto, privatizar a companhia de gás francesa. O novo grupo seria o quinto produtor de eletricidade da Europa e líder europeu no transporte de gás natural.

Camuflada em impulso de patriotismo econômico, essa manobra política suscitou reações ardentes na Itália. Crítico do comportamento intervencionista das autoridades da França, o governo italiano sugeriu que medidas de retaliação poderiam atingir as empresas francesas implantadas na Itália. Porém, nada disso aconteceu. Dois anos depois, no dia 22 de julho de 2008, após ter ultrapassado os obstáculos jurídicos, comunitários, institucionais e constitucionais, os dois grupos se reuniram em seu primeiro Conselho de Administração comum: nascia a GDF-Suez. E o Estado francês é um de seus acionistas, com 35,7%. Essa seqüência de reviravoltas, apoiada pela imprensa, é apenas parte do jogo de desregulamentação do setor energético. Afinal, apesar de a concorrência “livre e não-manipulada” imposta por Bruxelas pressupor a diversidade da oferta, os mercados energéticos estão cada vez mais concentrados. E, enquanto um oligopólio privado continental substitui os monopólios públicos nacionais, a preocupação da Comissão Européia cresce.

Com a instauração do mercado comum de energia, os operadores históricos integrados verticalmente (produção, transporte e distribuição da energia administrados pela mesma empresa) devem ceder ativos para se autodesmantelarem. Em outros termos, eles perdem participações no seu próprio mercado. Compensar tais perdas, para eles, é uma necessidade. Tudo então encoraja os operadores a se internacionalizarem e a conquistarem mercados europeus, como fez, por exemplo, a EDF em 2003, ao adquirir a metade do capital da italiana Edison. Os maiores comem os menores. Ainda fechados “demais”, os mercados da Europa Ocidental são difíceis de colonizar, e é para os países do Leste Europeu ou para outros mercados já regulamentados que se dirigem os grandes grupos europeus. De fato, a abertura da concorrência engendrou uma multiplicação de riscos para os operadores históricos: incerteza em relação ao abastecimento, custos de transação elevados e dependência diante da volatilidade dos preços. E uma concentração do mercado europeu, ponto de partida dessa ciranda.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos