Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como dialogar — de verdade — com quem vota num fascista

» No Alerta de Ipanema, retratos do fascismo quotidiano

» O cinema e as lições da história

» Vídeo: Garantir o segundo turno. E depois?

» Crônica de uma eleição bizarra

» O ódio, o voto e a pulsão de morte

» “Cada um de vocês é Bolsonaro”

» Reflexões à beira do segundo turno

» O Pré-Sal e o desenho do golpe

» Polêmica: duas formas do mesmo poder

Rede Social


Edição francesa


» Joies troubles du mécénat

» Quand les avocats d'affaires écrivent les lois

» Rio de Janeiro endosse sa tenue olympique

» Fausse solution de l'aquaculture

» Trouble décantation de la droite française

» L'Union européenne et les ravages de la pêche industrielle en Afrique

» Publicité et politique

» La compétitivité, un mythe en vogue

» Effondrement du rêve démocratique au Mali

» Retour vers le futur dans le monde arabe


Edição em inglês


» Migration patterns

» The Donald and the fake news media

» Restoring Florida's felon voting rights is less democratic than you think

» Laura Carlsen on what replaces ‘the worst trade deal ever'

» November: the longer view

» The stories war tells me

» Yemen: where is the UN Security Council?

» Donald Trump welcomes in the age of ‘usable' nuclear weapons

» Vying for trade routes in the Bay of Bengal

» Switzerland's experiment with addiction


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018

» A crise da regulação

» Da democracia na América

» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora


François Brune

Autor de Bonheur conforme, Gallimard, 1985, e De l’ideologie ajourdhui, Parangon, 2004, e de Les médias pensent comme moi, L’Harmattan, Paris, 1997.


Seus artigos nesse site:

O promissor mercado da “antipublicidade”

A publicidade invadiu todos os espaços públicos. Contra esta invasão, aparece o movimento dos antipub, dispostos a contestar a idéia de que “tudo se vende”. À sua ação, segue-se a reação da mídia, que tenta sutilmente domesticar a contestação

1º de maio de 2004

Um brinde ao desajuste !

O emprego da palavra “desajuste” sempre focaliza a atenção sobre o enfraquecimento de um elemento parcial do sistema global, uma exceção confirmando a regra – é uma figura de retórica que consiste em confessar algumas faltas ocasionais para fazer aceitar um mal maior

1º de junho de 2003

A organização da resistência

Todas as formas da luta são boas, desde que denunciem as finalidades do sistema liberal, as múltiplas conivências que tece com a mídia, o enclausuramento de nossas vidas, a uniformização cultural e econômica do planeta e as ações dos homens que não cessam de despolitizar os cidadãos, para melhor subjugá-los

1º de maio de 2001

A organização da resistência

Todas as formas da luta são boas, desde que denunciem as finalidades do sistema liberal, as múltiplas conivências que tece com a mídia, o enclausuramento de nossas vidas, a uniformização cultural e econômica do planeta e as ações dos homens que não cessam de despolitizar os cidadãos, para melhor subjugá-los

1º de maio de 2001

A ocupação, passo a passo

Como a publicidade avançou, na França, sobre um espaço cada vez maior do clima que a sociedade dedica à TV

1º de maio de 2001

Lições de 1984

Em qualquer lugar onde o Grande Irmão seja uma ameaça, permanecer rebelde é o único meio de permanecer humano

12 de setembro de 2000

Uma comparação de "utopias"

Admirável mundo novo tem como enredo social... o amor, alimentado ritualmente pelos "Cultos de Solidariedade". Em 1984, a teia social é o... ódio. Um ódio fortalecido a cada dia por um esporte ritual intitulado "Os Dois minutos de Ódio"

12 de setembro de 2000

A era da passividade

Cada vez mais associada à propaganda, a mídia mostra a vida social como uma sucessão de "grandes fatos", que o cidadão deve limitar-se a assistir. Consumo, logo existo! Esta é a máxima que parece resumir o nosso tempo

12 de abril de 2000

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos