Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Crise civilizatória: que esperar do G-20?

» Por que o “mercado” flerta com Bolsonaro

» Argentina: as garotas que desafiam o patriarcado

» Como as mulheres argentinas venceram

» Por que tributar as bebidas açucaradas

» Os municípios brasileiros em situação-limite

» Num país obstruído, há caminhos

» Mineração, tão devastadora quanto ignorada

» Eleições: Três tendências e um grande erro

» As Boas Maneiras: Licantropia sertaneja

Rede Social


Edição francesa


» Les chômeurs desserrent l'étau

» Relever les minima sociaux, une exigence économique

» Crise, chômage et racisme au miroir de l'histoire

» La Bosnie otage du conflit

» Les Allemands de l'Est redressent la tête

» Signes de fractures en Ukraine

» En attendant l'an 2000, une transition lourde de menaces

» L'Arménie, comme sous le coup d'une « intervention divine » ...

» Les paysans ignorés du Mozambique

» Les enjeux du commerce Est-Ouest


Edição em inglês


» Special Report: World Cup 2018

» American wars and self-decline

» Infinite War

» Confidentiality Policy

» Change in Eastern Europe?

» The lie of the land

» A search for roots and connections

» Trump's EU doormats

» After the factory gates shut

» Mexico's incorruptible challenger


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2018

» Assalto ao trabalho e às pensões

» Lambe-botas de Washington

» Jerusalém: o erro crasso do presidente americano

» Edição de Maio de 2018

» Direitos, não incentivos

» Maio, uma esperança de oceano

» Cuba quer o mercado… sem capitalismo

» Como assinar o Le Monde diplomatique - edição portuguesa

» O duplo desafio da esquerda brasileira


Michel Pinçon

Sociólogo, diretor de pesquisa no Centro Nacional de Pesquisas Sociais (CNRS). Autor de vários livros sobre a burguesia, entre os quais Sociologie de la burgeoisie, ed. La Découverte/Repères, Paris, 2000.


Seus artigos nesse site:

Quem são eles?

A riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, ações) e pelos bens familiares (propriedades, obras de arte, veleiros...)

1º de setembro de 2001

A família Seillière

A amizade prolonga-se por alianças matrimoniais. Irmãs Demachy casaram-se com irmãos Seillière. De um dos casamentos, nasceu Jean Seillière, que se casou com Renée de Wendel. As grandes famílias são um pequeno mundo onde a teia de alianças é rigorosa

1º de setembro de 2001

As jornadas de iniciação

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

1º de setembro de 2001

Na pista dos bem-nascidos

Malditas as tradições sindicais e a memória coletiva! Criticando a nostalgia do passado de seus empregados, que colocava em risco a empresa, o duque de Brissac escreveu: “Eles são sedentários e ficam grudados no lugar, como o marisco na pedra...”

1º de setembro de 2001

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos