Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Justin Trudeau, l'envers d'une icône

» La cause des femmes

» Des immigrés sans pays d'origine

» La Revue dessinée

» Le Courage

» La toute première fois

» Les oubliées de San Francisco

» « Agir en primitif, prévoir en stratège »

» L'assurance-maladie universelle en questions

» Bouillonnement antisystème en Europe et aux États-Unis


Edição em inglês


» Climate change as genocide

» How to lose the next war in the Middle East

» Trump, a symptom of what?

» Found in Cuba: the American dream (and nightmare)

» Through the bars

» Resurrecting the unholy trinity

» War in the Gulf (no, not that Gulf!)

» Demobilizing America

» The bloodstained rise of global populism

» Montreal global city


Edição portuguesa


» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?

» Canto Livre e Canção de Protesto

» União Europeia: para onde vai o pelotão da frente?

» A literatura, cimento que constrói mundos

» Tendências recentes do emprego dos jovens diplomados portugueses

» Edição de Março de 2017

» Offshores, defeitos e feitios


Galsan Tschinag

Galsan Tschinag nasceu em 1944 em uma família de criadores nômades tuvas, na Mongólia Ocidental e passou a juventude nas estepes do Alto Altai, nos confins da União Soviética. Depois de terminar o secundário em Ulan-Bator, beneficiando-se dos programas de cooperação entre países comunistas, Galsan Tschinag tem a possibilidade estudar lingüística em Leipzig, na RDA. Escreve em mongol e alemão. Sua primeira obra, Céu Azul, publicada na Alemanha em 1994, obteve o prêmio Adalbert von Chamisso, que recompensa um autor estrangeiro que escreve em língua alemã. Entre seus romances, pode-se citar: Ciel Bleu (1966, reeditado em 1999); Vingt jours et um (1998); Le Monde Gris (2001, reeditado em 2004); Sous la Montagne Blanche (abril 2004), todos pela editora Anne-Marie Métailié, Paris. Dojnaa foi publicado em 2003 pela editora Esprit des Peninsules, de Paris.


Seus artigos nesse site:

Na terra da estepe cinzenta

A Mongólia xamânica está no coração do tempo presente e vive também os abalos e mudanças que determinam nossa existência no planeta. A velocidade crescente e tudo o que a acompanha a inunda cada vez mais

1º de agosto de 2004

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos