Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

Rede Social


Edição francesa


» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Comentários sobre esse texto:

Qual canção de protesto?

É incrível como a grande mídia, o "mainstream", tem o poder de engolir e massificar posições políticas ou manifestações artísticas contestadoras, como uma ameba. Os artistas, principalmente vindos da periferia, com o propósito de tornar seu trabalho conhecido, de espalhar sua mensagem, acabam se rendendo à formatação e aos "prazeres" proporcionados por flashes e holofotes. Exemplos claros disso, aqui e agora, são alguns artistas do movimento (?) rap/hip-hop, como Marcelo d2 e Rappin Hood. Há uns 3 anos eles criticavam a polícia, contestavam a desigualdade social e as regalias da burguesia. Dizer "eu ouço hip hop" era praticamente um crime na elite. Hoje aparecem no Faustão, batem cartão nas festas da Caras e nadam em rios de dinheiro, porque agora essa mistura de samba e hip-hop é muito cult, tá na moda, vende.


rodrigo
2006-06-26 19:33:15

Qual canção de protesto?

É incrível como a grande mídia, o "mainstream", tem o poder de engolir e massificar posições políticas ou manifestações artísticas contestadoras, como uma ameba. Os artistas, principalmente vindos da periferia, com o propósito de tornar seu trabalho conhecido, de espalhar sua mensagem, acabam se rendendo à formatação e aos "prazeres" proporcionados por flashes e holofotes. Exemplos claros disso, aqui e agora, são alguns artistas do movimento (?) rap/hip-hop, como Marcelo d2 e Rappin Hood. Há uns 3 anos eles criticavam a polícia, contestavam a desigualdade social e as regalias da burguesia. Dizer "eu ouço hip hop" era praticamente um crime na elite. Hoje aparecem no Faustão, batem cartão nas festas da Caras e nadam em rios de dinheiro, porque agora essa mistura de samba e hip-hop é muito cult, tá na moda, vende.



2006-06-26 19:31:39

Qual canção de protesto?

Costumeiramente a França critica os EUA. Esqueçe o produtor de perfumes e champagne que os americanos a libertou do nazismo e reconstruiu uma Europa arrasada. Sua grande mágoa é a riqueza e o sucesso da grande águia. O mundo fala inglês e os franceses não admitem. A língua francesa morreu. Criticam o capitalismo que oferece produtos a todas as classes sociais. Os produtos franceses são caros e a rigor, inúteis. Oferecem ao mundo tão-somente água de cheiro, vinho e champagne. País decadente.


Ruy
2006-06-19 16:37:18

Qual canção de protesto?

Tudo que eu quero ler e ouvir: a contestação ao sistema globalizante que deixa pouca margem à fraterna individualidade,sons e gritos contra a submissão da mídia ao contrato fechado depois que o neoliberalismo reina com todas a sua prepotência, silencia a crítica e não deixa passar a menor discordância. Já tinham nos anunciado O fim da História: é isto, segundo a ideologia oficial, não há mais ideologias. Nacionalismo é só pra quem pode: para os que nos escravizam ao MERCADO. E ainda nos nos acenam com o consolo dos Direitos do Consumidor!


Site: Qual canção de protesto
Velha senhora indignada
2006-06-19 03:45:00

Qual canção de protesto?

O que mais me alegrou ao ler esse artigo foi o próprio tema escolhido e a forma simples, franca e direta com que foi abordado. É uma pena que a imprensa brasileira tenha se tornado extremamente nazista, faça pouco caso e critique duramente qualquer iniciativa artística que envolva um posicionamento político (agora tudo tem que ser "neutro", como se isso fosse possível), como no recente filme sobre os sem-teto paulistas.
Curiosamente , aliás, todo filme envolvendo temas políticos é caracterizado como pesado ou mal-feito ou maniqueísta pela crítica, que gostaria que os artistas fingissem não ter opinião ou posição ideológica alguma permeando seu trabalho: como os críticos fingem...


Fernanda
2006-06-19 01:18:56

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.