Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

» Franz Kafka: como sair do labirinto

» Por trás do iPhone, o Estado e os militares

» Equador: bastidores e sentidos da notável vitória

Rede Social


Edição francesa


» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin

» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


Comentários sobre esse texto:

DOSSIÊ IRÃ

Senhores,

Não acredito que o Irã tenha interesses militares na tecnologia nuclear. Se assim o fosse, com certeza o programa nuclear Iraniano teria sido conduzido com muito mais sigilo, sem alardes, até a obtenção e domínio completo desta tecnologia.

Além disso, durante o período comunista que dominou Moscou, os persas tiveram tempo mais que suficiente para, juntamente aos homens de vermelho, obterem tecnologia nuclear, pois dinheiro não lhes faltava.

Quanto as dissidências entre o Presidente e os Clérigos Iranianos, penso que são dissidências presentes em qualquer pais.

Elas são óbvias e não penso que o ocidente veja de forma diferente. O Presidente tem seu próprio site na internet cujas interpretações são completamente diferentes da interpretação do "Supreme Leader". Maior loucura ainda: Divergem os dois da agência irna. www.irna.ir.

Eles estão Isolados? De forma alguma. Nós, brasileiros, inclusive somos parceiros deles. Em 1994 construimos TODAS as redes de drenagem de água de Teera, pela construtora Andrade Gutierrez.

África do Sul, Países Nórdicos, Russos: Com petrodólares os iranianos tem o que quer, inclusive permitindo-se ser a terceira maior comunidade do orkut, perdendo apenas para nós e para os ianques.

Não obstante a isso vale dizer que Teerã é, como toda capital de grande influência no pais e sendo seu prefeito reformista, porque não pensar que este prefeito será o proximo presidente?

Formas de pensar complexas, arranjos políticos intrigantes: Eles têm alguma coisa em comun conosco?

João Antônio Defense Analyst


João Antônio de Almeida Júnior
2006-12-26 13:57:15

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.