'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A batalha da memória
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

» Vigilância em tempos de educação à distância

» Todos escrevem ao Presidente

» Mapas do coronavírus: desafios e direções

» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

Rede Social


Edição francesa


» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


A batalha da memória

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A iniciativa de abrir as valas comuns onde estão enterrados os mortos republicanos dessacraliza uma transição democrática erigida como “modelo” e destrói dois de seus mitos fundadores: o da amnésia e o de um pacto político do esquecimento entre a direita e a esquerda, até então obrigada a aceitar a impunidade dos carrascos

Jean Ortiz - (12/02/2009)

"Em grande parte da Espanha, o que chamamos de guerra civil era tão- somente repressão. O golpe de Esta do militar do general Francisco Franco foi imediatamente seguido de um plano de extermínio”, declara o movimento de recuperação da memória da Espanha republicana.

Para esses estudiosos, o objetivo dos franquistas não era somente ganhar a guerra: eles queriam extirpar a república pela raiz. Daí o uso de termos como “depuração”, “purificação”, “limpeza” e “pacificação” para classificar esse episódio. É o que demonstra a cartografia das valas comuns republicanas, atualizada recentemente, que coincide com as regiões onde o levante militar foi imediatamente vitorioso. Após o final do conflito a “limpeza” continua: 50 mil republicanos foram fuzilados em poucos meses.

Agora, a memória dos “vermelhos” rompe o silêncio de um esquecimento imposto e estremece a sociedade espanhola [1], admite o líder do governo na época, Felipe González. “Sinto-me responsável, em parte, pela perda de nossa memória.” [2]

Para a direita espanhola, a explosão memorial e historiográfica mostra-se insuportável, relembra as origens sanguinárias do franquismo e ela insiste em “não reabrir velhas feridas”. Isto porque o “franquismo ideológico” parece ainda enraizado não somente no seio de uma parte do eleitorado de direita, mas também na Igreja, na Justiça, no Exército, no meio patronal e entre os banqueiros.

O historiador Julián Casanova considera que os eclesiásticos católicos da Espanha recusam-se a reconhecer seu “papel de carrascos” e sua “aprovação ao extermínio legal” [3]. Uma memória seletiva, claro, uma vez que, ao mesmo tempo, a Igreja espanhola beatificou 997 fiéis, principalmente membros do clero e das ordens religiosas, vítimas do “terror vermelho” (1934-1938) [4]. Quanto ao exército, ele continua contrário a qualquer homenagem aos militares legalistas fuzilados por terem se oposto ao levante fascista.

As eleições legislativas de 2004 reconduziram o PSOE ao poder. Mas forças políticas como a Izquierda Unida [5] ou a Esquerra Republicana de Catalunya (Esquerda Republicana da Catalunha – ERC), assim como a maioria das associações de recuperação da memória, o acusam de fazer “jogo duplo”.

Em 20 de novembro de 2008, o líder do governo, José Luis Zapatero, declarou: “Tudo o que contribua para manter isso no esquecimento mais profundo da sociedade espanhola será algo bom (…) muito embora haja pessoas mais inclinadas a esquecer que outras” [6].

Após três anos de hesitação, o governo socialista foi obrigado a adotar uma lei chamada de “memória histórica”, aprovada pelo Parlamento em 31 de dezembro de 2007. É um avanço, claro, mas que muitos consideram tardio e limitado.

A lei determina a erradicação dos símbolos franquistas dos edifícios públicos, solicita às administrações locais que auxiliem as associações a exumar os desaparecidos e abre a possibilidade para 1,5 milhão de filhos e netos de “exilados” obterem a nacionalidade espanhola, com a condição de prestarem juramento de fidelidade à Constituição e ao rei (um paradoxo para os descendentes de republicanos…).

Apenas em 16 de outubro de 2008 o debate sobre o tema se acentuou no terreno jurídico. Nesse dia, e pela primeira vez, o juiz Baltazar Garzón abriu um processo sobre as circunstâncias do desaparecimento de 130.137 pessoas durante a guerra civil e o franquismo. A decisão do magistrado abalou o mundo político e jurídico ao evocar um “plano premeditado e sistemático de extermínio”, um “sistema de desaparecimentos forçados” e “crimes contra a humanidade” [7].

