Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Comentários sobre esse texto:

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:14:18

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:13:44

A África sonha com a "segunda independência"

Assim como no Brasil, lá também "quem sabe o que é bom para os pobres são os ricos".
As Elites precisam cair na Real de que a necessidade de muitos superam a de poucos e devem prevalecer. Não significa que eles não poderão reinar num mundo MAIS HUMANO, porém uma expectativa de vida tão baixa está enraizada na "DOR DE MUITOS" e afinal somos ou não todos filhos de um ’DEUS ÚNICO E VERDADEIRO".


ADEMIR A DEMARCHI
2006-12-04 18:26:27

A África sonha com a "segunda independência"

sera dificil para conquistar a segunda independencia?


c
2006-12-04 16:47:53

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.