Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Consumismo, pesadelo sem fim?

» O grande cinema italiano voltou?

» BH, 121 anos: tão rara, tão igual, tão grávida

» Dowbor: há saída no labirinto capitalista?

» Os Brasil nas mãos dos dogmáticos

» O riso e o enfrentamento da violência

» Os sentidos da rebelião francesa

» Os “coletes amarelos” e o fatalismo de certa esquerda

» Os “coletes amarelos” e o fatalismo de certa esquerda

» Morte na Economia do Algoritmo

Rede Social


Edição francesa


» L'« octobre rouge » chilien et la naissance des cordons industriels

» Santiago en septembre

» Les étudiants chiliens dépoussièrent une icône

» La frustration des classes moyennes au Maghreb

» Droits de l'homme à qui mieux mieux

» Le Golfe par ses mots

» Recensement hautement périlleux dans les Balkans

» Philosophie du fil de fer barbelé

» La Croatie dit adieu à ses navires

» Les riches, terra incognita des statistiques


Edição em inglês


» Wall Street, banks, and angry citizens

» The anger of the ‘gilets jaunes'

» The anger of the ‘gilets jaunes'

» Will China dare challenge the UDHR?

» Sabine Cessou on Kenya's grand digital ambitions

» Who is listening to Chad?

» December: the longer view

» After Argentina: the G20's climate hypocrisy

» Trump's trade czar, the latest architect of imperial disaster

» ‘Listen only to me': inside Al-Sisi's Egypt


Edição portuguesa


» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018


Olivier Toscer

Jornalista, autor de Dinheiro público, fortunas privadas, história secreta do favoritismo de Estado, ed. Folio documents, 2003.


Seus artigos nesse site:

À esquerda... mas com os patrões

Os governos “de esquerda”, na França, inauguraram uma nova etapa na história da corrupção e da promiscuidade entre o público e o privado, convocando executivos e bilionários para assessorar a República. Chamaram isso de “modernidade”

1º de dezembro de 2003

Verba pública, fortuna privada

Na França, como em alguns outros países do mundo, o clientelismo de Estado baseia-se numa fórmula já clássica: privatizar os lucros e nacionalizar as perdas. O caso do banco Crédit Lyonnais é emblemático: o governo acobertou o bilionário fraudador

1º de dezembro de 2003

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos