Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Sindicatos e democracia radical, união possível?

» Guantánamo do Brasil

» Previdência: que significa a tese central do governo

» Uma trajetória em movimento e polêmica

» Rosa Luxemburgo, mais atual que nunca?

» A (mal-disfarçada) ideologia de gênero de Damares

» Índios: de mãos entrelaçadas

» A era da manipulação escancarada

» A crise do PT vista por dentro

» O que Adam Smith teria a dizer sobre o salário mínimo

Rede Social


Edição francesa


» Ces Israéliens qui ont faim

» Le devoir d'Israël

» Quand les chercheurs n'osent plus chercher

» Photographie, art et société

» La saga des Gandhi

» Non, le vote FN n'est pas l'heritier du PCF

» Bonapartisme ou Constituante

» Derrière l'affaire Battisti

» Echec et mat pour la gauche mexicaine

» Mise en données du monde, le déluge numérique


Edição em inglês


» A planet in crisis

» Vannevar Bush, prophet of high tech

» January: the longer view

» Akram Belkaid on North Africa's leadership crisis

» Erdogan's war on workers

» Argentina swings into financial crisis

» The road beyond Wigan Pier

» Kazakhstan invests in theatre

» Once we searched Google. Now it searches us

» China's rewards and punishments


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo


Luis Sepúlveda

Escritor chileno, autor, entre outros, do romance mágico e ecológico, O velho que lia romances de amor (Relume Dumara, São Paulo, 2006), obra-prima traduzida em quarenta e seis línguas e com mais de dez milhões de exemplares vendidos. Antigo membro da escolta do presidente Salvador Allende, que ele protegeu até o dia 11 de setembro de 1973, dia do golpe de Estado, Luis Sepúlveda foi detido pela ditadura do general Pinochet, condenado a 28 anos de prisão e encarcerado na prisão de Temuco, destino dos prisioneiros políticos. Uma campanha mundial da Anistia Internacional conseguiu libertá-lo em 1977. Ele foi para o exílio, percorreu a América Latina, se engajando depois nas fileiras sandinistas (Brigada Simon Bolívar), que lutava contra a ditadura de Anastasio Somoza, até a vitória em 1979. A partir de 1982 Sepúlveda instalou-se na Alemanha, onde trabalhou como motorista de ônibus na linha Hamburgo – Istambul. O renomado periódico Der Spiegel contratou-o como correspondente de guerra em Angola. Lá ficou por muitos anos, narrou a intervenção cubana e a derrota das tropas de elite da África do Sul. Derrota que favoreceria a queda do regime racista do apartheid na África do Sul. Luis Sepúlveda mora atualmente na Espanha.


Seus artigos nesse site:

Pinochet sem pena nem glória

"De suas vítimas, de todos os que o resistiram, do presidente Allende, fica o exemplo moral. Dele, nada resta digno de ser lembrado — somente o odor fétido que os bons ventos do Pacífico logo se encarregarão de levar". Um texto do escritor chileno Luis Sepúlveda

16 de janeiro de 2007

Na Patagônia, em busca de Butch Cassidy e Sundance Kid

Os traços de Buch Cassidy e Sundance Kid, assim como de seu implacável perseguidor, o xerife Martin Sheffields, demonstram que os lendários foras-da-lei, conhecidos por assaltar bancos para financiar a revolução anarquista não tiveram seu fim na Bolívia, como no filme estrelado por Paul Newman e Robert Redford

1º de setembro de 2004

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos