'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Criação de valor ou extração de lucro?
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Edição de 3 de junho de 2020

» Boaventura: as hierarquias que estão em xeque

» Quando a razão cínica toma a Ciência

» Sobre as boiadas que passam

» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

Rede Social


Edição francesa


» Sur le toboggan de la crise européenne

» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


economia política

Criação de valor ou extração de lucro?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Desde o início da prática de shareholder value, a obrigação de atender aos interesses dos acionistas é a principal preocupação das empresas. Muitas vezes, as decisões são tomadas apenas levando em consideração o quanto cada um deles enriquecerá

Isabelle Pivert - (03/03/2009)

No final dos anos 1980, a prática da criação de valor em favor do acionista começou a se impor. Esse conceito, que leva o nome, em inglês, de shareholder value, não só transformou por completo a organização e o funcionamento tradicionais das empresas como também alterou a coesão social da quase totalidade dos países industrializados.

Desenvolvida pelos departamentos de “fusões e aquisições” dos bancos de negócios anglo-saxões, a shareholder value visava inicialmente determinar os ganhos obtidos pelo acionista com uma operação de fusão ou de compra entre duas companhias. Aos poucos, ela se tornou o indica-dor referencial do desempenho financeiro da empresa, em detrimento de toda lógica econômica e industrial.

As empresas que até então eram insta-das a crescer, buscar fusões, a se engolir entre si ou desaparecer em nome das economias de escala e da conquista de um tamanho crítico, passaram a ser alvos des-sas pressões com o único objetivo de proporcionarem uma remuneração máxima para os seus acionistas. Essa remuneração, aliás, não dependia mais unicamente de uma distribuição de dividendos (geralmente calculados a partir do lucro), mas sim, cada vez mais do aumento da cotação da ação da sociedade.

“Daqui para frente, vocês trabalharão unicamente para o acionista!” É assim que a executiva comercial de uma multinacional da indústria farmacêutica se recorda da apresentação feita por seus dirigentes sobre o conceito da criação de valor. “Isso me causou um choque! Depois, eles nos explicaram que nós, os funcionários, também seríamos beneficiados com isso, uma vez que se enriquecêssemos o acionista, receberíamos prêmios e aumentos”.

A partir de meados dos anos 1990, a shareholder value passou a ser utilizada como um princípio unificador e até mesmo “racionalizador”, uma vez que ela começou a ser aplicada a quase todos os setores.

Uma empresa cotada na Bolsa de Valo-res tem por obrigação servir da melhor maneira possível seus acionistas com rendimentos, isto é, com dividendos obtidos do investimento, que podem alcançar – e por vez superar – os 15% ao ano.

A obrigação de atender aos interesses do acionista encontra-se então codificada pela expressão corporate governance, a (boa) governança de empresa, cujo princípio natural e implícito é responder a uma única e mes-ma pergunta, no momento de tomar cada decisão: isso deixará o acionista mais rico?

Para Didier C, diretor-geral de uma sociedade francesa do setor automobilístico que foi comprada em 2005 por um grupo japonês, a empresa cotada “tem por obrigação mostrar um bom desempenho na Bolsa, mas a inovação, cujos dividendos obtidos em função do investimento só aparecem a médio ou longo prazo, padece dessa aborda-gem. Isso nos afasta radicalmente da estratégia industrial: a empresa só existe para ‘vomitar’ resultados a serviço das instituições financeiras”.

Os executivos dirigentes, cuja remuneração em stocks options alinhou os interesses com os dos acionistas, não têm outra escolha senão selecionar o cenário que eles consideram como o mais suscetível de fazer subir, o mais rápido e o mais alto possível, a cotação na Bolsa.

Com isso, determinada atividade existente da qual se espera “apenas” 8% anuais de retorno, em função dos capitais investidos – sendo, portanto, rentável – será abandonada ou menosprezada em proveito daquelas capazes de gerar taxas superiores a 10% e até mesmo a 15%.

