Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» BH, 121 anos: tão rara, tão igual, tão grávida

» Dowbor: há saída no labirinto capitalista?

» Os Brasil nas mãos dos dogmáticos

» O riso e o enfrentamento da violência

» Os sentidos da rebelião francesa

» Os “coletes amarelos” e o fatalismo de certa esquerda

» Os “coletes amarelos” e o fatalismo de certa esquerda

» Morte na Economia do Algoritmo

» Morte na Economia do Algoritimo

» Vianninha e Nelson Rodrigues vão ao cinema

Rede Social


Edição francesa


» Santiago en septembre

» Les étudiants chiliens dépoussièrent une icône

» La frustration des classes moyennes au Maghreb

» Droits de l'homme à qui mieux mieux

» Le Golfe par ses mots

» Recensement hautement périlleux dans les Balkans

» Philosophie du fil de fer barbelé

» La Croatie dit adieu à ses navires

» Les riches, terra incognita des statistiques

» Débats électoraux et exploration de l'avenir


Edição em inglês


» Wall Street, banks, and angry citizens

» The anger of the ‘gilets jaunes'

» The anger of the ‘gilets jaunes'

» Will China dare challenge the UDHR?

» Sabine Cessou on Kenya's grand digital ambitions

» Who is listening to Chad?

» December: the longer view

» After Argentina: the G20's climate hypocrisy

» Trump's trade czar, the latest architect of imperial disaster

» ‘Listen only to me': inside Al-Sisi's Egypt


Edição portuguesa


» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018


Hernando Calvo Ospina

Jornalista, autor, entre outros, de Salsa, Don Pablo Escobar, Perú: los senderos posibles, Terrorismo y otros maleficios, ¿Disidentes o mercenarios? y Ron Bacardí: la guerra oculta


Seus artigos nesse site:

O dreamteam da CIA

Desde a sua criação em julho de 1947, a agência de inteligência americana conheceu altos e baixos. Entretanto, todos que participaram das ações clandestinas de seu “grupo de choque constituído”, em 1954, foram beneficiados por uma constante: a impunidade irrestrita

12 de fevereiro de 2009

O Equador ensaia a “revolução cidadã”

Num país marcado pela debacle do sistema político tradicional, uma Assembléia Constituinte promete “refundar a República”. Apoiado por movimentos cidadãos, o presidente Rafael Correa sonha com um modelo em ruptura com o neoliberalismo — e enfrenta oposição da mídia e da oligarquia

12 de novembro de 2007

A mão (quase) invisível de Washington

Criada no início do período neoliberal, a Fundação Nacional para a Democracia atuou para derrubar o regime sandinista e desestabilizar o Leste Europeu. E continua cada vez mais atuante, após o fim da Guerra Fria

27 de julho de 2007

E se a saúde não for mercadoria?

Um olhar sobre a ação internacional da medicina cubana. Ao oferecer tratamento gratuito de excelência a milhares de pacientes em todo o mundo, ela demonstra que é viável garantir a todos o direito aos bens e serviços necessários a uma vida digna

1º de agosto de 2006

A lei, ora, a lei...

Os Estados Unidos apóiam seqüestros em território venezuelano e homenageiam paramilitares na fronteira da Colômbia

1º de fevereiro de 2005

Nas fronteiras do Plano Colômbia

Do Panamá à Venezuela, o Plano Colômbia consolida a política de ingerência americana na região e viola a soberania dos países, provocando crises diplomáticas que chegam à beira de conflitos militares

1º de fevereiro de 2005

A “rebelião espontânea” de 1903

Em dezembro de 1999, o Panamá recuperou a soberania do canal. A Colômbia, no entanto, jamais recuperou o Panamá, província que lhe pertencia e lhe foi surrupiada por aventureiros internacionais em função de objetivos estratégicos comerciais

1º de novembro de 2003

Os paramilitares e o terrorismo de Estado colombiano

Enquanto as negociações com as guerrilhas - Farc e o ELN - continuam em ponto morto, o governo Uribe, com apoio de Washington, recebe de braços abertos os paramilitares ligados a assassinatos de civis e a violação dos direitos humanos

1º de abril de 2003

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos