Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como a Estônia concretizou o passe livre

» Marielle Vive! e a lógica do condomínio

» Quando os ditadores despencaram da parede

» Dois caminhos para as Novas Ciências

» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

Rede Social


Edição francesa


» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Comentários sobre esse texto:

A voz pálida da França

Quem me dera se o Brasil tivesse força política, e resolvesse acordar para o que acontece no mundo! Vemos Estados Unidos, França, Alemanha, Grã-Bretanha, exercendo de sua influência, e o Brasil sem conseguir resolver pendengas, de Evo Morales ou Hugo Chaves! Acorda Brasil. Está claro que ter um exército forte, e setores de inteligência é muito importante. A reação árabe, e a busca por tecnologia nuclear é um exemplo de países que lutam por suas soberanias. A bomba é estratégica. É a forma que os árabes, e norte coreanos acharam para terem mais peso no mundo, e terem internamente menos interferência de países ocidentais. Vivemos diariamente a luta por um espaço no mundo, mas nos deixamos "deitados eternamente em berço esplêndido".


Henrique de Senna
2006-07-08 19:30:07

A voz pálida da França

Programas como "petróleo por comida" não é terrorista??? Quando a matéria-prima, que mais gera riquesas no mundo desenvolvido é adquirida trocando-se por comida não é fazer terrorismo contra este país???
Que pena que a França resolveu assumir esta posição, porque, ao que tudo indica, o Oriente Médio está cançado do terrorismo Ocidental!!! Fica a pergunta, porque não estabelecer relações realmente vantajosas para todos os lados???
E mais, alguém, por um acaso, se lembra que antes da criação de Israel, esta era uma região tranquila??? Quem foram os responsáveis mesmo por este fato???
Saudações!!!


Adonai G. Sancho
2006-07-08 18:34:50

A voz pálida da França

Finalmente parece que a França está abrindo os olhos para o perigo que é o mundo árabe.
Já não era sem tempo.


Augusto
2006-07-08 14:40:37

A voz pálida da França

Paulo Francis, disse que o sonho dos

franceses é morrer na quantidade americana e que o sonho dos americanos é morrer na qualidade francesa.


Gloria
2006-07-08 14:32:11

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.