Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 29 de novembro de 2021

» Breve nota sobre a futilidade do sucesso

» Paulo Freire e a aposta na comunicação libertadora

» Pochmann: do colonialismo mental ao tecnológico

» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

» A potente imaginação política do Teatro Legislativo

» O tempo de tecer comunidade

» Somos todos cavalos

Rede Social


Edição francesa


» Mirages verts et sobriété californienne

» Harry Potter expliqué aux parents

» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe


Edição em inglês


» Iraq's great divides

» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


Comentários sobre esse texto:

Um olhar radical sobre a revolução

O radicalismo tem em si uma ótica pluralista, por isto é fundamental que qualquer comentário seja imparcial já que devemos entender que qualquer levante sobre o prisma de um entendimento mútuo nunca é o consenso entre as pessoas, já que as correntes sempre antagônicas nunca fizeram convergir para o que podemos chamar de bem comum, ou uma democracia abrangente, o estado sempre atuando de forma material e os levantes seja ele de quaisquer ordens sempre opta pelo fortalecimento dos povos e o estado entende que ele tem que controlar vontades, e as idéias emanam do povo e não do centralismo ditatorial do estado, precisamos que o estado faça sua parte não olhando pára aquilo que ele vive segundo idéia que favoreça somente seu rincão e, sim algo que possa ser abrangente em forma e atos democráticos de uma linha simples de entender e que todos possam usufruir o bem comum de forma que cada um terá sua parcela para contribuição do bem comum de uma sociedade que até hoje clama por igualdade social até quando ficaremos nessa situação, ou o estado se posiciona como cidadão ou então o cidadão terá que fazer sempre levante para fazer valer daquilo que o estado não tem coragem de fazer.


moises cklein
2006-10-21 06:16:59

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.