Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para virar os bancos de cabeça para cima

» E se o Haiti se levantar de novo?

» O trabalho do tempo

» Previdência: os porquês da nova guerra

» Medo, angústia e solidão no marketing via Google

» Eles decidem se você é terrorista

» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

Rede Social


Edição francesa


» Le cinéma français, otage de la télévision

» Sciences-Po, laminoir des élites françaises

» Démocratie participative à Porto Alegre

» Lettre aux « majors » d'Hollywood… et à leurs zélateurs français

» Grandes manœuvres pétrolières dans le Caucase

» Faire de la vie une permanente éducation

» Pour une mise en mémoire de la modernité

» Fin du populisme en Algérie

» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran


Edição em inglês


» A long war of attrition

» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


Michel Pinçon

Sociólogo, diretor de pesquisa no Centro Nacional de Pesquisas Sociais (CNRS). Autor de vários livros sobre a burguesia, entre os quais Sociologie de la burgeoisie, ed. La Découverte/Repères, Paris, 2000.


Seus artigos nesse site:

Quem são eles?

A riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, ações) e pelos bens familiares (propriedades, obras de arte, veleiros...)

1º de setembro de 2001

A família Seillière

A amizade prolonga-se por alianças matrimoniais. Irmãs Demachy casaram-se com irmãos Seillière. De um dos casamentos, nasceu Jean Seillière, que se casou com Renée de Wendel. As grandes famílias são um pequeno mundo onde a teia de alianças é rigorosa

1º de setembro de 2001

As jornadas de iniciação

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

1º de setembro de 2001

Na pista dos bem-nascidos

Malditas as tradições sindicais e a memória coletiva! Criticando a nostalgia do passado de seus empregados, que colocava em risco a empresa, o duque de Brissac escreveu: “Eles são sedentários e ficam grudados no lugar, como o marisco na pedra...”

1º de setembro de 2001

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos