Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


RELIGIÃO

Indígenas equatorianos diante do desafio evangélico

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante da perda de credibilidade da Conaie, por seu apoio inicial ao presidente Gutiérrez, emerge no Equador uma nova organização, oriunda do movimento evangélico, hoje a principal voz dos indígenas

Laurent Tranier - (01/04/2005)

De forma unânime, o racismo recuou e os indígenas ergueram a cabeça. A situação econômica e social, entretanto, é catastrófica

“A sobrevivência da Confederação das nacionalidades indígenas do Equador (Conaie) está ameaçada. O objetivo de minha presidência é organizar uma manobra para consolidar a base do movimento”. Voz grave e gestos lentos, Sr. Luis Macas não se deixa levar por ilusões. Personagem histórico da organização social criada em 1986 para lutar contra todas as formas de exploração e violência das quais são vítimas os indígenas e que ele presidiu de 1990 a 1996, ele foi escolhido em dezembro de 2004 para conduzir, durante os três próximos anos, uma verdadeira missão de salvamento1.

No decorrer da década de 90, o movimento indígena, representado quase em sua totalidade pela Conaie, pareceu ter ido de vitória em vitória. Os levantes de 1990, 1992, 19942, 1997 e 1998 lhe permitiram obter novas terras e ainda mais recursos para o desenvolvimento, mas também impedir os aumentos do preço da energia e diversas medidas de ajuste estrutural exigidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Mas, muito rápido, as “vitórias” se revelaram limitadas. Realmente, os cinco milhões de descendentes dos povos pré-colombianos adquiriram uma visibilidade, uma força política e uma dignidade no pequeno país de 13 milhões de habitantes. A Constituição adotada em 5 de junho de 1998, uma das mais modernas do mundo no que tange a direitos coletivos3, lhes reconhece toda uma gama de prerrogativas essenciais a sua sobrevivência cultural. De forma unânime, o racismo recuou e os indígenas ergueram a cabeça. A situação econômica e social, entretanto, é catastrófica. Enquanto o Instituto nacional de estatística e censo estima em 44% a população pobre do país (dispondo de menos de 2,64 de dólares por dia) em 2004, a taxa atinge 80 a 90% em sua população.

Traição de Gutiérrez

A Conaie e seu braço político, o movimento Pachakutik (PK) entram em peso no governo. Mas o presidente Gutiérrez precisa de uma aliança muito mais ampla para dirigir o país

Em janeiro de 2000, novamente, os índios desfilaram nas ruas de Quito. Centenas de milhares de pessoas se manifestam contra o projeto do presidente Jamil Mahuad de trocar a moeda nacional, o sucre, pelo dólar estadunidense. O exército intervém, mas, aparentemente, apoiando o povo. Em 21 de janeiro, os manifestantes tomam o Congresso e Sr. Mahuad abandona a presidência. Ele é substituído pelo vice-presidente Gustavo Noboa... que realizará, assim mesmo, a dolarização.

Nessa ocasião, um oficial mestiço, até então desconhecido, surge no primeiro plano: o coronel Lucio Gutiérrez. Opondo-se à oligarquia e se apresentando como um porta-voz dos desfavorecidos e indígenas – consideram-no, na época, como um Hugo Chávez equatoriano –, ele será eleito presidente da República dois anos depois. Apoiado pela Conaie desde o primeiro turno, recebe o apoio dos partidos de esquerda e centro-esquerda e vence Sr. Álvaro Noboa, o homem mais rico do país, no segundo turno.

A Conaie e seu braço político, o movimento Pachakutik (PK) 4 entram em peso no governo. Mas o presidente Gutiérrez precisa de uma aliança muito mais ampla para dirigir o país. Encontra-a, por um tempo, no Partido social cristão – formação conservadora dos meios econômicos de Guayaquil –, desprezando o acordo programático feito com o PK, e pactua rapidamente com seu homólogo estadunidense, George W. Bush, o FMI e as forças do mercado. Os ministros oriundos do movimento indígenas denunciam a traição e fecham a porta. No Congresso, os deputados PK se contam: são onze. Em janeiro de 2005, em virtude de exclusões e deserções, são apenas seis e perderam toda influência.

Perda de credibilidade

Hoje na oposição, o PK e a Conaie perderam seu crédito em relação a sua base e a opinião pública

No momento da autocrítica, Sr. Luis Macas, efêmero ministro da agricultura, confessa sem rodeios: “Nosso primeiro erro foi a aliança com Gutiérrez.” Hoje na oposição, o PK e a Conaie perderam seu credibilidade em relação a sua base e a opinião pública. Quando se apresenta ao novo presidente da Conaie um documento austero de uma quinzena de páginas intitulado “Projeto político das nacionalidades e povos do Equador”, ele esboça um sorriso desconfortável. Ele conhece bem o documento, já que foi em sua direção que foi elaborado, em 1994. Em mais de dez anos, o projeto não evoluiu de uma vírgula.

As propostas da Conaie permanecem centradas nas reivindicações identitárias, teoricamente contempladas pela adoção da Constituição de 1998: um pedido de educação bilíngüe (espanhol – idioma nativo) que ninguém critica; uma clássica luta por terras e uma exigência de “desenvolvimento” tão enérgica quanto imprecisa. Sem esquecer uma reforma do Estado que se tornou lugar comum. Todavia, do mesmo que o conjunto do movimento popular latino-americano, a Conaie está muito vinculada à luta contra a implementação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), programada por Washington para 2005.

Evangélicos entram em cena

A Feine se tornou a principal voz dos indígenas. Presente nas cidades como nos campos, aparece unida atrás de seu presidente e dotada de princípios moderados e claros

Durante os dias insurrecionais de 2000 apareceu uma organização até então estritamente destinada à representação religiosa, a Federação evangélica indígena do Equador (Feine) 5. Em constante desenvolvimento desde os anos 60 e libertados da tutela de missionários estadunidenses em 1981, os índios evangélicos representam cerca de dois milhões de pessoas no país6. Por muito tempo, abstiveram-se de todo ativismo social ou político por motivos doutrinais. Pela “ética protestante”, que considera que o poder político advém de uma vontade divina, não havia como contestar. A passividade contribuiu, por muito tempo, para a rejeição das organizações evangélicas por outras estruturas indígenas.

No entanto, sob o impulso de Sr. Marco Murillo, eleito em 1998, com 28 anos, à presidência de uma organização nacional desprovida de influência, a Feine se tornou a principal voz dos indígenas. Presente nas cidades como nos campos, enquanto a Conaie permanece essencialmente rural, aparece unida atrás de seu presidente e dotada de princípios moderados que expõe com clareza. Ao mesmo que reivindica pragmatismo, a Feine não é ingênua em relação ao governo cuja política indígena não é mais que a distribuição de alimentos na base e cargos administrativos aos dirigentes – um clientelismo quase oficial, orquestrado pelo ministério do bem-estar social7. “Não apoiamos o governo, insiste Sr. Murillo. “Aprovamos os aspectos positivos de sua ação e continuaremos a lutar por nossas reivindicações que não foram contempladas. Mas não participaremos da sua derrubada. Já chegamos à conclusão: isto não muda nada...”

“Desenvolvimento integral”

A “nova identidade indígena protestante” e, ao mesmo tempo projeto de aprimoramento moral e proposição concreta de progresso econômico e social

A participação direta da Feine na ação social e política não foi sem dificuldades, no próprio seio da organização: “Mas, continua Sr. Murillo, era necessário pôr um fim à esquizofrenia dos pastores que, na manhã, pregavam a ordem e a submissão às autoridades postas no lugar por Deus; e, à noite, como dirigentes de uma comunidade, concluíam que a miséria, o analfabetismo e a ausência de perspectivas tornavam indispensável a mobilização...” Isso se fez a partir da teoria do “desenvolvimento integral”, perfeito exemplo da ligeireza doutrinal dos cultos evangélicos. Uma doutrina oriunda da cosmovisão indígena, que não distingue o sagrado do temporal e associa as necessidades físicas e espirituais dos humanos. Para levar a cabo o que a etnóloga Susana Andrade define como a “nova identidade indígena protestante8”, ao mesmo tempo projeto de aprimoramento moral e proposição concreta de progresso econômico e social.

A “nova identidade” é compatível com o “programa” da Conaie? Segundo seu presidente, a Feine aparece cética, acusando a Conaie de propor uma visão “etnocêntrica” e “retrógrada” do desenvolvimento. Assim, a Feine se declara favorável à educação intercultural bilíngüe, pois “a língua é uma parte essencial da identidade”. Mas ela exige, além disso, o aprendizado do inglês e a abertura do ensino para conhecimentos universais. Do mesmo modo, se ela também milita para um reforço da economia comunitária, quer que se desenvolva simultaneamente uma atividade aberta aos mercados, a partir da qual micro-empresas seriam financiadas por um banco de desenvolvimento que ainda precisa ser criado.

Vocação local

Na Conaie como na Feine, afirma-se que o movimento indígena se fortalece com sua diversidade. Mas ambos reconhecem que a confrontação eleitoral é inevitável

Quase naturalmente, como a Conaie, a Feine deu a luz a um partido político. Amauta Jatari (“A sabedoria se ergue”, em quíchua) apareceu em 1998 e apresentou em 2002 o primeiro candidato indígena a uma eleição presidencial no Equador. Dissidente da Conaie. M. Antonio Vargas obteve menos de 40 mil votos, seja 0,8% dos computados: o pior resultado dos onze candidatos do primeiro turno.

Diante da impactante derrota, a Feine e Amauta Jatari concluíram que a vocação do movimento não seria nacional: apesar das fortes implementações locais, o peso dos evangélicos no conjunto do país não lhes permite pretender, sós, à vitória. Como conseqüência, apenas existirão por meio de alianças “com os movimentos de centro e centro-esquerda laicos e progressistas”, de acordo com Sr. Murillo.

Colocando as resoluções em prática desde as eleições locais do outono 2004, os evangélicos conquistaram três municipalidades e uma numerosa representação nos conselhos municipais e provinciais na serra. Muitas vezes com o apoio do Partido da sociedade patriótica (PSP) de Sr. Gutiérrez e do Partido socialista. Nas próximas eleições gerais do outono 2006, Amauta Jatari espera suscitar uma grande aliança de centro e centro-esquerda e enviar deputados ao Congresso nacional.

Crise política e divisão indígena

Na Conaie como na Feine, afirma-se que o movimento indígena se fortalece com sua diversidade e proclama-se a intenção de dialogar. Mas, ao mesmo tempo, ambos reconhecem que a confrontação eleitoral é inevitável. Por motivos ideológicos, segundo a Feine; em virtude de um governo manipulador que semeia a divisão, segundo a Conaie. Em 16 de fevereiro, as ruas de Quito ressoaram da marcha de uma manifestação massiva – entre 70 e 200 mil pessoas – levada ao grito de “Lucio, fuera!” (“Fora Lúcio [Gutiérrez]”) por uma reunião indo de sindicatos à organizações não governamentais, passando por organizações de bairro, o muito conservador Partido social cristão e o movimento Pachakutik. A crise política havia sido desencadeada após a maioria legislativa favorável ao governo reorganizar “a seu modo” a Suprema Corte de Justiça, o Tribunal Supremo Eleitoral e o Tribunal constitucional.

A Conaie, que apoiou o movimento sem participar neste diretamente, pensa em uma oposição acompanhada na base por contra-propostas distintas das dos partidos políticos, para impedir a assinatura de um Tratado de Livre Comércio (TLC) com os Estados Unidos, rejeitar o Plano Colômbia (que implica o Equador por meio da militarização das fronteiras e a base estadunidense de Manta) e rejeitar a privatização do patrimônio nacional.

Ausente das manifestações de 16 de fevereiro, a Feine não se mobilizou nem pelo governo nem pela oposição. Todavia, financiando transporte, remuneração e/ou punições, o ministério do Bem-estar social havia convocado as comunidades evangélicas à manifestação que ocorreu no mesmo dia e reuniu uma dezena de milhares de pessoas em defesa do presidente Gutiérrez.

(Trad.: João Alexandre Peschanski)

1 - A Conaie reúne três confederações regionais: a Ecuarunari na serra, a Confeniae amazônica, a Conaice no litoral, e constitui o quarto ou quinto nível em uma pirâmide de organização (pouco claro).
2 - Ler Maurice Lemoine, “A revolta muito política dos índios do Equador”, Le Monde diplomatique, novembro, 1994.
3 - Cf. Constituição política da Reública do Equador adotada em 5 de junho de 1998: Título I, artigo 1º: “O Equador é um Estado social de direito, (...) pluricultural e multiétnico” e Título III, Capítulo 5, Seção 1º: “Dos povos indígenas e negros ou afro-equatorianos”.
4 - O movimento Pachakutik, “A era da renovação” em quíchua, foi criada em 1996. Reúne diversas organizações sociais, mas se confunde com a Conaie, que é a principal organização que a integra.
5 - A Feine foi criada em 1980 com objetivos religiosos, que se tornaram hoje igualmente sociais e políticos. Reúne 18 organizações oriundas de todo o país, agregando 2.500 comunidades de crentes e constitui o quarto nível de uma organização piramidal.
6 - O intelectual protestante Ivan Balarezo Perez considerava em 2002 que os evangélicos, quase exclusivamente evangélicos, representavam 12% da população, ou seja, mais de 1,5 milhão de pessoas. O número de dois milhões, repartidos entre a Feine e a Conaie, é aceito pelas duas organizações.
7 - “El Gobierno sabe manejar a la fe indigena”, El Comercio, Quito, 6 de dezembro de 2004.
8 - Susana Andrade, Protestantismo indigena: procesos de conversion en la provincia de Chimborazo, Ecuador, Flacso Ecuador, 2004.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Equador
» Cristianismo Pentecostal
» Fundamentalismo
» Movimentos Indígenas
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos