Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Hummocks, sentinelles de notre planète

» Gaz et litige frontalier

» Diaspora libanaise

» Liban : comparaison régionales

» Communautés religieuses au Liban

» Empereurs des médias, de Springer à Murdoch

» « L'Avenir prisonnier »

» Oran, 5 juillet 1962...

» « Mes voisins sont de drôles de types »

» Eternel retour des bandes de jeunes


Edição em inglês


» Back to the JCPOA?

» China's outlaw armada

» Timidity in New Zealand

» November: the longer view

» The defeats of Golden Dawn

» Border tensions

» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth


Edição portuguesa


» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal

» Requisição civil

» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA


Comentários sobre esse texto:

O Brasil erra por não atrair cérebros

Há 20 anos que eu digo que precisamos importar indianos. Mas não é para dizer que os indianos sejam melhores que os colombianos que dominam o eixo Rio-São Paulo atualmente. É para aproveitar o que de melhor tem esses povos do mundo. É inegável que países ou regiões com alto índice de imigração são mais desenvolvidos. Austrália, EUA, Canadá e Alemanha, e mesmo a França, e a região Sul do Brasil são provas disso. Hoje o Brasil perde os melhores cérebros para o exterior. Se acordar agora já poderá ser tarde, pois nessa pós-Era da Informação, todos os países desenvolvidos já estão implementando fortes políticas de atração de talentos.
Se os bons estão indo embora, como vou poder manter minha política de salários baixos para os meus empregados? Serei obrigado a aumentar os salários para não ser engolido pelos chino-indianos. É tolice achar que aqui vou achar pessoal tão sócio-culturalmente qualificado quanto os de cima do Equador.


Paulo
2006-06-20 23:05:29

O Brasil erra por não atrair cérebros

Há 20 anos que eu digo que precisamos importar indianos. Mas não é para dizer que os indianos sejam melhores que os colombianos que dominam o eixo Rio-São Paulo atualmente. É para aproveitar o que de melhor tem esses povos do mundo. É inegável que países ou regiões com alto índice de imigração são mais desenvolvidos. Austrália, EUA, Canadá e Alemanha, e mesmo a França, e a região Sul do Brasil são provas disso. Hoje o Brasil perde os melhores cérebros para o exterior. Se acordar agora já poderá ser tarde, pois nessa pós-Era da Informação, todos os países desenvolvidos já estão implementando fortes políticas de atração de talentos.
Se os bons estão indo embora, como vou poder manter minha política de salários baixos para os meus empregados? Serei obrigado a aumentar os salários para não ser engolido pelos chino-indianos. É tolice achar que aqui vou achar pessoal tão sócio-culturalmente qualificado quanto os de cima do Equador.
p.s.: o UOL devia colocar o link para a matéria original em francês.


Paulo
2006-06-20 23:04:05

Como a Europa recebe o outro

porque os brasileiros nao podem rocar a carta de motorista



2006-06-20 22:35:15

Como a Europa recebe o outro

A EUROPA RECEBE MUITO MAL OS IMIGRANTES ELES ACHAM QUE VEM DA AMERICA LATINA E OUTROS PAISES SAO SERES INFERIORES .VIVO EM PORTUGALÇ E AQUI TRATAM NOS BRASILEIROS COMO BANDIDOS E SEMPRE ACAHANDO UMA FORMA DE NOS DES MERECER UM PORTUGUES DISSE UMA FRASE ASSIM SE NAO FOSSE OS PORTUGUESES OS BRASILEIROS AINDA ANDAVA AS FRECHAS COMO INDIOS



2006-06-20 22:18:34

Como a Europa recebe o outro

Nosso paiz aqui se falando de BRASIL, poderia oferecer melhor condição social aos seus cidadões, temos tanta terra para se plantar, tantos bens naturais para ser pesquisado, tantas fontes de renda poderiam ser criadas com um pouquinho de insentivo das nossas autoridades governamentais que tanto faz por eles mesmos, mas nada pelo social.Tantas maes deixam seus filhos, em companhia de avós, tantos pais deixam suas familias, tantos filhos deixam seus pais, porque? porque querem se aparecer? não! a necessidade social, primordial a todo ser humano está aqui sendo negada aos nosso brasileirinhos e brasileirinhas que se vão.
E cuanto aos que chegam de outros paizes em nosso Brasil.
Aqui encontram vagas deixadas pelos que foram.
E são explorados pela sub desvalorização do trabalho no Brasil.
Realmente é uma pena!
Brasileiros cansados de lutar pelos seus direitos no seu pais natal, sonhar com direitos em outro paiz.( brincadeira)??


Aldir - Ji-Paraná RO
2006-06-20 21:42:30

Como a Europa recebe o outro

Não acredito no fim da fronteira das nacionalidades. As razões para o êxodo têm fortes características econômicas, o que impele ao imigrante a aceitação à qualquer padrão social/comportamental imposto.
O comportamento social está profundamente arraigado nos seus elementos, fazendo com que a elaboração de blocos tenham forte viés econômico e fraca integração social.
O imigrante (mesmo um europeu integrante do bloco) é analisado conforme o grau de interesse que o país possui pelos seus préstimos, o que não configura uma política "mais liberal" de integração social, mas sim um posicionamento estratégico-econômico. Interesses esses inerentes aos conceitos de fronteira.
Um país não tem "amigos", tem interesses (avisem ao Lula). Essa abordagem naturalmente cria problemas de convívio com os "imigrantes", que muitas vezes têm ideologia social diferentes, mas é a única coerente.


marcelo
2006-06-20 21:03:22

Como a Europa recebe o outro

Os movimentos no sentido de evitar a fusão de todos os seres humanos num padrão universal são reações naturais, mas tendem ao fracasso.
Já caíram as fronteiras ideológicas e econômicas, e em algum grau as fronteiras culturais e raciais. O que estamos assistindo pode ser o começo do fim da fronteira das nacionalidades.
O que é bom para a humanidade, pois enquanto houver diferenças localizadas os mais espertos continuarão tirando proveito disso para manter sua supremacia.


Edson
2006-06-20 20:03:20

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.