Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

» Crise estrutural no ocaso do capitalismo

» Quatro ameaças à Humanidade e uma saída

» A Renda Cidadã e a reinvenção do dinheiro

» Coronavírus: já tínhamos sido avisados

» Ou desaceleramos ou morremos todos

» Pandemia desnuda a Saúde falida nos EUA

» Assim Guimarães Rosa viu nossas águas e gente

» Sopram novos ventos de revolta contra o Uber

Rede Social


Edição francesa


» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs

» Voyage en terres d'utopie

» Revenu minimum ou « deuxième chèque » ?

» Sur les voies du partage

» La télévision, les films et la conjoncture


Edição em inglês


» The world rediscovers Cuban medical internationalism

» Iran in the time of corona

» Covid-19: a London diary

» When viruses become pandemics

» Bringing the state back in during Covid-19

» ‘LMD' on your tablet

» February 2020

» March 2020

» Lessons for the UK deployment to Mali

» Find LMD


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Capitalistas, sim, mas zen...

Prezados editores do "Le monde diplomatique":

Achei importante a exposição desse artigo de Zizek na medida em que evidencia a fraqueza teórica e a mediocridade de um dos piores demagogos de nossa época. Zizek parace viver para reeditar mitos intelectuais indefensáveis como a retórica lacaniana e as posturas neo-stalinistas. Não conheço nenhum autor mais medíocre no cenário de nossa época. Nesse artigo que evidencia toda sua ignorância, obscurantismo e falta de preparo ele provoca uma confusão intencional entre o conteúdo normativo do pensamento budista e as bobagens da "nova era" com intenções obscurantistas que já se tornaram evidentes. Em artigo recente publicado no dia 13 d3 abril de 2008 no "mais" da folha de São Paulo intitulado
"O Tibete não é tudo isso" Zizek apresenta uma justificação grotesca do genocídio do povo tibetano promovido pelo governo de Beijing. É curioso que um pensador com pretensões críticas referende integralmente a visão da história do governo fascista de Beijing, visão essa que não resiste a nenhuma análise crítica mais séria. Acho curioso, pois no debate público sobre a questão tibetana realizado na câmara dos vereadores do Rio de Janeiro, o Cônsul geral da China, SR.Li Baojun apresentou uma visão da história idêntica à de Zizek o que comprova a meu ver que Zizek pouco mais é do que um ideólogo medíocre a serviço de um estado genocida. A única coisa deplorável nesse contexto é a falta de um espaço público de discussão em que se possa derrubar através dos debates esse representante do niilismo fascista de nossa época.

Sem mais, atenciosamente.

Joaquim Monteiro.
Monge Shaku Shoshin.


Joaquim Monteiro
2008-06-03 21:18:37

sobre o ducumentario citado

Boa Noite! Gostaria de saber onde encontro para alugar ou comprar ou reproduzir ou emprestar o documentario de Alexander Oye: Castelos de Areia. Budismo e as finanças mundiais??
Preciso com bastante urgencia
Danúbia
danubia_ivanoff@yahoo.com.br

Ficaria extremamente grata se alguém me ajudasse..


Site: Capitalistas sim, mas zen...
Danubia
2008-05-11 23:24:42

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.