Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

» Superávit primário: história de uma fraude

» Populismo, conceito precário (2)

» Paulo Guedes e a receita para o atraso

» Desafio a cinco séculos de eurocentrismo

» Google, ou o consumismo no século XXI

» O ministro, os canibais e as línguas

Rede Social


Edição francesa


» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran

» Révolution islamique et confrontation des irrationnels

» M. Bani Sadr face aux « vrais défenseurs de l'islam »

» Juifs et Noirs aux États-Unis : la fin d'une alliance

» Le pouvoir islamique face aux aspirations autonomistes en Iran

» Nouvelle orientation économique au Vietnam

» Le désarroi de la communauté juive aux Etats-Unis

» L'enseignement professionnel ou la défaite d'un projet émancipateur

» Premières victoires pour la démocratie participative


Edição em inglês


» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control

» ‘When I see them, I see us'


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


Olivier Zajec

Consultor da Companhia Européia de Inteligência Estratégica, Paris.


Seus artigos nesse site:

A China quer os mares

Cada vez mais influente no plano econômico, Beijing age para estender sua força também no terreno militar. Um plano estratégico cuidadosamente executado visa expandir seu poderio naval. Obstáculos: as ambições do Japão e da Índia e, numa segunda etapa, a temível 7ª Frota dos EUA

15 de setembro de 2008

Estados Unidos, território sagrado?

Decidida a construir um “escudo anti-mísseis” que poderia tornar o país potência nuclear única, a Casa Branca volta a agitar o cenário internacional. Mas a proposta é antiga, de eficácia duvidosa, e pode estar baseada numa visão messiânica sobre o papel dos EUA no mundo

27 de julho de 2007

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos