Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


LITERATURA

Idéias perdidas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

No fundo, o único ponto realmente importante na literatura é o exercício da idéia

Renata Miloni - (16/01/2009)

Quase diariamente, encontro sem querer a frase "literatura não serve para nada" (da qual já falei em outro texto para o Palavra), e me pergunto se realmente pensam assim ou se é apenas para dar algum efeito de opinião. O fato é que ninguém parece ter vontade de dizer que literatura tem reais utilidades, pois, como arte — segundo o que capto inocentemente —, ela já anula a qualidade de ser útil.

Não consigo compreender qualquer arte assim, insisto em acreditar em propósitos, mesmo quando completamente absurdos, quando resultam em desgraça ou partem da loucura — acredito que ações partem deles, mas dificilmente concordo com algum.

Então, pelo que digo, literatura deve ter algum propósito por ser útil. Quando há tal ligação, talvez fique mais fácil exemplificar. O exercício da idéia é um propósito. Suspeito de que nenhuma idéia aparece do nada: estão todas apenas esperando por motivações de qualquer grau de estímulo.

No fundo, o único ponto realmente importante na literatura é o exercício da idéia, de quando o escritor se permite desenvolvê-la e sabe o limite que ela pode ter ou não. A idéia não pára quando reconhecida, mas o que mostrar dela? Deve existir algum tipo de esquecimento proposital, algo automático no autor que o faça encerrar: "essa minha ficção acaba aqui".

*

Qualquer comentário sobre idéia me faz lembrar que as pessoas estão — mais homens do que mulheres (e não digo por ser mulher, é um fato que pode ser comprovado facilmente) — em constante posição de defesa das idéias nas quais acreditam. É o que faço agora mesmo, não? Geralmente, defendemos idéias de escritores que gostamos; eles mesmos nos ensinaram defendendo.

Há um tempo, li uma entrevista da escritora inglesa Zadie Smith, na qual ela falava sobre os jovens americanos sentirem necessidade de defender os escritores dos quais gostam, algo que ela não sente. Como se dizer nomes levasse instantaneamente a um arquivo de idéias menosprezadas e que apenas elas pudessem ser lembradas publicamente.

Mas se são idéias que esses jovens aprovam, por que a urgência de defesa? No Brasil, não é diferente. Uma ansiedade por estar pronto para defender a idéia de um autor paira o tempo todo, e muitos não conseguem lidar com tanta pressão. Talvez por isso tantas brigas? E, quase sempre, se defende a idéia de autores mortos, como Zadie Smith também mencionou. Mas as idéias precisam ser defendidas?

*

Acho que é por isso que considero o exercício da idéia o mais importante da literatura. No fim, tudo gira em torno dele. Seria melhor ainda se a pressão fosse anulada ou, pelo menos, aliviada.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos