Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de junho de 2022

» Varoufakis: por que a inflação voltou

» A reencarnação prismática do Ulisses

» Poderá a técnica salvar o patriarcado?

» 23 de junho de 2022

» Por que direitos humanos não “pegam” nas polícias

» Erveiros e benzedeiras na linha de cura

» Equador: as razões da nova revolta

» Cinema: Corpo livre, corpo cativo

» 22 de junho de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne

» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» État d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien

» Les réfugiés, une bonne affaire


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


Comentários sobre esse texto:

A vida vale pouco....

O questionamento quanto as muitas vidas que se perdem a cada catastrofe natural nos países pobres, passa também pelo pouco valor que a sociedade atribui a estas vidas.
Infelizmente o pouco valor da vida humana tem tudo a ver com a pobreza. Mudar esta dura realidade do banalizar a vida é o verdadeiro desafio.


Mara Danusa
2006-05-31 22:31:02

Morrer na Indonésia

morrer na idonésia ou em qualqur país é mais uma estupidez do homem, enquanto houver ganança e egoísmo no ser humano, não haverá justiça social, pois o homem quer o dinheiro e o poder enquanto existir essa filosofia a humanidade não vai ter paz porque a miséria sempre vai existir.


Manoel Antonio da Silva
2006-05-31 21:31:30

Morrer na Indonésia

Enquanto, grande parte da população não se beneficia das riquezas que alguns possuem. O nítido contraste entre os ricos e pobres fez com que muitas pessoas chegassem à conclusão de que existe uma necessidade urgente de combater a pobreza. A revista VEJA declarou:" Neste ano(2005) o combate à pobreza deverá ser o assunto dominante na agenda global". A revista também falou sobre a proposta de criar um novo Plano Marshall com o objetivo de ajudar os países mais pobres, em especial na África. No entanto, ao passo que tais propostas dão uma aparência de progresso,a mesma revista acrescentou: " Há também fartura de razões para duvidar dos resultados. Se a maioria dos países reluta em contribuir, é porque os recursos raramente chegam ao destino" É lamentável que, por causa de corrupção e burocracia, uma grande parte dos fundos fornecidos por governos, agências internacionais e pessoas nunca chegam àqueles que realmente necessitam.

Jesus sabia que a pobreza seria um problema constante. Ele disse: "Vós sempre tendes convosco os pobres" (Mateus 26:11). Significa isso que a pobreza sempre fará parte do cenário mundial?

A pobreza e a opressão são quase tão antigas quanto a humanidade. Embora a Lei de Deus a Israel visasse proteger os pobres e aliviar seu sofrimento, muitas vezes era desconsiderada.(Amós 2:6)

Jesus compreendia bem a vida difícil que os pobres levavam e era bastante sensível às necessidades deles. Embora tivesse vivido no céu, Jesus abriu mão da sua vida celestial, nasceu como humano e ’tornou-se pobre por nossa causa’.(2 coríntios 8:9)Ele não apenas sentia compaixão pelos pobres, mas também se preocupava com as necessidades deles. Ainda incentivou aqueles que queriam ser seus seguidores a reconhecer a obrigação que tinham de ajudar os necessitados

Como Jesus ’livrará o pobre’? Leia o Salmo 72.

Temos a esperança de que em breve essa situação não mais existirá. Esse futuro maravilhoso está disponível a todos, até mesmo aos pobres. Nessa nova terra a pobreza, a dor, a morte será eliminada para sempre.


Imperador
2006-05-31 16:23:23

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.