Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 17 de setembro de 2021

» Convite a ir além do sistema trabalho-e-família

» Paulo Freire, 100: Em busca de outra autoridade pedagógica

» O 7 de Setembro de Jair Bolsonaro

» Ponciá Vicêncio: A rebeldia de fabular, em meio ao cinismo

» A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

» 16 de setembro de 2021

» Brasil dos Borba Gato aos Bolsonaro

» 60 anos do Centro Popular de Cultura da UNE – e seu legado

» Muhammad Ali e Malcom X, em tempo de indelicadeza

Rede Social


Edição francesa


» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine

» Pétrole, bases et conflits dans le Golfe

» Ces industries florissantes de la peur permanente

» L'ultime trahison


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


Comentários sobre esse texto:

Um adeus francês à África?

Acho importante que os países africanos possam buscar novos horizontes comerciais e que isso seja feito de uma maneira prudente, porém não acredito que será muito diferente ter como parceiro os EUA nessa empreitada. Não que a França ou a União Européia tenha algo melhor para África. É importante avaliar que impactos essas decisões terão para seus cidadãos que esperam há muito por dias melhores. Afinal, não precisam assistir às lamentáveis cenas de guerras cívis dos anos 1990. Porém, é bom lembrar que o Governo Clinton, bem como a ONU, também virou as costas para Ruanda quando milhões de de ruandenses foram mortos na guerra civil.


Werde
2006-06-19 03:23:47

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.