Ele ordenou o estabelecimento de um mapa preciso das valas comuns, o recenseamento de todos os desaparecidos e a abertura imediata de 19 valas, entre as quais, emblematicamente, a do poeta Federico García Lorca. Garzón também colocou em xeque a lei de anistia de 15 de outubro de 1977, que impedia qualquer investigação.

A determinação do juiz valeu-lhe virulentos ataques da direita. o procurador-chefe da Audiencia Nacional, a mais alta instância penal do país, Javier Zaragoza, acusou-o de querer uma “nova Inquisição” [8] e organizou sua destituição. Acuado e isolado no seio do aparelho judiciário, Garzón abandonou a causa sem renegá-la e, em 28 de novembro de 2008, a Audiencia vetou a investigação sobre o golpe de Estado franquista.

Por trás desses enfrentamentos judiciais ocultam-se embates políticos. A iniciativa de Garzón dessacraliza uma transição democrática erigida como “modelo” e exportada, principalmente para a América Latina. ela destrói seus mitos fundadores: o da amnésia, o de um pacto político do esquecimento entre a direita e uma esquerda, obrigada a aceitar a impunidade dos carrascos.

Alguns setores do aparelho judiciário e do Partido Popular, assim como a Igreja, tentam frear um movimento que obriga a rever muitos dos lugares comuns, como o da “guerra civil”, que coloca em pé de igualdade os franquistas e os republicanos, ou o da “transição” como referencial democrático inicial que promove a assimilação da monarquia.

Para a direita, convém refrear o movimento antes que ele coloque em questão outros tabus, como a espoliação dos bens dos vencidos ou a pilhagem ocorrida nos anos 1940. Afinal, o que ocorreu com as grandes fortunas públicas e privadas erigidas sobre o trabalho de centenas de milhares de prisioneiros políticos até os anos 1960? e o que dizer das “crianças perdidas do franquismo”, usurpadas de seus pais republicanos pela ditadura? Ainda há muitas faces sombrias a explorar.

O que inquieta os protagonistas do “pacto do esquecimento” é o retorno do dilema: monarquia ou república. Para o filósofo Carlos París, “se aceita que a espanha seja uma monarquia, muito embora ela seja, na realidade, uma herança do franquismo” [9]. O movimento em curso traz também a crítica da “transição pactuada”, das hesitações da esquerda e das reivindicações da república.

Por isso, a contra-ofensiva da direita e da Igreja vai no sentido de manter o status quo e perenizar uma democracia incompleta. Para o porta-voz desses conservadores, Pío Moa – autor de uma obra que Aznar dizia ser seu livro de cabeceira –, “a vitória de Franco na guerra civil salvou a Espanha de uma traumatizante experiência revolucionária” [10].

Após dez anos em atividade, o “movimento social pela memória histórica” não voltará atrás. As associações continuam a desenterrar o que foi ocultado e já abriram 200 valas comuns, recuperando 4 mil corpos. Algumas delas exigem a criação de uma “comissão da verdade”. São os embates políticos do presente que condicionam a interpretação do passado, e a reapropriação da memória constitui um elemento central do exercício da democracia.



[1] José Maldavsky. “Les charniers de Franco”, Le Monde diplomatique, janeiro de 2003.].

Nem mesmo após a vitória do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) nas eleições de outubro de 1982, ou a chegada ao poder do Partido Popular de José María Aznar, em 1996, não renovou os termos do debate e da “batalha da memória”. “Decidimos não falar do passado”[[El País, Madri, 20 de abril de 2001.

[2] Felipe González e José Luis Cebrián, Le futur n’est pas ce qu’il était, Aguilar, Madri, 2001.

[3] El País, 26 de novembro de 2008.

[4] Michel Cool. “Catolicismo atormentado”, Le Monde Diplomatique Brasil, ed.14.

[5] Coalizão formada em torno do Partido Comunista Espa- nhol (PCE).

[6] El País, 21 de novembro de 2008.

[7] El País, 17 de outubro de 2008.

[8] El Mundo, Madri, 29 de outubro de 2008.

[9] Diario Independiente, Madri, 8 de outubro de 2008.

[10] Pío Moa. Los Mitos de la Guerra Civil, La Esfera de los Libros, Madrid, 2004.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos