Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 17 de setembro de 2021

» Convite a ir além do sistema trabalho-e-família

» Paulo Freire, 100: Em busca de outra autoridade pedagógica

» O 7 de Setembro de Jair Bolsonaro

» Ponciá Vicêncio: A rebeldia de fabular, em meio ao cinismo

» A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

» 16 de setembro de 2021

» Brasil dos Borba Gato aos Bolsonaro

» 60 anos do Centro Popular de Cultura da UNE – e seu legado

» Muhammad Ali e Malcom X, em tempo de indelicadeza

Rede Social


Edição francesa


» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine

» Pétrole, bases et conflits dans le Golfe

» Ces industries florissantes de la peur permanente

» L'ultime trahison


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


Comentários sobre esse texto:

Elogio da Gratuidade

O gratuito precisa estar presente, mas não tão presente para que as coisas tenham o seu preço e para que a graça não seja barateada, e com ela os valores incompráveis!!


Edson Dorneles
2006-07-27 19:58:48

Elogio da Gratuidade

"Não existe almoço grátis", já dizia um jargão bastante difundido no mercado financeiro. Se somos obrigados a pagar impostos para financiar uma máquina administrativa, esta tem que dar o seu retorno sob a forma de benefícios a sua população. Nesta situação calamitosa de governos liberais, tal retorno somente se dá às pessoas que já gozam de maiores benefícios. Um exemplo é a ação da polícia de maneira mais eficaz para esta parcela da população (e quem mora na periferia sabe muito bem do que estou falando). Há outros milhares de exemplos. Se um governo arrecada bem, mas paga juros altos, ele dá mais àqueles que já tem um bom patrimônio acumulado. Se ele paga menos juros, pode usar de seu superávit financeiro para proporcionar melhores escolas, por exemplo, permitindo uma melhor inserção daqueles que têm menos posses. Para isto, o governo se utiliza do dinheiro que ele arrecada da sociedade. Para uma melhor distribuição de renda, é preciso que a população mais pobre não tenha que pagar, além dos impostos que já paga, pela escola, pelo transporte, etc... A lógica é muito simples: não existe nada gratuito. Tal termo deveria ser proibido de ser utilizado em publicidade. No caso das empresas privadas, então, isto é ainda mais evidente. Pois, como diz a matéria, sempre existem estratégias comerciais envolvendo a utilização de tal termo, pois o objetivo de uma empresa em fornecer algo "gratuito" é obter mais lucro, obviamente de maneira indireta. E isto ocorre sempre: a estratégia da empresa é a de te ludibriar, não se esqueça disto.



2006-07-27 19:53:18

Coerência no discurso

Concordo com o texto.
Na existência "toda graça tem seu preço" (acho que li isso na Veja, embora não goste do periódico).
A lógica sócio-econômica privilegia a sagacidade e não o mérito. Basta contar quantos pobres miseráveis suam sangue e mereceriam salários a altura.
Grátis: deve ser tudo que se dá sem esperar nada em troca; isso tem origem na tradição teológica judaica, de um Deus que se doou por amor, na figura de Jesus. O resto é troca.
Mas não que trocar seja gesto ilícito, indigno, muito pelo contrário, se bem tratado, é justo. Mas grátis é doação, é entrega, prejuízo e isso, colegas, definitivamente, não faz parte do vocabulário mercadológico. Embora, infelizmente, faça parte do imaginário ideológico. Serve como argumento de santidade, de bondade. E é aceito, tamanha a crendice social nos famigerados heróis.
Não quero acabar com o mercado, nem mesmo com o capitalismo. Quero coerência no discurso.


Roberto Prado
2006-07-27 19:03:24

Elogio da Gratuidade

Não podemos culpar o Markting por aquilo que as pessoas querem ou não fazer, afinal o Marketing não cria, não inventa nem mascara nada, apenas faz dispertar algo latente no ser humano, já vi e ouvi muitos letrados, cultos e doutores atestarem sobre por exemplo o ensino gratuito, será que o Marketing consegue leva-los a segueira da ignorância? e as igrejas principalmente as evangélicas que vendem até pedaço do ceu, ou aquelas em que o dísimo é obrigatório ações religiosas não são mais gratuitas?
acredito que o texto não foi feliz em algumas colocações, fazendo com que nos sintamos burros e cegos para o que é ou não gratuito, sendo o "Marketing" o único culpado.


Site: Gratuidade e o Marketing
Julio
2006-07-27 18:12:07

Elogio da Gratuidade

Não se iludam: O mundo é mau! Dizia um dos mestres que já tive em minha tragetória.
Porém, acredito injusto justificar a gratuidade somente pelo apelo do marketing, profissionais de marketing não iludem, produtos ou serviços ruins ou falsos não se vendem. O povo não pode continuar sendo visto pelo lado escuro da ignorância e mediocridade, até porque, não o são.


Danila
2006-07-27 16:21:26

Elogio da Gratuidade

o povo e a sociedade sempre estarão,vulneráveis a tais propostas principalmente as de marketing pois na maioria das vezes, e’como mágica, que engana o povo, para beneficios próprios e pessoais, exemplo disso, a campanha do PT,não sou de nenhum partido, somente procuro ver as coisas com sabedoria, e equilibrio emocional.

Marcelo olivetti


marcelo olivetti
2006-07-27 16:17:12

Ofensa à Gratuidade

Esse tipo de ideologia, dominante principalmente na América Latina e Europa Ocidental, é a força que atua em favor da inércia do desenvolvimento social e econômico.

Como já se disse aqui, não existe almoço grátis. Os financiamentos à empreitadas sociais (educação, previdência, etc.) deveriam seguir o princípio do livre arbítrio, ou seja, contribui quem assim julgar pertinente.

O que não deveria mais acontecer é o Estado continuar interferindo na vida e principalmente no bolso dos seus cidadãos.

Quanto ao marketing, existe uma insistência da "intelectualidade" da esquerda em supervalorizar o seu poder. Quem conhece um pouco melhor a disciplina sabe o quanto isso é bobagem. Não fosse por outra razão, porque o marketing, ao contrário do Governo, não obriga ninguém a custear suas tais falsas gratuidades.


Carlos
2006-07-27 15:53:22

Elogio da Gratuidade

Eu sofro esse problema, na minha http://business-technology.us, uma universidade aberta que oferece 13 MBAs gratuitos.

Como a grande maioria das coisas gratuitas na Internet sempre embutem alguma forma de compensacao, a maioria pensa o mesmo da BT e desconfiam.

Hoje, por exemplo, talvez a maior parte dos softwares "gratis" que sao oferecidos sempre tem alguma armadilha para uma sua remuneracao.

Entretanto a BT es real e se baseia num sistema obvio, o de incluir anuncios pagos nas licoes.


S. Maurer
2006-07-27 14:41:49

Elogio da Gratuidade

O mundo virou uma grande arena comercial. O homem da caravana de camelos já carrega bolsas com logotipos de multinacionais e provavelmente já ouviu propostas para ganhar para isso. O oxigênio ainda é livre, mas os espaços nas paredes das construções urbanas não o são. Tampouco a água e o espaço nos pastos à beira das rodovias. Tudo é pago. O arquiteto inglês Charles Jencks (apud David Harvey)diz que a arquitetura moderna tem como raizes duas significativas mudanças tecnológicas: as comunicações (que derrubaram as fronteiras usuais de tempo e espaço)e as novas tecnologias de produção em massa (via informática) permitindo facilmente a criação de projetos arquitetônicos que reproduzem obras (fachadas) dos séculos 18 e 19. De fato, as comunicações (visuais incluídas) e a arquitetura pós-moderna, nos trazem um mundo difícil de prever e de controlar. Nossas vistas ( e narizes e pulmões) se acostumam (mas não se adaptam) rapidamente ao caos urbano que caminha para o rural e invade as áreas silvestres. E a TV invade o espaço dos lares com muitas mensagens comerciais. Não há novela gratuita para o pobre. E quantos ligam para isso? A propósito, em outubro, Pensem VERDE. VOTEM 43.


Site: Elogio da gratuidade
jruy veloso
2006-07-27 14:26:06

Elogio da Gratuidade

Acho que o texto deveria apresentar alguns modelos práticos das idéias propostas e não ficar apenas no campo das abstrações.


Izaias Madeira
2006-07-27 11:56:37

Linda

:)
eeeeeeeeeeeeeee


Gustavo Mello
2006-07-27 04:57:15

Elogio da Gratuidade

Vejo,tanto através de notícias quanto a fatos do nosso dia-a-dia que apartir desse tema,o povo brasileiro,vem sendo acostumado a uma realmente falsa gratuidade,pois ao passo que se deixa de trabalhar para receber auxílios do governo,perde-se o pouco de estímulo pra se ir em busca de algo mais digno.Sendo assim,não se trata somente de um fato ligado ao comprar e vender e sim a algo muito mais estratégico que é uma falsa independência,dada a um povo que vem sendo induzido a não pensar e portanto,acostumado a acomodação de uma falsa realidade.E enquanto alguns ficam de longe criticando os que se deixam alienar,estes mesmos não percebem que também se encontram estagnados pela preguiça da individualidade, que não os deixa abrir os olhos dos demais para uma realidade mais justa e humana.


Manoelly Vera Cruz
2006-07-27 03:17:24

Elogio da Gratuidade

É uma utopia sonhamos com um governo ou uma sociedade, que visualize o lado social e possibilite uma vida digna sem nos sugarem nosso tempo e até em alguns caso nossa dignidade.Pois onde deveriamos ter um serviço gratuito e de qualidade, somo jogado em fila de espera ao relento e muitas vezes sem a garantia do atendimento. quando na verdade toda a carga tributária embutida neste serviço é paga com suor, lágrimas e até sangue do nosso dia a dia. Somos na verdade cativos, escravos, desse regime de governo que ajudamos a criar e mantemos a um custo cada vez mais alto.


Site: elogio da gratuidade
Romero Ferreira
2006-07-10 18:19:41

Elogio da Gratuidade

O viés ideologizado através do qual se discute a gratuidade, notadamente na satisfação de necessidades fundamentais como educação e transporte eventualmente nos cega para o fato de que "there’s no free lunch". O círculo vicioso no qual entra o Estado Social de tudo prover, e depois lançar a conta no contribuinte guarda forte relação com esta perspectiva. Prefiro a abordagem de John Rawls, que via na implantação de um mecanismo que aproveita a própria desigualdade de condições para financiar a igualdade de oportunidades. Se, por exemplo, alguém paga por um serviço de educação estatal, estas verbas podem muito bem financiar a educação de quem não pode. Mas, repito, a desintoxicação das ideologias ainda é um sonho distante do Estado e da sociedade em que vivemos.


Carlos Andrade
2006-07-08 22:19:29

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.