Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para rever a dialética do escravo e do senhor

» Polícia para quem?

» O Blockchain contra a ditadura das finanças

» Uma palavra por Lula

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Opiáceos, a epidemia mortal que rende bilhões

» François Chesnais e os impasses do capitalismo

Rede Social


Edição francesa


» L'humanisme, dernier rempart contre la barbarie

» Le meilleur des mondes selon Washington

» Pleure, ô Zimbabwe bien-aimé

» L'autre Amérique

» « Il ne peut y avoir de paix avant l'avènement du Messie »

» Bataille pour la terre au Zimbabwe

» L'exigence laïque du respect mutuel

» Le transistor gratuit

» Barenboïm brise le tabou Wagner

» De l'organisation de la résistance à la publicité


Edição em inglês


» The world according to Trump

» Special Ops at war

» Mapping a world from hell

» Honeybees for hire

» Honeybees for hire

» The buzz fades

» Fabricating a war on Iran

» Food's Disneyland

» Food's Disneyland

» Germany alone within the EU


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2018

» Recuperar os CTT

» O alvo iraniano

» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião

» Assinatura de 6 meses: só €18

» Edição de Novembro de 2017

» O Estado e as catástrofes normais


Olivier Zajec

Consultor da Companhia Européia de Inteligência Estratégica, Paris.


Seus artigos nesse site:

A China quer os mares

Cada vez mais influente no plano econômico, Beijing age para estender sua força também no terreno militar. Um plano estratégico cuidadosamente executado visa expandir seu poderio naval. Obstáculos: as ambições do Japão e da Índia e, numa segunda etapa, a temível 7ª Frota dos EUA

15 de setembro de 2008

Estados Unidos, território sagrado?

Decidida a construir um “escudo anti-mísseis” que poderia tornar o país potência nuclear única, a Casa Branca volta a agitar o cenário internacional. Mas a proposta é antiga, de eficácia duvidosa, e pode estar baseada numa visão messiânica sobre o papel dos EUA no mundo

27 de julho de 2007

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos