'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Entre o livro-objeto e o livro-experiência
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que o Líbano está em transe

» Sobre estes homens brancos que dominam o mundo

» A catástrofe da água como síntese do Rio

» Fascinante é produzir comida de verdade

» Nazismo: banalidade do mal ou gozo dos carrascos?

» Austrália: o outro crime ambiental da direita

» Ou as vacas na Amazônia, ou as uvas no Sul

» Cinema: Longa (e humana) viagem Itália adentro

» Por uma nova Declaração dos Direitos Humanos

» Justiça, espaço contra os crimes climáticos

Rede Social


Edição francesa


» Dialogue avorté entre Téhéran et Washington

» La tentation de l'apartheid génétique

» La Colombie est un pays jeune qui a besoin de renouveler ses structures

» Ressources minières en Papouasie

» L'univers télévisé du « porno » immobilier

» La « stratégie de Schéhérazade »

» Les facettes de l'individu empêtré dans l'individualisme

» Guy Debord, l'irrécupérable

» La liberté réduite au portefeuille

» Un monde polyglotte pour échapper à la dictature de l'anglais


Edição em inglês


» The US and Iran: a long a bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street

» The myth of Judeo-Bolshevism

» Rewriting Luxembourgish


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


LITERATURA

Entre o livro-objeto e o livro-experiência

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Ainda hoje, apesar de todas as transformações vividas pela sociedade nas últimas décadas, leitores adultos ainda torcem o nariz para livros que fogem ao estereótipo de simplicidade e didatismo comumente associado ao “livro para crianças”

Marco Catalão - (24/01/2009)

Publicado no final de 2008 pela Cosac Naify, O livro inclinado, de Peter Newell, proporciona uma curiosa experiência de leitura: por um lado, as ilustrações ricas e detalhadas nos remetem à Nova Iorque do início do século passado, com seus costumes, gestos e indumentárias remotos; por outro, a forma inusitada do livro (inclinado, em conformidade com a narrativa, que trata de um carrinho de bebê que segue ladeira abaixo, causando uma grande confusão pelo caminho) tem um aspecto inovador, que ainda hoje destoa da maior parte dos livros escritos para o público infantil.

Mais do que às crianças, a publicação desta obra no Brasil deveria interessar ao “destinatário oculto” da literatura infantil: os pais e professores que, em última instância, acabam determinando o que as crianças lêem. Ao contrário destas (que, por ainda não estarem familiarizadas com a forma canônica do livro, não se dão conta da excentricidade de um livro de formato inclinado), o leitor adulto pode constatar que muitos aspectos aparentemente “novos” e “estranhos”, a começar pelo design do próprio livro, já fazem parte da história da literatura infantil há praticamente cem anos (a publicação original da obra data de 1910).

Como se sabe, a literatura infantil é muito mais conservadora do que a chamada “literatura adulta”. Ainda hoje, apesar de todas as transformações vividas pela sociedade nas últimas décadas, muitos leitores adultos ainda torcem o nariz para livros que fogem ao estereótipo de simplicidade e didatismo comumente associado ao “livro para crianças”. Assim, é bastante salutar a publicação de uma obra quase centenária em que se observa um bebê se divertindo gratuitamente com a destruição causada pelo seu “terrível carrinho”, sem nenhuma lição de moral implícita.

Em A formação do leitor literário (Editora Global), a pesquisadora Teresa Colomer observa que a utilização de recursos não-verbais “tem sido um dos motores da renovação da literatura infantil moderna”. Rompendo com os pressupostos de “facilitação” que tradicionalmente regem a produção de livros para crianças, muitas obras infantis incorporaram princípios das vanguardas do início do século 20, tratando a página impressa não mais como suporte neutro e indiferente, mas como recurso expressivo aberto à experimentação.

Se a iniciativa de Peter Newell remonta a 1910, a maior difusão de experimentos desse tipo só se deu muito mais tarde (fundamentalmente, a partir da década de 1990), com a popularização dos chamados “livros-objetos”, em que a narrativa verbal é acompanhada (ou substituída) pela narrativa visual. Evidentemente, esse tipo de produção artística pressupõe um leitor ativo, familiarizado com a interpretação de recursos não-verbais.

Inquietação e deleite

Outro livro recentemente lançado pela Cosac Naify, Na noite escura, de Bruno Munari, é um bom exemplo desse tipo de narrativa: muito mais importante que as palavras (completamente supérfluas e dispensáveis neste caso) são as ilustrações. Aliás, o próprio termo “ilustração” já se torna obsoleto aqui: as imagens não ilustram uma narrativa; elas são a narrativa.

Um texto completamente banal (“uma luzinha / bem longe / bem longe / está brilhando”) vai ganhando corpo e consistência através das páginas recortadas do livro, que convidam o leitor a explorá-las com a inquietação e o deleite de quem explora um ambiente noturno. Seguimos pela noite, caminhamos entre os minúsculos habitantes do mato, entramos numa gruta, tudo graças à forma, à cor e à textura das páginas.

Mais do que livro-objeto (afinal, o ponto amarelo na folha escura não se confunde com a luz de um vaga-lume, tampouco a página fosca mimetiza a forma e a textura de uma rocha), poderíamos classificar o livro de Munari como um livro-experiência, que devolve à leitura aquela carga de surpresa e enlevo que caracteriza a verdadeira obra artística (para além de pretensiosos “fins educativos” ecológica ou politicamente corretos), a única que pode transformar as crianças em autênticos leitores.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos