Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


Comentários sobre esse texto:

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:14:18

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:13:44

A África sonha com a "segunda independência"

Assim como no Brasil, lá também "quem sabe o que é bom para os pobres são os ricos".
As Elites precisam cair na Real de que a necessidade de muitos superam a de poucos e devem prevalecer. Não significa que eles não poderão reinar num mundo MAIS HUMANO, porém uma expectativa de vida tão baixa está enraizada na "DOR DE MUITOS" e afinal somos ou não todos filhos de um ’DEUS ÚNICO E VERDADEIRO".


ADEMIR A DEMARCHI
2006-12-04 18:26:27

A África sonha com a "segunda independência"

sera dificil para conquistar a segunda independencia?


c
2006-12-04 16:47:53

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.