Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

» Superávit primário: história de uma fraude

» Populismo, conceito precário (2)

» Paulo Guedes e a receita para o atraso

» Desafio a cinco séculos de eurocentrismo

» Google, ou o consumismo no século XXI

» O ministro, os canibais e as línguas

Rede Social


Edição francesa


» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran

» Révolution islamique et confrontation des irrationnels

» M. Bani Sadr face aux « vrais défenseurs de l'islam »

» Juifs et Noirs aux États-Unis : la fin d'une alliance

» Le pouvoir islamique face aux aspirations autonomistes en Iran

» Nouvelle orientation économique au Vietnam

» Le désarroi de la communauté juive aux Etats-Unis

» L'enseignement professionnel ou la défaite d'un projet émancipateur

» Premières victoires pour la démocratie participative


Edição em inglês


» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control

» ‘When I see them, I see us'


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


Albrecht Kieser

Seus artigos nesse site:

Teu lugar é a produção

No pós-guerra, o Estado alemão, assumiu, em nome das empresas, o papel de recrutador de mão-de-obra estrangeira. O modelo criou a figura do imigrante descartável, sem direitos sindicais e com permanência se possível limitada

1º de junho de 2006

Uma lei tímida demais

A lei de imigração finalmente aprovada em 2005 eliminou a maior parte dos dispositivos democráticos feitos quatro anos antes pela Comissão Sussmuth, que formulou o projeto quatro anos antes

1º de junho de 2006

Quem são os “estrangeiros”

Entre eles estão, segundo as estatísticas e a lei, 1,5 milhão de pessoas nascidas no país... A entrada de “repatriados tardios” e de migrantes não recenseados torna os números ainda mais precários

1º de junho de 2006

Sob o signo do “direito de sangue”

Quase um em cada dez habitantes da Alemanha é estrangeiro. Indispensáveis na economia, eles são, porém, privados de direitos sociais e desestimulados de desenvolver sua identidade cultural

1º de junho de 2006

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos