Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O cinema no olho do furacão

» Duas táticas da oligarquia financeira no Brasil

» O poço fundo das eleições 2018

» Hegemonismo, doença senil da esquerda

» A indispensável Maria Conceição Tavares

» Quem pode nos livrar de Bolsonaro

» Superexplorados, vigiados e… com direito a Yoga

» Superexplorados, vigiados e… com direito a Yoga

» Geopolítica: a Eurásia renasce — e quer ser alternativa

» Como se prepara o novo terremoto financeiro

Rede Social


Edição francesa


» Quand la finance prend le monde en otage

» Ces puissantes officines qui notent les Etats

» La machine sacrée

» Le pouvoir mis à nu par ses crises

» Les ingrédients du choc

» Fatal aveuglement de la famille Al-Assad en Syrie

» De la nation citoyenne à la nation culturelle

» Junte birmane cherche habits civils

» Païenne Pologne

» Il y a cent ans, un « Dreyfus ouvrier »


Edição em inglês


» Christophe Jaffrelot on Imran Khan

» Yemen's descent into hell

» The strange, long afterlife of an inhumane colonial law

» After Trump

» September: the longer view

» What will Donald Trump be remembered for?

» A climate tipping point in the Amazon

» Electric vehicles and the raw materials required

» LMD's New York debates

» The undefeatable sponge


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora

» Por quem o sininho dobra no Eurogrupo?

» Uma aliança das civilizações

» Dirigir a ONU, um trabalho estranho

» Liquidação florestal em França

» Que alterglobalismo?

» Atolamento saudita no Iémen

» Escalada


Philippe Pataud Célérier

Jornalista.


Seus artigos nesse site:

Pura especulação

Da mesma forma que a academia no século XVIII, hoje quem consagra o artista é o colecionador. Os candidatos à fama precisam ter agentes poderosos e manter-se cobiçados pelos fundos especulativos, que já atingiram o mercado de arte. Quanto mais mídia conseguirem, mais alto é o preço de venda de suas obras

15 de agosto de 2008

Quando os museus viram mercadoria

Em busca de novas fontes de dinheiro e prestígio, grandes museus do mundo partem para o aluguel de acervos, relações submissas com o mecenato, atração obsessiva de público. Que isso significa para a preservação das obras e das próprias idéias de arte e cultura?

12 de fevereiro de 2007

Em vez do Estado, os mecenas

A começar do Louvre, os museus franceses dependem cada vez mais de financiadores privados

12 de fevereiro de 2007

Xangai, sem teto nem leis.

Entre dez milhões de pessoas que ocupam os dez bairros urbanos do centro da metrópole chinesa, 2,5 milhões já perderam suas casas depois dos anos 1990. Hoje, o barulho das pás cobre a voz dos expropriados

1º de março de 2004

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos