Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para virar os bancos de cabeça para cima

» E se o Haiti se levantar de novo?

» O trabalho do tempo

» Previdência: os porquês da nova guerra

» Medo, angústia e solidão no marketing via Google

» Eles decidem se você é terrorista

» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

Rede Social


Edição francesa


» Le cinéma français, otage de la télévision

» Sciences-Po, laminoir des élites françaises

» Démocratie participative à Porto Alegre

» Lettre aux « majors » d'Hollywood… et à leurs zélateurs français

» Grandes manœuvres pétrolières dans le Caucase

» Faire de la vie une permanente éducation

» Pour une mise en mémoire de la modernité

» Fin du populisme en Algérie

» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran


Edição em inglês


» A long war of attrition

» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


Georges Le Guelte

Coordenador de pesquisa no Institut des relations internationales et stratégiques (IRIS), Paris. Diretor de presquisa do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique)


Seus artigos nesse site:

Sessenta anos de armas nucleares

A história do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) revela: por jamais cumprirem as cláusulas que prevêem seu desarmamento, e por buscarem uma ordem abertamente desigual, as cinco grandes potências nucleares estimulam na prática a corrida rumo às armas atômicas

1º de novembro de 2005

No embalo da globalização sem lei

É fácil identificar os motores que impulsionam tantos países a cobiçar poder atômico: ordem internacional regida pela força, deslocalização industrial e redes internacionais de traficantes

1º de novembro de 2005

Terrorismo nuclear, mitos e realidades

A política de não-proliferação é essencial na luta contra a ameaça – real – do terrorismo nuclear. Se faz necessária uma nova política para o Oriente Médio e um maior combate ao tráfico, mas os esforços da Europa e dos EUA permanecem modestos

1º de outubro de 2003

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos