Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Retour à la Cisjordanie

» Cosmos

» Pour une décroissance sécuritaire

» Le compositeur du silence

» L'unanimisme au prix de la dépolitisation

» « What is Brexit ? »

» Payer en un clin d'œil

» Partager la chaîne

» Le prix de la Carpette anglaise

» Le vent nouveau de la Big Society


Edição em inglês


» Kissing the specious present goodbye

» Destabilizing the Middle East (yet more)

» Chinese songs of dignity

» A psychedelic spin on “national security”

» The age of grief

» France and Iran, two years after the nuclear deal

» Little big man

» America last

» Is Trump launching a new world order?

» Denmark, pushed to the edges


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos

» Crise e estagnação no labirinto

» Edição de Maio de 2017

» O desígnio de Marcelo

» O Estado profundo


George Ross

Diretor do Centro de Estudos da Alemanha e da Europa da Brandeis-University (Massachusetts, Estados Unidos) e diretor de pesquisa na Universidade de Harvard.


Seus artigos nesse site:

A sociedade dos proprietários

Com novo mandato e maioria reforçada no Congresso, Bush propõe uma reforma para privatizar o que resta de Previdência pública. Se colocada em prática, pode inspirar seus pares em escala internacional

1º de junho de 2005

Sai a ONU, entra a OMC

A partir de 1989, e devido à hegemonia norte-americana em matéria de segurança, passaram a ser os cálculos de custo-benefício — feitos em Washington — que decidem, em última instância, quem pode matar quem sem riscos de contágio

12 de agosto de 2000

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos