Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Amazônia do Conhecimento ou da Ignorância?

» Protestos multiplicam-se: como participar

» Cinedebate: a crise ambiental brasileira em três filmes

» O cineasta em sua fauna

» A revolução do Emprego Garantido

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Para entender a crise de Itaipu

» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

Rede Social


Edição francesa


» Graves menaces sur la sécurité alimentaire mondiale

» Menaces sur l'Asie

» Le rap, complainte des maudits

» L'Afrique noire est-elle perdue ?

» Comment fut liquidée toute une génération d'opposants

» Eldridge Cleaver : le retour de l'enfant prodigue

» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux


Edição em inglês


» On ‘la pensée unique'

» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


LITERATURA

Idéias perdidas

Imprimir
Enviar
Compartilhe

No fundo, o único ponto realmente importante na literatura é o exercício da idéia

Renata Miloni - (16/01/2009)

Quase diariamente, encontro sem querer a frase "literatura não serve para nada" (da qual já falei em outro texto para o Palavra), e me pergunto se realmente pensam assim ou se é apenas para dar algum efeito de opinião. O fato é que ninguém parece ter vontade de dizer que literatura tem reais utilidades, pois, como arte — segundo o que capto inocentemente —, ela já anula a qualidade de ser útil.

Não consigo compreender qualquer arte assim, insisto em acreditar em propósitos, mesmo quando completamente absurdos, quando resultam em desgraça ou partem da loucura — acredito que ações partem deles, mas dificilmente concordo com algum.

Então, pelo que digo, literatura deve ter algum propósito por ser útil. Quando há tal ligação, talvez fique mais fácil exemplificar. O exercício da idéia é um propósito. Suspeito de que nenhuma idéia aparece do nada: estão todas apenas esperando por motivações de qualquer grau de estímulo.

No fundo, o único ponto realmente importante na literatura é o exercício da idéia, de quando o escritor se permite desenvolvê-la e sabe o limite que ela pode ter ou não. A idéia não pára quando reconhecida, mas o que mostrar dela? Deve existir algum tipo de esquecimento proposital, algo automático no autor que o faça encerrar: "essa minha ficção acaba aqui".

*

Qualquer comentário sobre idéia me faz lembrar que as pessoas estão — mais homens do que mulheres (e não digo por ser mulher, é um fato que pode ser comprovado facilmente) — em constante posição de defesa das idéias nas quais acreditam. É o que faço agora mesmo, não? Geralmente, defendemos idéias de escritores que gostamos; eles mesmos nos ensinaram defendendo.

Há um tempo, li uma entrevista da escritora inglesa Zadie Smith, na qual ela falava sobre os jovens americanos sentirem necessidade de defender os escritores dos quais gostam, algo que ela não sente. Como se dizer nomes levasse instantaneamente a um arquivo de idéias menosprezadas e que apenas elas pudessem ser lembradas publicamente.

Mas se são idéias que esses jovens aprovam, por que a urgência de defesa? No Brasil, não é diferente. Uma ansiedade por estar pronto para defender a idéia de um autor paira o tempo todo, e muitos não conseguem lidar com tanta pressão. Talvez por isso tantas brigas? E, quase sempre, se defende a idéia de autores mortos, como Zadie Smith também mencionou. Mas as idéias precisam ser defendidas?

*

Acho que é por isso que considero o exercício da idéia o mais importante da literatura. No fim, tudo gira em torno dele. Seria melhor ainda se a pressão fosse anulada ou, pelo menos, aliviada.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos