Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Miguel: breve simbologia de um país que não mudou

» Elogio à sensorialidade da Cultura

» Edição de 5 de junho de 2020

» E se a doméstica desafiar a Casa Grande?

» Esperança como ação: caminhos ao pós-pandemia

» Como reinventar o estar presente, em quarentena

» Literatura dos Arrabaldes: Territórios culturais

» Depois da pandemia, a semana de quatro dias

» Edição de 4 de junho de 2020

» George Floyd: esse não é só um caso policial

Rede Social


Edição francesa


» Industrie, socle de la puissance

» Victoire historique au procès de l'amiante

» La cotisation, levier d'émancipation

» Sur le toboggan de la crise européenne

» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Bush peut-il tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité


Edição em inglês


» UK Labour: from Corbyn to Starmer

» June: the longer view

» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia

» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora


Comentários sobre esse texto:

CIDADE DE EXTREMA EM MINAS GERAIS

Um exemplo de conservação do meio ambiente vê se na cidade de Extrema em Minas Gerais.
Alí se pratica Esportes Radicais, tais como: Paraglider, Asa Delta, Motocross, Rafting e outros, tudo em meio à Mata Atlântica ainda conservada, onde se encontra ipês, bromélias, orquídeas, etc.
Esta cidade fica apenas 100 Km do centro de São Paulo.


Site: EXTREMA ON LINE
EXTREMA
2006-11-04 06:12:36

Tursimo humanitario

Acho que o jeito é evitar os hoteis e tentar fazer um turismo humanitario.
Que tal ir pro sertao nordestino, pra favela paulista ou carioca, pra Africa, Angola, Moçambique, se integrar em associaçoes de trabalho e cooperaçao nacionais ou sem fronteiras, pra partilhar o que temos de melhor.
Acho que assim, ao mesmo tempo em que conhecemos e aprendemos valores culturais diferentes, oferecemos e difundimos os nossos e assim, saimos todos enriquecidos desta relaçao.
Evitemos o turismo consumista, que vende paraisos à destruir, culturas à colonizar. Saiamos dos circuitos do turismo de fachada oferecido pelas companhias e pelas multinacionais holeleiras.
Aproveitemos a hospitalidade do turismo oferecido pelas comunidades para conhecermos suas culturas por dentro, suas raizes, riquezas e conflitos.


Dubiela
2006-07-19 17:24:23

Em nome da Natureza...

Os preceitos do turismo não são esses, quem estuda sabe....
Precisamos usar essa prática tão linda pra a melhoria do ambiente e não para destruí-lo, deve-se ser um par e não a destruição de locais históricos.
Hotéis luxuosos para que?se a história de milhões de anos fica pra trás?
Profissionais realmente não fazem isso, a natureza e a história de um povo não merecem!!!!!!!!!!!!!!!!


Lilian
2006-07-11 17:31:49

Em nome da Natureza...

Que esse tipo de alerta se junte a outros para evidenciar o que é a usurpção do espaço comum em benefício das corporações hoteleiras.

Com as riquezas mineirais se exaurindo no Terceiro Mundo, a indústria hoteleira investe agressivamente
no bastião "ecológico". O assunto exposto na matéria não difere muito do que acontece no litoral brasileiro.
Há alguns anos, o litoral nordestino, por exemplo, foi-se tranformando naquilo chamado pejorativamente de "Disneylândia
paulista", por causa dos turistas que lá passam suas férias, os de São Paulo em maior número. Um direito
deles, de todos os brasileiros das outras unidades da federação e de cidadãos estrangeiros, inclusive. Mas o alerta é para os critérios adotados
para tornar uma região como o litoral do Estado da Bahia um pólo de turismo é de dar pena. Comunidades inteiras
de pescadores expulsas de suas terras, famílias inteiras de caiçaras sendo tornadas, garçons, copeiros, porteiros,
vigias, lixeiros, arrumadeiras. E as novas gerações sendo vitimadas pelo turismo sexual infantil.

O mais triste de tudo é que as corporações estão corretíssimas em seu modo de agir; são empreedimentos capitais que têm por meta o lucro, um mal mais que necessário. O Estado brasileiro, que deveria funcionar como mediador, estabelecendo normas para que o fosso social não se amplie, omite-se para se tornar o maior beneficiário desses desmandos.

É realmente desse tipo de "progresso" que precisamos?


Ivan Almeida
2006-07-11 16:37:06

Em nome da Natureza...

Que esse tipo de alerta se junte a outros para evidenciar o que é a usurpção do espaço comum em benefício das corporações hoteleiras.

Com as riquezas mineirais se exaurindo no Terceiro Mundo, a indústria hoteleira investe agressivamente
no bastião "ecológico". O assunto exposto na matéria não difere muito do que acontece no litoral brasileiro.
Há alguns anos, o litoral nordestino, por exemplo, foi-se tranformando naquilo chamado pejorativamente de "Disneylândia
paulista", por causa dos turistas que lá passam suas férias, os de São Paulo em maior número. Um direito
deles, de todos os brasileiros das outras unidades da federação e de cidadãos estrangeiros, inclusive. Mas o alerta é para os critérios adotados
para tornar uma região como o litoral do Estado da Bahia um pólo de turismo é de dar pena. Comunidades inteiras
de pescadores expulsas de suas terras, famílias inteiras de caiçaras sendo tornadas, garçons, copeiros, porteiros,
vigias, lixeiros, arrumadeiras. E as novas gerações sendo vitimadas pelo turismo sexual infantil.

O mais triste de tudo é que as corporações estão corretíssimas em seu modo de agir; são empreedimentos capitais que têm por meta o lucro, um mal mais que necessário. O Estado brasileiro, que deveria funcionar como mediador, estabelecendo normas para que o fosso social não se amplie, omite-se para se tornar o maior beneficiário desses desmandos.

É realmente desse tipo de "progresso" que precisamos?


Ivan Almeida
2006-07-11 16:34:34

Em nome da Natureza?

Em tempos de politicagem suja e ainda, de "preservação", o que se ameaça nem é mais surpresa, mas o modo como os fins se justificam dão até nojo mesmo. Como pode eles ainda por cima culparem no final das contas as comunidades que lá residiam?

........

O ser humano cada vez mais egoísta e pequeno!


kiki
2006-07-11 15:19:35

Em nome da Natureza...

O ser "humano" está cada vez mais se distanciando da palavra que o caracteriza: HUMANIDADE. Assim sendo, em breve deixaremos de existir para alívio dessa nossa nave-mãe.


Heleonora Silva
2006-07-11 14:14:17

Em nome da Natureza...

Esperemos que tenha pessoas mobilizadas para proteger essas reservas de pessoas sem escrupulos comos os AMERICANOS. Eh simples saber por que eles (os americanos) nao fazem isso na casa deles (america)! Pq eles jah destruiram tudo!
Vamos todos juntos lutar pela PAZ no verde!


Cklerison
2006-07-11 11:32:48

Em nome da Natureza...

Assim como em outras áreas sociais, o turismo também está a mercê da política suja e de governantes corruptos que visam apenas os interesses próprios. Infelizmente esse não é um caso isolado.


Celio
2006-07-10 23:01:16

Em nome da Natureza...

Em nome da Natureza...

O que repugna reside muito além de qualquer atitude dita imperialista, do norte ou do sul.

Reside, por exemplo, numa ACADEMIA falida, cuja sobrevivência está nas mãos dos senhores dos Euros, Dólares, Francos, etc., e, que, a pretexto de incluir, socialmente, quem, jamais, foi excluído, vende a confusão, por exemplo, quando assina em baixo e diz que sustentação é o mesmo que sustentabilidade.

É o que vemos nos EIA, nos RIMA, nas monografias, nas dissertações, nas teses. Sustentabilidade Ambiental, como se Sustentabilidade não já trouxesse em si, os fatores ambiental, social, econômico, e, mais modernamente, cultural, religioso,etc.

Se é, cada vez mais, difícil conviver com os senhores da moeda, não menos difícil é conviver com "Acadêmicos", "Ambientalistas",
"Ongueiros",etc... todos voltados para a mesma finalidade, a espoliação.


EZILDO LUIZ AMÉRICO DE SOUZA
2006-07-10 22:08:05

Em nome da Natureza...

E depois ainda vem com essa de turismo sustentável . Uma pena que os verdadeiros preceitos do turismo não estejam sendo aplicados em uma localidade tão rica. Nem tudo no turismo gira em torno do dinheiro como adoram dizer os empreendedores privados. A comunidade, o meio ambiente, são muitos os elementos q devem ser levados em consideração qdo se pensa em "criar" uma localidade turística.


Juliana
2006-07-10 22:01:27

Em nome da Natureza...

OS NORTE AMERICANOS SAO MESMO REPUGNANTES ,JA NAO BASTA ACABAR COM O IRAQUE ,ROUBAR PETROLEO, ESTUPRAR IRAQUIANAS ,DESTRUIR FAMILIAS VIETNAMITAS,JAPONESAS, ASSASSINAR AFEGAOS,POLUIR DESTRUIR E GANHAR SOBRE AS DESGRAÇAS ALHEIAS.HOJE É A GUATEMALA E AMANHA SERÁ A AMAZÔNIA.TUDO PELO DINHEIRO.


FABIO
2006-07-10 21:57:51

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.