Na indústria farmacêutica, onde os ciclos de pesquisa são muito extensos, esta lógica financeira busca a identificação pré-via dos clientes mais promissores em toda decisão de investimentos relativa à pesquisa aplicada.

Entre a malária que atinge milhões de pessoas em países pobres e a obesidade, que atinge países ricos, a opção relativa à pesquisa se fará em proveito da segunda, considerada como a mais favorável para a evolução da cotação na Bolsa.

Segundo Didier C., a necessidade de se obter lucros no curto prazo impõe um ritmo extremamente difícil para as empresas. A globalização e a transferência de empresas para o exterior são decorrência disto.

Para os fabricantes de equipamentos automotivos, a obrigação de se mostrarem sempre mais lucrativos se traduz por uma redução no custo do trabalho.

“No nosso setor, quando me obrigam a aumentar meus resultados em 10% ou 15%, demito os empregados franceses e contrato outros nas minhas usinas na China ou na Índia. Mas, assim fazendo, estou matando a empresa, porque o meu know-how continua sendo mais importante na França e preciso lutar para mantê-lo”.

Para Gérard S., gestor de fundos de pensão, “em nove em cada dez casos, quando uma empresa anuncia que está transferindo 10% dos seus centros de produção da França para a Ásia, verá sua cotação na Bolsa subir no mesmo dia”.

Disso nasce a contradição, para não di-zer a perversidade, da criação de valor: por estar baseada no curto prazo, ela se opõe à própria noção de empresa que é uma aposta dinâmica e ponderada no futuro. Esta contradição é agravada pela crença de que a ba-talha voltada para o curto prazo acompanha necessariamente uma concorrência desen-freada e permanente.

“É preciso se sentir numa situação de perigo, adaptar-se, investir”, considera Jean-Marc P., um especialista em investimentos de capital de risco.

Por sua vez, Jean-Michel L., especialista em recrutamentos, avalia que os adminis-tradores deturparam de maneira singular uma célebre declaração do economista John Maynard Keynes: “No longo prazo, todos nós já morremos’, portanto, a única coisa que valha é o cotidiano”.

Diante da pressão dos acionistas, os executivos dirigentes da empresa desenvolve-ram estratégias individuais de “sobrevivência”, que incluem práticas novas de desvio de material ou de mercadorias, além de re-tenção de informação. De maneira simétrica e prévia, a propaganda, a omissão e a mentira, se tornaram modos corriqueiros de administração operacional – fala-se até mesmo em “administração pelo terror”.

Num meio onde a concorrência é deliberadamente exacerbada, aquele que não se adapta à norma em tempo hábil é excluído.

Segundo Didier C., “anteriormente, o sindicato desempenhava um papel de intermediário entre os destinos individuais e a política da empresa. Na situação atual, os que permanecem empregados são aqueles cujas aspirações individuais correspondem, em última instância, às necessidades da em-presa, sem que eles venham a precisar da intermediação de quem quer que seja”.

A adaptação à norma provoca ajustes por antecipação ou por mimetismo, conforme sublinham os analistas da agência de risco Fitch: “O fato de se transferir a produção para países com baixos custos salariais não proporciona necessariamente uma vantagem em relação à concorrência, mas constitui provavelmente uma nova norma”.

É justamente nesse processo de deterioração das relações que reside o perigo para as democracias, que vêem se desenvolver dois tipos de empregos portadores de germes autoritários. O primeiro diz res-peito à comunicação-propaganda, quer ela seja praticada no interior, quer no exterior da empresa. O segundo, ao controle e à segurança no âmbito da empresa, mas também fora dela.

Contrário às liberdades públicas, o cres-cimento dessas profissões está baseado na incapacidade, por parte da maioria dos políticos atuais, de questionar uma crença maciça num capitalismo fundamentalmente bom (os neoliberais) ou finalmente bom (os social-democratas).

Mesmo que o capitalismo financeiro tenha sofrido profundamente com a crise, quantos apelam para a sua “moralização”?




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos