Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 21 de janeiro de 2020

» Amor, desconcerto anticapitalista

» Torto Arado e o direito da mulher camponesa

» ¿Adónde va Chile?: Um olhar afetivo e político

» 20 de janeiro de 2022

» Netflix sacode (e ameaça) o cinema

» Como avança a uberização no setor de turismo

» Um Macbeth negro, deslumbrante e irreal

» Combater desigualdades e mudar a Economia

» 19 de janeiro de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Le Maghreb central

» Conséquences du changement climatique au Maghreb

» Alphabétisation & scolarisation

» Développements comparés des pays du Maghreb

» Taux de croissance annuel de la population

» Pyramide des âges au Maghreb

» Au lycée, vigilance ou paranoïa

» TF1 ou la parabole de Frankenstein

» Víctor Erice et Abbas Kiarostami, deux cinéastes en correspondance

» Le toxicomane domestiqué


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Ivana Bentes

Ivana Bentes é pesquisadora da Escola de Comunicação da UFRJ, participa da rede Universidade Nômade.


Seus artigos nesse site:

Consumidores, uni-vos!

Há um truque banal no recém-lançado "manifesto" dos publicitários. Ao apresentar a propaganda como base da liberdade de expressão, ele despreza público e sociedade. Mas ignora os movimentos pela radicalização da democracia — que exigem, inclusive, um novo padrão de propaganda

1º de agosto de 2008

Chamem a juíza Karam!

Legalizar o uso de drogas é quebrar o ciclo das armas, da corrupção, da repressão infligida às favelas e aos pobres, do extermínio. Aos poucos, a proposta ganha espaço entre a sociedade — ainda que contrarie a lógica da vingança e do gozo regressivo, escancarada em filmes como Tropa de Elite

12 de março de 2008

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos