Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Na Venezuela, a oposição adota o terror

» Rumo à agricultura do medo?

» Boaventura debate Revolução, Democracia e o Brasil

» Meio cheio ou meio vazio?

» Que importa que o crítico resmungue?

» Hora de enfrentar Facebook e Google?

» Contra a crise, o possível pós-capitalismo local

» Como Foucault e Agamben explicam Bolsonaro

» “Liberais” — até a página dois…

» Homem em chamas na Venezuela

Rede Social


Edição francesa


» Bernard-Henri Lévy enragé contre « Le Monde diplomatique »

» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé

» Le Maghreb entre autoritarisme et espérance démocratique

» Avec la guérilla des FARC, en attendant la paix

» Norilsk, ville polaire, cité du nickel


Edição em inglês


» A Fairy tale from 2050

» The demolition of U.S. global power

» Preparing for doomsday

» Growing my way out of dystopia

» The insult wars in Washington

» The enemy of my enemy Is my...?

» The politics of no politics

» Picking a quarrel with Qatar

» Being Arab in Latin America

» London, whose city?


Edição portuguesa


» Míopes ou maldosos?

» Edição de Julho de 2017

» O síndrome da nêspera

» Embustes democráticos

» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos


Serge Halimi

é diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).


Seus artigos nesse site:

A França na Otan

Há 43 anos, o fundador da V República havia se retirado do comando integrado da Otan, época em que a União Soviética mantinha sob controle autoritário um bom número de países da Europa. Agora, Sarkozy anunciou que a decisão do general De Gaulle de retirar o país dessa organização era coisa do passado

3 de março de 2009

Protecionismo para uns, livre comércio para outros

Em toda crise financeira, diversas “respostas” podem ser consideradas. Elas têm por nome protecionismo, monetarismo, nacionalizações, desvalorizações, revolução etc. Para adivinhar qual delas será privilegiada no processo atual, é preciso examinar a interação entre diferentes elementos

3 de março de 2009

Dinheiro e poder

O poder do Estado ressurge como esperança para uma crise generalizada. Mas, se aparatos institucionais são compostos por pessoas - e o mercado por mãos que estiveram tão livres - muito provavelmente interesses serão privilegiados. Não seria insensatez esperar a cura dos mesmos que inventaram a doença?

12 de fevereiro de 2009

Um G20 descartável

Dois meses após o crash de Wall Street, seria inútil esperar dos países mais influentes do mundo a contestação das políticas injustas que promovem a desigualdade. Um “novo Bretton Woods” não se monta em algumas semanas

5 de dezembro de 2008

O declínio americano

Nos anos 1960, John Kennedy conseguiu acabar com o sentimento de inferioridade americano perante os soviéticos. Depois de décadas de altos e baixos, como a derrota no Vietnã e a vitória no Golfo, mais uma vez os EUA vivem um momento pessimista, afundados na crise econômica e na guerra iraquiana

22 de novembro de 2008

Os democratas na conquista do Oeste

Campanha de Obama decide enfrentar os republicanos em seu reduto mais forte – uma região onde o eleitorado, rural e conservador, adora armas, rejeita o aborto, abomina ambientalistas e desconfia de tudo que tem a ver com o Estado

12 de outubro de 2008

O patriotismo de cada um
12 de outubro de 2008

Quando a Rússia se reergue

A Guerra Fria acabou, mas o conflito não. Para garantir sua influência na região, os americanos investiram na aproximação com países menores, como a Geórgia. Moscou, por sua vez, apostou na Ossétia do Sul para “punir” os vizinhos que se aliaram aos ianques

15 de setembro de 2008

Devagar com o andor

Para aqueles que apostam suas fichas em Barack Obama, o candidato democrata já assinalou que seguirá a política externa de Kennedy e Bush pai

15 de agosto de 2008

Democracia “simplificada”

Rejeitada nos referendos de 2005, a Constituição Européia volta sorrateiramente à cena pela porta dos fundos, travestida no Tratado de Lisboa. Este deverá ser ratificado por todos os países da EU – sem consulta popular e a portas fechadas. Afinal, como declarou o ex-ministro francês Jack Lang, “um tratado é só um tratado”

24 de março de 2008

Mudanças na equipe francesa de Le Monde Diplomatique
24 de março de 2008

O bobo da corte

Trânsfuga da esquerda, Bernard-Henry Lévy tornou-se o agressivo ideólogo de um novo centro, que se aproxima cada vez mais da direita. Ao contrário dos antigos truões, que usavam seu talento para criticar o status quo, BHL só faz atacar as idéias progressistas e adular os poderosos

12 de novembro de 2007

Desigualdades norte-americanas

Segundo autor, a ênfase na diversidade étnica seria uma forma de mascarar a questão social. Mas sua crítica tende a desconsiderar a existência de discriminações específicas, que não seriam automaticamente resolvidas por uma grande “revolução igualitária”

6 de setembro de 2007

Um publicitário chamado Ronald Reagan

Nos anos 1950, um ator de Hollywood e futuro presidente dos EUA cruzou várias vezes o país para construir uma imagem positiva da GE entre as famílias norte-americanas e os próprios funcionários da empresa

10 de novembro de 2006

Retratos do Império, quando decadente

Temidos por seu poder e cobiça, os EUA foram também admirados, durante décadas, por sua democracia e mobilidade social. Serge Halimi sustenta que esta ilusão acabou. Para ele, vinte anos de neoliberalismo dividiram a sociedade em castas, e a política foi soterrada pelo marketing

10 de novembro de 2006

Multinacional-pesadelo

Como uma pequena empresa de Arkansas transformou-se na maior corporação do planeta, ao rebaixar salários, reprimir sindicatos, chantagear governos e destruir pequenas empresas. Por que a tentação do "preço baixo" pode ser a porta de entrada para a contra-utopia neoliberal

1º de janeiro de 2006

Nas pegadas de Washington

A tentativa de criminalizar a revolta popular e armar contra ela uma grande coalizão conservadora tem precedentes. Desde os anos 60, a direita norte-americana serve-se deste expediente, para esvaziar a democracia e transformá-la em um rito oco

1º de dezembro de 2005

A eterna busca do modelo estrangeiro

A mídia e os liberais se encantam com modelos que abrem caminho para o desmantelamento completo do Estado de bem-estar social

1º de outubro de 2005

Emprego: números ilusórios

O milagre britânico do desemprego baixo nada tem a ver a com a maior flexibilização do trabalho, sempre tão demandada pelo patronato

1º de outubro de 2005

As renúncias da esquerda em nome da Europa

Não é de hoje que a utopia européia é pretexto para os socialistas franceses abrirem mão de sua plataforma política para atender aos interesses do capital

1º de junho de 2005

A mídia em campanha

Na França, diferente de outros países, o debate sobre o projeto constitucional esquenta, e já não se descarta uma vitória do “não” – para espanto da mídia, que joga tudo, em vão, na campanha em favor do texto liberal

1º de maio de 2005

O povo simplório de Bush

Estado com riquíssima história social, a Virgínia Ocidental era um baluarte democrata até a última eleição presidencial. Sua conversão ao candidato republicano é exemplar para a compreensão do entusiasmo que sustenta o atual presidente

1º de outubro de 2004

O avanço da destruição do Estado

Num caminho sem volta, as reformas liberais constroem, passo a passo, um novo mundo da concorrência, com um Estado raquítico e desprovido de políticas sociais

1º de junho de 2004

A democracia segundo Huntington

Ao privilegiar a estabilidade, a ordem e a autoridade, obra de 1968, tratada como clássico da ciência política nos Estados Unidos, deixa clara uma concepção de democracia bastante distante do modelo alardeado pelos norte-americanos

1º de dezembro de 2003

O governador descartável

O projeto de Arnold Schwarzenegger? Limpar as estrebarias de Augias, isto é, de Sacramento. E o que é essa limpeza? Ele explica que realizou o impossível em seus filmes de ação, que é “empresário” e que “quer retribuir à Califórnia que lhe deu tanto”

1º de novembro de 2003

Os grevistas, esses doentes mentais

Para os “analistas” da grande imprensa, os professores em greve contra as reformas neoliberais pretendidas pelo governo francês são “descerebrados” e seu movimento, uma atitude “revanchista e irracional” que defende propostas “irreais”

1º de setembro de 2003

“Quatro vezes o imposto federal”

Numa matéria de 1905, que fez muito barulho, Ray Stannard Baker denuncia as práticas das companhias ferroviárias, exemplo do que foi o jornalismo “muckraking» que mudou a face dos Estados Unidos naquela época

1º de agosto de 2003

Os Muckrakers: quando a imprensa norte-americana era viva

Nos EUA, a “idade do ouro” do jornalismo se associa ao nome de “muckraking”, expressão que conjuga as palavras “turfa” (muck) e “ancinho” (rake). A caneta, como ancinho, revolvia a turfa aglomerada na base da escala social pelas malfeitorias dos piratas da alta sociedade

1º de agosto de 2003

Os amigos de Ariel Sharon

A totalidade dos meios dirigentes norte-americanos construiu e consolidou um ’sistema’ pró-israelense de tal forma enraizado na vida política, social e cultural dos Estados Unidos, que sua derrota tornou-se praticamente inconcebível

1º de julho de 2003

Quem são, afinal, os reacionários?

Em mesas-redondas e palestras, intelectuais que se reivindicam “modernos” “debatem” questões “da sociedade”, como identidade, nação e autoridade. No fundo, porém, são os velhos “reformadores liberais” de sempre, e o “debate” é um monólogo

1º de janeiro de 2003

Dois pesos e duas medidas

Os Estados Unidos impuseram, no mês passado, a destruição dos programas de armamento do Iraque sob a alegação de que aquele país violara uma resolução da ONU. Antes desse episódio, resoluções da ONU haviam sido violadas 91 vezes...

1º de dezembro de 2002

A obsessão “filo-americana”

Jean-François Revel é um abnegado. Membro da Academia Francesa, escritor e jornalista, com presença constante e contínua nos meios de comunicação, não baixa a guarda: é o paladino da defesa dos valores humanitários e generosos do capitalismo

1º de novembro de 2002

Para a crise do mercado, remédios de mercado

Mais do que uma explosão de alegria nas favelas brasileiras, o anúncio do empréstimo de 30 bilhões de dólares pelo FMI provocou uma euforia frenética na Bolsa por parte dos bancos ABN Amro, HSBC, Santander, Goldman Sachs, FleetBoston e Citigroup

1º de setembro de 2002

Um contra-poder à espreita?

Na França, como nos Estados Unidos, há uma relação quase incestuosa entre os grandes empresários – muitas vezes estelionatários, ou meros escroques – e o governo. E há o papel da imprensa, que primeiro bajula e depois acende a fogueira...

1º de agosto de 2002

Um problema de “isolamento”...

Tempos atrás, o atual primeiro-ministro francês, Jean-Pierre Raffarin, deu uma lição de “socialismo” no social-democrata Lionel Jospin, que ocupava então o cargo: sua política social elitista estaria isolando seu governo das camadas populares...

1º de julho de 2002

A esquerda “não socialista”...

Mesmo entre os amigos de Lionel Jospin, raros pensam que ele agiu certo ao fazer uma campanha eleitoral que anunciava “A França está melhor” e propunha – para que esse “melhor” se prolongasse – um programa “que é não socialista”

1º de julho de 2002

Simplicidade

Por trás da pretensa complexidade exaltada por alguns intelectuais, o mundo de hoje, na realidade, é bem mais simples: o mundo está, cada dia mais, sendo apropriado por poucos

1º de abril de 2002

Pensando o impensável

A ideologia neoliberal e imperial norte-americana parece triunfar por toda parte: dominação militar, diluição da Europa numa zona de livre-comércio... E o movimento anti-globalização parece estar na defensiva. Como os neoliberais, há 30 anos...

1º de janeiro de 2002

“Somos todos norte-americanos”

Num programa gravado pela France Inter em Nova York, a jornalista de plantão relembrava a cada minuto o horário da Costa Leste. Visivelmente, ela se tornara uma das nossas. Todos norte-americanos, nós vivemos em Nova York e falamos todos inglês

1º de outubro de 2001

“Como gastar?”

Um suplemento mensal do jornal Financial Times, com o sugestivo nome de How to Spend It (Como gastar), resolveu, finalmente, um problema existencial que angustiava boa parte dos milionários: como gastar o dinheiro...

1º de setembro de 2001

“A parte do leão”

Dirigentes políticos ocidentais dão a entender que a liberalização do mercado de capitais teve por objetivo irrigar os países do Terceiro Mundo com prosperidade e alegria. Segundo o FMI, essa irrigação é dirigida para os Estados Unidos

1º de setembro de 2001

A vitória do “direito”

O novo diretor do Departamento da Democracia e Direitos Humanos do governo norte-americano tem um currículo exemplar: mentiu, perante o Congresso, em 1991, e sua especialidade é ocultar massacres perpetrados por mercenários de extrema-direita

1º de agosto de 2001

Liberdades e censuras...

A chacina-fantasma de Timisoara (1989) e a guerra do Golfo (1991), pelo menos permitiram questionar a atividade jornalística. Mas tudo recomeçou com as mentiras da guerra do Kosovo, o frenesi “Loft Story”, sem esquecer o peso da publicidade...

1º de agosto de 2001

Um "investimento" de US$ 4 bi

Bill Gates, cujos "investimentos" políticos explodiram, teve o cuidado financeiro para que a Microsoft tenha, em qualquer das hipóteses, um amigo na Casa Branca — e a Casa Branca, um amigo na Microsoft

24 de dezembro de 2000

À velocidade da Internet

Quando os jornalistas subordinam a missão de informar bem à de ganhar audiência - e, dessa forma, aumentar os lucros dos proprietários das empresas - o resto é conseqüência. E o resto aconteceu

24 de dezembro de 2000

A lição

A sucessão de William Clinton vem sendo trabalhosa. E o futuro presidente terá certamente uma autoridade tão discutível quanto resultado da eleição de 7 de novembro. Eleição que revelou ao mundo um sistema político arcaico e exaurido

24 de dezembro de 2000

A euforia cibernética

A Internet não está interessada em permitir aos adversários do neoliberalismo um meio de acesso ao mundo. Embora permita movimentos de contestação — como qualquer outro meio de comunicação — a Internet é um instrumento a serviço da nova ordem global

12 de agosto de 2000

A palavra supérflua

Quando o resto do mundo se assemelha aos Estados Unidos, a "exceção americana" deixa de ser excepcional e os que ainda não foram seduzidos pela nova corrente são tachados de "antiamericanismo"

12 de maio de 2000

Filo-americanos à beira de um ataque de nervos

Este artigo expõe ironicamente os pontos de vista de alguns intelectuais, defensores francamente entusiásticos dos Estados Unidos, a ponto de comparar a crítica francesa à hegemonia norte-americana como uma vitória do comunismo

12 de maio de 2000

Balanço da esquerda no poder

Obra revela compromissos que o primeiro-ministro rompeu, mas procura defendê-lo apresentando atenuantes que não convencem

12 de abril de 2000

Guerra, mídia e desinformação

Antes e durante a guerra, as campanhas de desinformação promovidas pela imprensa foram essenciais para que a opinião pública aceitasse a ação militar da OTAN contra a Iugoslávia. Nosso dossiê aponta as mentiras mais flagrantes

12 de março de 2000

O "genocídio":

Nove meses após a entrada da OTAN em Kosovo, nada comprova a prática de um "holocausto", que os jornais davam como certa

12 de março de 2000

As "nossas" atrocidades

Quando praticadas pelos sérvios, elas são corretamente qualificadas como crimes. Se a OTAN as comete, passam a ser simples "erros"

12 de março de 2000

Uma informação "exemplar"?

Os jornais e emissoras de TV ficaram extremamente satisfeitos com a cobertura que deram à guerra. A OTAN e os Estados Unidos, também...

12 de março de 2000

Os cibercondenados

A vida é dura para os funcionários da Amazon. Telefone fixo no crânio, olhos grudados na tela e rua, para quem não responder doze mensagens por hora

12 de fevereiro de 2000

Contra o jornalismo de mercado, incentivar a dissidência

Se o fim dos regimes policiais na Europa oriental e o desmoronamento dos dogmas referentes à natureza humana que lhes eram atribuídos nos ensinaram alguma coisa, não foi a necessidade de outro totalitarismo e outra tirania — a dos mercados financeiros. Foi o valor da dúvida e a necessidade urgente da dissidência.

12 de dezembro de 1999

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos