Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Lockdown com justiça social, Já! (2)

» Esse é o início do século asiático?

» O que Felipe Neto ensina sobre revisionismo histórico

» Escancara-se o projeto miliciano de Bolsonaro

» Cinema: brancura da neve e sua melancolia

» “Lockdown” com justiça social, já! (1)

» Equívocos de Marcos Nobre sobre a Frente Ampla

» Tatuagem: não há pecado ao Sul do Equador

» Bolsonaro, síndico de um condomínio em chamas

» Entre a Ciência e a cultura mundana

Rede Social


Edição francesa


» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne

» Le magot de l'industrie musicale

» Les urnes et le peuple

» La démondialisation et ses ennemis

» La patrie littéraire du colonisé

» Intégrismes et laïcité

» Le mouvement social britannique sort de sa léthargie

» Extension du domaine de la régression

» Les chances d'un accord sino-américain dépendent uniquement des Etats-Unis


Edição em inglês


» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour

» New Zealand's super-fast lockdown


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:14:18

A África sonha com a "segunda independência"

Deve-se primeiramente analisar quais são as prioridades de curto e de longo prazo, deixando-se de lado abordagens utópicas como esperar tomadas repentinas de consciência de quem quer que seja.

Curto prazo significa criar, através da influência de organismos internacionais, condições políticas minimamente equilibradas evitando-se assim golpes de Estado que desestabilizassem políticas de longo prazo.

Longo prazo significa foco na educação e na saúde pública, cujas políticas devem ser financiadas por organismos e entidades não-governamentais internacionais, como a Clinton Global Initiative, por exemplo.

Foco na educação é criar condições para o fortalecimento de uma nova classe média, composta por cooperativas de trabalhadores, pequenos e médios empresários das cidades e do campo, todos eles treinados segundo o que há de mais atual na gestão de empresas.

Além disso, deve-se atuar de forma contundente (o que exige vontade política, que vem da pressão internacional), o que significa, para cada país:

1. Definir Estratégias;

2. Definir Objetivos Estratégicos e Metas;

3. Identificar as Iniciativas ou Planos de Ação para cada Objetivo.

Como micro-empresário em gestão de empresas, e lembrando de Michael Porter quando ele aborda as vantagens competitivas das nações, creio ser este um ótimo caminho para um crescimento sustentado e que privilegie o ser humano. Sabemos também que tudo na vida é um processo, e este também exige paciência, resiliência e fé.

Um abraço a todos.


LUIZ RICARDO PEÇANHA
2006-12-04 21:13:44

A África sonha com a "segunda independência"

Assim como no Brasil, lá também "quem sabe o que é bom para os pobres são os ricos".
As Elites precisam cair na Real de que a necessidade de muitos superam a de poucos e devem prevalecer. Não significa que eles não poderão reinar num mundo MAIS HUMANO, porém uma expectativa de vida tão baixa está enraizada na "DOR DE MUITOS" e afinal somos ou não todos filhos de um ’DEUS ÚNICO E VERDADEIRO".


ADEMIR A DEMARCHI
2006-12-04 18:26:27

A África sonha com a "segunda independência"

sera dificil para conquistar a segunda independencia?


c
2006-12-04 16:47:53

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.