Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como dialogar — de verdade — com quem vota num fascista

» No Alerta de Ipanema, retratos do fascismo quotidiano

» O cinema e as lições da história

» Vídeo: Garantir o segundo turno. E depois?

» Crônica de uma eleição bizarra

» O ódio, o voto e a pulsão de morte

» “Cada um de vocês é Bolsonaro”

» Reflexões à beira do segundo turno

» O Pré-Sal e o desenho do golpe

» Polêmica: duas formas do mesmo poder

Rede Social


Edição francesa


» Fausse solution de l'aquaculture

» Trouble décantation de la droite française

» L'Union européenne et les ravages de la pêche industrielle en Afrique

» Publicité et politique

» La compétitivité, un mythe en vogue

» Effondrement du rêve démocratique au Mali

» Retour vers le futur dans le monde arabe

» On ne se prostitue pas par plaisir

» Quand l'immigration tourne à l'esclavage

» Les marchands à l'assaut d'Internet


Edição em inglês


» Restoring Florida's felon voting rights is less democratic than you think

» Laura Carlsen on what replaces ‘the worst trade deal ever'

» November: the longer view

» The stories war tells me

» Yemen: where is the UN Security Council?

» Donald Trump welcomes in the age of ‘usable' nuclear weapons

» Vying for trade routes in the Bay of Bengal

» Switzerland's experiment with addiction

» Trade in, people out

» Russia looks after its rich


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018

» A crise da regulação

» Da democracia na América

» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora


Philippe Pataud Célérier

Jornalista.


Seus artigos nesse site:

Pura especulação

Da mesma forma que a academia no século XVIII, hoje quem consagra o artista é o colecionador. Os candidatos à fama precisam ter agentes poderosos e manter-se cobiçados pelos fundos especulativos, que já atingiram o mercado de arte. Quanto mais mídia conseguirem, mais alto é o preço de venda de suas obras

15 de agosto de 2008

Quando os museus viram mercadoria

Em busca de novas fontes de dinheiro e prestígio, grandes museus do mundo partem para o aluguel de acervos, relações submissas com o mecenato, atração obsessiva de público. Que isso significa para a preservação das obras e das próprias idéias de arte e cultura?

12 de fevereiro de 2007

Em vez do Estado, os mecenas

A começar do Louvre, os museus franceses dependem cada vez mais de financiadores privados

12 de fevereiro de 2007

Xangai, sem teto nem leis.

Entre dez milhões de pessoas que ocupam os dez bairros urbanos do centro da metrópole chinesa, 2,5 milhões já perderam suas casas depois dos anos 1990. Hoje, o barulho das pás cobre a voz dos expropriados

1º de março de 2004

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos