Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Adeus ao consumismo?

» Uma frustrante conferência do clima em Bonn

» Como o Brasil financia a crise climática

» Em Invisível, o corpo como política

» A legislação patriarcal sobre o corpo feminino

» “O novo Palácio de Inverno são os Bancos Centrais”

» “O novo Palácio de Inverno são os Bancos Centrais”

» Antonio Candido

» Para uma anatomia do conservadorismo

» Amazônia, história de um massacre esquecido

Rede Social


Edição francesa


» Faut-il coter les facultés européennes ?

» Corriger par l'impôt l'inique répartition des richesses

» Le jazz, gardien de la conscience

» De la Déclaration Balfour aux camps de l'U.N.R.W.A.

» Étincelles d'Afrique

» Visite guidée de Metsamor

» A Moscou, rêves de liberté et grand embouteillage

» Médias, le Parlement irlandais accuse

» « Le système a absorbé le virus »

» Syndrome de Stockholm à Disneyland Paris


Edição em inglês


» We still need human intelligence

» Groping for manhood

» Transnistria youth look to Catalonia

» Into the Afghan abyss (again)

» Drilling, drilling, everywhere...

» Laura Raim on Israel's control over women's lives

» Steven Mnuchin, foreclosure king of America

» Congress's romance with cowardice

» Conflict and drought starve Africa

» We don't do the thinking for you


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2017

» O Estado e as catástrofes normais

» Chamar uma vitória pelo nome

» Para onde vão a educação e a ciência no pós-Troika?

» Que SNS temos? Que SNS queremos?

» Ordenar a floresta contra incêndios: não basta a silvicultura

» Os incêndios florestais, mais uma vez

» Edição de Outubro de 2017

» Trabalho à esquerda

» O século de Lenine


Eric Hobsbawm

Historiador britânico, autor de, entre outros livros, A Era dos Extremos: o breve século XX 1914-199 (São Paulo, Companhia das Letras, 1995).


Seus artigos nesse site:

O que o Império Britânico poderia ensinar aos EUA

No momento em que a influência dos Estados Unidos sobre o resto do mundo parece ameaçada, vale a pena ensair uma comparação entre a o império norte-americano e o que o precedeu. Ela revelará, entre outros pontos, que a Grã-Bretanha teve, em meados do século 20, a sabedoria de perceber que seu poder tinha limites. Os EUA serão capazes do mesmo?

23 de novembro de 2008

Manifesto pela renovação da História

Os progressos nas ciências naturais, como o estudo do DNA, conferiram nova atualidade a uma história evolucionista da humanidade, sem que os historiadores tenham se dado conta disso.É hora, portanto, de se restabelecer a coalizão dos que querem ver na história uma pesquisa racional sobre o curso das transformações humanas, contra os que a deformam com fins políticos e os relativistas e pós-modernos que se recusam a admitir que ela oferece essa possibilidade

1º de dezembro de 2004

Para onde vai o império?

Os objetivos reais da política imperial norte-americana continuam difíceis de serem compreendidos. Baseada na afirmação de sua força militar e tecnológica em escala global, ela gera impopularidade e instabilidade em todo o mundo.

1º de junho de 2003

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos