Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Eternel retour des bandes de jeunes

» Ces prisonniers qui ne cessent de payer

» Lady Di, adultère, vierge et martyre

» « Diana » une femme du passé

» Quand le « progrès » aggrave la misère paysanne

» Ces profiteurs du sida

» Les firmes pharmaceutiques organisent l'apartheid sanitaire

» Le fantôme de la Potsdamer Platz

» Les présidents changent, l'empire américain demeure

» Le petit peuple de George W. Bush


Edição em inglês


» Back to the JCPOA?

» China's outlaw armada

» Timidity in New Zealand

» November: the longer view

» The defeats of Golden Dawn

» Border tensions

» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth


Edição portuguesa


» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal

» Requisição civil

» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA


Nathalie Melis

Jornalista, Bruxelas


Seus artigos nesse site:

Zonas sujas

Nos últimos cinco anos, o órgão governamental de controle dos níveis de radiação destruiu, em Moscou, cerca de 450 toneladas de materiais potencialmente perigosos, indo de terrenos de construção aos cogumelos vendidos nos mercados

1º de fevereiro de 2002

Pressões internacionais

A organização Non-Proliferation Trust (NPT) foi fundada por especialistas norte-americanos para defender e gerenciar o projeto de um depósito nuclear mundial na Rússia, que prevê a importação de 10 mil toneladas de resíduos

1º de fevereiro de 2002

A lixeira nuclear do mundo

Em 11 de julho de 2001, o presidente Vladimir Putin assinou três projetos de lei autorizando a importação de resíduos nucleares pela Rússia, sem obrigação de retorno a seus países de origem. A esmagadora maioria da população rejeita esse projeto

1º de fevereiro de 2002

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos