Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé

» Le Maghreb entre autoritarisme et espérance démocratique

» Avec la guérilla des FARC, en attendant la paix

» Norilsk, ville polaire, cité du nickel

» Trente-six compagnies pour une ligne de chemin de fer


Edição em inglês


» A wide world of winless war

» Kissing the specious present goodbye

» Destabilizing the Middle East (yet more)

» Chinese songs of dignity

» A psychedelic spin on “national security”

» The age of grief

» France and Iran, two years after the nuclear deal

» Little big man

» America last

» Is Trump launching a new world order?


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos

» Crise e estagnação no labirinto

» Edição de Maio de 2017

» O desígnio de Marcelo

» O Estado profundo


Tony Judt

Tony Judt é historiador, escritor e professor. Nascido em Londres, em 1948, leciona na New York University e escreve regularmente na New York Review of Books. Judeu, descende de imigrantes russos por parte de mãe e de uma longa linhagem de rabinos lituanos por parte de pai. Quando jovem, promoveu a imigração de judeus britânicos para Israel, trabalhou em kibbutz e se engajou voluntariamente nas Forças Armadas israelenses, tendo participado da Guerra dos Seis Dias. Mesmo assim, suas críticas à política israelense e sua defesa dos direitos palestinos provocam reações indignadas nos meios conservadores judaicos. Este artigo deriva de uma conferência pronunciada por Judt na Alemanha, por ocasião do recebimento do prêmio Hannah Arendt de 2007, que lhe foi atribuído.


Seus artigos nesse site:

O Holocausto e as raízes do mal

“Quando certas pessoas nos censuram por criticar a política israelense, com medo de que façamos ressurgir o fantasma dos preconceitos raciais, eu lhes respondo que elas estão invertendo completamente o problema. É especialmente esse tabu, que pretende tornar Israel inquestionável, que pode atiçar o anti-semitismo”

24 de junho de 2008

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos