Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 14 de janeiro de 2022

» A resposta que o vento sopra

» Assim chegamos à era do futilitarismo

» O irrealizável retorno

» O certo é autista tomar eletrochoque “suave”?

» Ucrânia: como enxergar a hipocrisia de Washington

» 13 de janeiro de 2022

» Muxima: financie a plataforma que enfrenta a evasão escolar

» Um coronel da PM propõe saídas ao Estado policial

» Trabalho: a velha ladainha e a nova agenda

Rede Social


Edição francesa


» L'Italie écartelée

» Affaire Moro : l'antique tragédie du pouvoir

» Kazakhstan, l'or noir et la colère

» L'Université féodale de demain

» Le retour de M. Cabot Lodge a éveillé à Saïgon la méfiance des généraux sud-vietnamiens

» Quand la droite américaine pensait l'impensable

» En Ukraine, jeux de miroirs pour héros troubles

» Premières à l'école, subalternes au travail

» Un caillou dans la chaussure américaine

» Extraction minière en territoire saame


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Walid Charara

Jornalista,autor com Frédric Domont, de Hezbollah,um movimento islamo-nacionalista, Fayard, Paris, 2004.


Seus artigos nesse site:

A política de "instabilidade construtiva” de Bush

Apostando no comunitarismo para enfraquecer os países e as forças opostas à sua hegemonia, impondo-se como instigador e árbitro de verdadeiras guerras civis de baixa intensidade, os Estados Unidos estimulam uma desestabilização que dificilmente poderão controlar

1º de julho de 2005

Quando os Estados Unidos provocam um confronto

Barrar as ambições nucleares de Teerã aparece como o objetivo imediato de Washington, mas a principal intenção da estratégia regional dos Estados Unidos permanece, a longo prazo, o mesmo de1979: derrubar a República Islâmica do Irã

1º de janeiro de 2005

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos