Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Na Venezuela, a oposição adota o terror

» Rumo à agricultura do medo?

» Boaventura debate Revolução, Democracia e o Brasil

» Meio cheio ou meio vazio?

» Que importa que o crítico resmungue?

» Hora de enfrentar Facebook e Google?

» Contra a crise, o possível pós-capitalismo local

» Como Foucault e Agamben explicam Bolsonaro

» “Liberais” — até a página dois…

» Homem em chamas na Venezuela

Rede Social


Edição francesa


» Bernard-Henri Lévy enragé contre « Le Monde diplomatique »

» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé

» Le Maghreb entre autoritarisme et espérance démocratique

» Avec la guérilla des FARC, en attendant la paix

» Norilsk, ville polaire, cité du nickel


Edição em inglês


» Empire of destruction

» A Fairy tale from 2050

» The demolition of U.S. global power

» Preparing for doomsday

» Growing my way out of dystopia

» The insult wars in Washington

» The enemy of my enemy Is my...?

» The politics of no politics

» Picking a quarrel with Qatar

» Being Arab in Latin America


Edição portuguesa


» Míopes ou maldosos?

» Edição de Julho de 2017

» O síndrome da nêspera

» Embustes democráticos

» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos


Hicham Ben Abdallah El Alaoui

Fundador do Instituto de Estudos Contemporâneos sobre a África do Norte, o Oriente Médio e a Ásia Central da Universidade de Princeton (Estados Unidos). Antigo conselheiro do representante especial das Nações Unidas no Kosovo, responsável pelos direitos do homem e das comunidades, e, há dois anos, mora nos Estados Unidos.. Além disso, é primo do rei do Marrocos, Mohammed VI.


Seus artigos nesse site:

Autoritarismo 2.0

Após a primeira guerra do Golfo, os regimes árabes viveram perturbações desestabilizadoras. No entanto, as estruturas arcaicas sobreviveram. O propalado banho de democracia não ocorreu. E os governos apenas cobriram com novos véus suas feições autoritárias, tentando restabelecer uma imagem de pureza aos olhos do mundo

22 de abril de 2008

Washington à beira de um desastre estratégico

Reviravolta no mundo árabe: por tentarem minar o poder dos Estados e estimular divisões internas, os EUA perdem aliados e correm risco de isolamento. Para recuperar terreno, a Casa Branca precisaria abandonar o apoio incondicional a Israel e a demonização dos muçulmanos

19 de março de 2007

Crise e reforma no mundo árabe

Lado a lado com o repúdio à interferência externa cresce, nos países muçulmanos, o movimento em favor de mudanças democráticas

1º de outubro de 2005

O mundo árabe acuado

Ao atacar o Iraque sem o aval da ONU e sem o acordo da maioria dos países árabes da região, os EUA colocaram os últimos diante de uma situação de fato. Agora, irão encontrar obstáculos muito grandes e nem se pode excluir a hipótese de um desastre

1º de outubro de 2003

Muçulmanos, cidadãos do mundo

Em parte, o Ocidente é responsável, mas não podemos negar nossa responsabilidade na escalada de um islamismo política e socialmente totalitário, organizado com base em grupos armados que fazem uma interpretação unilateral dos textos sagrados

1º de outubro de 2001

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos