Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Comentários sobre esse texto:

Hegemonia e diversidade cultural

Onosso amado ministro da cultura,é e sempre será a nossa referência do povo negro no brasil,a cultura negra precisa de pessoas como o senhor para liderar um povo tão sacrificado pela sociedade.Confio em vc.


Claudio ( Alemão )
2007-11-11 13:18:00

PROFECIAS REVELADAS

Se avizinha uma grande convulsão mundial que surpreenderá a todos e será anunciado o fim do mundo. As pessoas esperarão o fim do mundo, mas, o mundo não chegará ao seu fim, mas, sim a um novo e curto começo, que nos levará 3 anos e meio depois, a um derradeiro fim.
A grande maioria das pessoas acreditará no Príncipe de Trajos Brancos, que salvará quase que milagrosamente o mundo da destruição.
Tudo o que acontecerá nos 5 meses antes dele assumir o seu reinado, será para preparar o sua vinda. A grande maioria das pessoas acreditarão que ele salvou mesmo o mundo e que ele foi enviado por Deus.
Ele será aceito como o Salvador do Mundo, a guisa de Jesus, que foi recusado pelos seus e morto.
O mundo o aceitará e o adorará como se ele fosse Deus.
O Grande Rei, tornar-se-á Sumo Pontífice de uma nova igreja católica romana e Rei de um império apoiado por 10 nações poderosas.
Tudo será mudado, o calendário e as leis atuais que regem nossa sociedade serão mudados e todos sem exceção, seremos obrigados a aceitar a Nova Ordem Mundial que será instaurada e imposta a todos: sejam ricos ou pobres, grandes ou pequenos, livres ou escravos. Quem não aceitar as imposições da Nova Ordem Mundial será perseguido e morto.
Mas, lembremo-nos do que disse Jesus:

“Aquele que achar a sua vida, esse a perderá, mas, aquele que perder a sua vida, esse a achará”.

Portanto, aqueles que não tiverem medo de morrer, serão salvos, mas, os que aceitarem e adorarem O Anticristo, renunciando a sua fé no Cristo por medo da morte, esses não encontrarão a salvação, mas, sim a destruíção.

“Aqueles que tem ouvidos para ouvir, que oução o que a voz do Profeta vem dizer a todo o mundo: Vigiai e estais atentos aos sinais que serão dados as todas as gentes de todas as nações antes do derradeiro fim”.

JÁ ESTÁ NA HORA DA HUMANIDADE SABER A VERDADE SOBRE AS PROFECIAS E O FUTURO DO MUNDO!

http:://WWW.OPROFETAMUNDIAL.GOOGLEPA...

O PROFETA MUNDIAL – THE WORLD PROPHET


Site: O PROFETA MUNDIAL
O PROFETA MUNDIAL
2007-05-04 03:40:43

Hegemonia e diversidade cultural

Gilberto Gil

Ministro, poeta, brasileiro, artista. Parabéns pelo grande e precioso texto, pois o mesmo nos revela a diversidade cultural em que estamos inseridos. Vimos ai, o multiculturalismo que busca respostas para os desafios da pluralidade cultural nos campos do saber, sendo um movimento de caráter contínuo e processual.


Rodlon Valadares
2007-03-18 00:02:54

Hegemonia e diversidade cultural

Confesso que tive e ainda estou tendo dificuldade para traduzir o texto pra mim mesmo. Mas começo a entender que foi de propósito , ou seja, o Gil usou em seu texto a diversidade que existe( näo toda) e com isso demostra a nós o quanto ainda temos de dificuldade de entender a diversidade.


José
2007-02-06 14:19:59

Hegemonia e diversidade cultural

É, no mínimo, bastante irônico que um texto que trata basicamente da diversidade cultural receba um volume tão grande de comentários que expressam, com raríssimas exceções, uma forte e uníssona hostilidade a Gilberto Gil. Com efeito, o autor tem um modo bem peculiar de articular suas idéias. Isso, contudo, não quer absolutamente dizer que as questões apresentadas não sejam relevantes para o debate público. E, muito menos que, por causa disso, ele seja um mau ministro. Se as pessoas, de fato, desejam criticar o autor, que seja com base em argumentos objetivos sobre sua atuação à frente da política cultural no Brasil, e não em antipatias fortuitas de caráter estritamente subjetivo. Aproveito a oportunidade para parabenizar o Le Monde Diplomatique pela publicação desta conferência.



2007-01-29 22:47:57

Hegemonia e diversidade cultural

Hoje vivemos um momento de transição no campo sóciopolitico-cultutal. Ou em termos técnicos estamos vivendo um novo paradigma. As grandes instituições do período moderno ( a Igreja,os Partidos Políticos,os Sindicatos etc)não conseguem dar respostas as nossas questões. A idéia da Revolução Francesa (simbolo do período moderno) não vingou. Onde está a igualitè? Onde está a fratenitè? Onde está a libertè? O Ministro da Cultura do Brasil como sempre no seu discurso de "salada tropicalista" não diz nada.


José Carlos Miceli
2007-01-19 17:54:19

Hegemonia e diversidade cultural

É... virou ministro e sente necessidade de demonstrar erudição. Texto de conteúdo bobo onde nosso artista busca cada palavra que usa para demonstrar que merece o cargo de ministro. Que bobeira, a genialidade está na simplicidade.


Carlos Romano
2007-01-18 04:31:29

Hegemonia e diversidade cultural

Estamoa no século XXI e não entendemos ainda as profecias de Nostradamus , imaginem esse discurso do nosso ministro.Parabéns, mais vai ter que ser uma matéria a mais nas salas de aula.
Adilma C lima.


Adilmar
2007-01-18 02:54:35

Hegemonia e diversidade cultural

Mas mesmo na deprê, chama-se um Gilberto Gil... Diz a velha canção. E também digo eu.

Um, dois, três, mil: grande Gil!!!!


Marcelo Paixão
2007-01-18 02:45:14

Hegemonia e diversidade cultural

O texto do nosso ministro (não tenho dúvidas que foi por ele escrito) é uma prova latente que a Arte é como a água que escorre por entre ribeiros e chega límpida às nossas mãos. Esta mesma que limpa, purifica e sacia nossas sedes interiores. Um grande artista é assim. É preciso ter muito mais que sensibilidade para reconhecê-lo único. E Gilberto o é. Acima de tudo, a favor ou contra tudo. É expressão pura de um fazer artístico verdadeiro e genuíno. É de dar inveja. Quem pode entendê-lo? Nem loucos, nem doutos. Os sábios talvez o entendam em sua salutar sapiência. Talvez. Deixo para os atrevidos decifrá-lo. É preciso ser muito atrevido para entender esse nosso grande poeta que consagraram ministro. Gostaria de considerá-lo tão somente e tanto homem-poeta-menino. Enfim, síntese do que na arte há de mais divino. Ah, esse menino! Nas palavras faladas que sua mente cria, sempre uma agradável surpresa. Lembra: "de um lado este carnaval, do outro, a fome total... Oh, oh, oh, oh, oh, oh...".
E, a despeito dos outros mundos, ele é nosso, só nosso!


Liv Barbati
2007-01-18 02:19:13

Hegemonia e diversidade cultural

Como é bom envelhecer e ver irem embora as imbecilidades. Lara esse Ministério, Gil, vá fazer shows. Tô louco pra ouvir Retiros Espirituais e O Seu Amor. Sugere a nomeação de Bruno e Marrone pra o cargo. A seu tempo.

Borges



2007-01-18 01:53:25

Hegemonia e diversidade cultural

São engraçadas as reações provocadas pelo texto e mais engraçadas é ficar tentando decifrar as intenções que estão lá, em cada uma delas. Algumas, mereciam ser melhor desenvolvidas, quem sabe provocariam outras tantas reações. Seria mais interessante ler o que Gil achou de algumas delas, principalmente as que se dirigem contra seus signos. Gil há havia defendido essa concepção na música "Um Sonho". Ali, discurso e música ficaram belíssimos. Agora, como texto político, e isto é o que ele é, é frágil. Há pouca ou nenhuma promessa. Política é proposta.


Luiz Henrique Mattiolli
2007-01-18 01:37:49

Hegemonia e diversidade cultural

Um texto com profundas implicações imanentes e permanentes, que provoca altissonantes dissonâncias cognitivas. Doravante, e ainda que direcionadas para o pretérito, o fluxo quântico com sobreposições temporais, nos fará refletir quão estocástico são os arcanos ocultos nos recônditos do universo.
Tenho dito.
E viva a cultura e nosso ministro!
Luís.


Luís.
2007-01-18 01:29:15

Hegemonia e diversidade cultural

Um texto com profundas implicações imanentes e permanentes, que provoca altissonantes dissonâncias cognitivas. Doravante, e ainda que direcionadas para o pretérito, o fluxo quântico com sobreposições temporais, nos fará refletir quão estocástico são os arcanos ocultos nos recônditos do universo.
Tenho dito.
E viva a cultura e nosso ministro!
Luís.


Luís.
2007-01-18 01:27:28

Hegemonia e diversidade cultural

Quanta embromação para justificar mais um cabide de3 empregos para burocratas e pseudo-produtores de cultura dependentes de verbas públicas.
Abaixo o Ministério! Viva a Cultura!
No dia em que esta só enxergar uma rasa metodologia antropológica como teto e horizonte, estará completada a massificação, tão ao gosto daqueles que só criticam o Poder para reclamá-lo para si. E chega de lamber egos feridos, meu!!
Vamos produzir alguma coisa além de "band-aid" para narcisismos.


Gualtier Maldè
2007-01-18 01:10:43

Hegemonia e diversidade cultural

O texto pode impressionar. Mas quem é que acredita que foi Gilberto Gil que escreveu????!!!!!!!! Pera lá, né gente...
É discurso de assessor. E todos sabem que Gil tem em sua assessoria intelectuais (sociológos? filósofos? antropólogos?) que escrevem o que ele lê como homem do governo!
Quanto ao conteúdo, o texto é bem ao estilo do pensamento pos-modernista que, aliás, é conservador, quando não reacionário (refiro-me ao pos-modernismo enquanto corrente de pensamento com uma concepçao de conhecimento sobre a sociedade hoje e que se opõe aos valores do Iluminismo e da modernidade). Como os pós-modernistas entendem que a única realidade existente é a linguagem (tudo é uma construção discursiva!), é compreensivel da verborragia...
A diversidade cultural, sem dúvida, é um valor positivo, mas nem de longe devemos aceitar cegamente toda e qualquer diferença em nome do respeito à diversidade. Quanto à desigualdade, como superá-la sem superar o capitalismo (que sequer é questionado!)? E aí o conservadorismo e o reacionarismo dos pós-super-mega-hiper-ultra-modernistas....


S. Miranda
2007-01-18 01:00:29

Hegemonia e diversidade cultural

Puxa, o Gil faz considerações das mais importantes, com a lucidez e assertividade que lhe são peculiares e vêm uns sujeitos nesse espaço sagrado da net dizer que acharam "imprescionante", que há excesso de "canabis"... Eita, será que o sertão ainda está oculto?


Caio
2007-01-18 00:56:23

Hegemonia e diversidade cultural

Pelo menos Gil não está sendo nóticia, por falcatruas, e sim por ser competente, culto e saber que suas palavras serão ouvidas, interpretadas, comentadas e que com certeza terão repercussão no futuro.


Aristeu
2007-01-18 00:46:29

Hegemonia e diversidade cultural

Imprescionante como eh possivel dizer tao pouco com tantas palavras. Parabens ao Ministro por seu belo exercicio de retorica.


Caio
2007-01-18 00:38:09

Hegemonia e diversidade cultural

O texto de Gil é interessante, mas creio que teria sido mais profundo e provocador, considerando o contexto histórico-social em que foi produzido (sujeitos, interlocutores, formações discursivas implícitas etc), se fosse menor o tom romântico quanto à diversidade cultural. Afinal, em países como o nosso, o povo aparentemente exerce poder na construção de suas subjetividades, mas o Estado não lhe proporciona condições mínimas para isso (veja-se a qualidade de nosso ensino público, por exemplo). Assim, discutir diversidade cultural sem vislumbrar mecanismos de construção de criticidade para as classes populares é repetir discursos (muitos deles conservadores).


Genivaldo
2007-01-17 22:45:14

Hegemonia e diversidade cultural

Isso é uma idéia Cubana de Fidel e visa simplesmente empobrecer a sociedade. O jovem precisa de liberdade e educação. Para aqueles que não querem nada, a aplicação da lei, que deve ser justa e igual para todos. A cultura é espontanea e natural e não programada e direcionada por gabinetes com fumaça de charutos. O jovem precisa de ter conhecimento - atraves de estudos os mais atuais e profundos - para que possa mais tarde criar seus descendentes de igual maneira: com esperança e com um futuro promissor. Esse discurso oferece o que a sociedade ? - oferece o que de futuro a um jovem em inicio de vida ? - oferece o que a um pais ? Na realidade só oferece subserviencia - miseria - desconforto e atraso moral e intelecutal e leva a todos a subserviência aos donos do poder, que ricos, abastados e tiranos os escravisam até a alma, num circulo vicioso de revolta-miseria-atraso.

O jovem precisa de amparo moral - saúde, educação e possibilidades para participar de grandes projetos para o seu país, que possibilitarão o orgulho dos seus netos pelas grandes e belas obras. Isso é progresso.

Alfredo Bonessi



2007-01-17 22:35:06

Hegemonia e diversidade cultural

A Revolução é uma latência, uma constância, e precisa, necessariamente, começar nas idéias de uns poucos corajosos que se arriscam a expressá-las. A prática continua sendo o critério da verdade! Suponho que, nos dias de hoje, pelo menos em nosso país, este "começo do como" está entregue nas mãos daqueles que assumiram o Estado para transformá-lo em nação. Não lavo minhas mãos como indivíduo. Muito ao contrário! Serei eco de tudo que vier no sentido de sermos um país de fato e de direito. Força companheiros! nos convoquem! estaremos ao seu lado.


Humberto M Foohs
2007-01-17 22:22:44

Hegemonia e diversidade cultural

A Revolução é uma latência, uma constância, e precisa, necessariamente, começar nas idéias de uns poucos corajosos que se arriscam a expressá-las. A prática continua sendo o critério da verdade! Suponho que, nos dias de hoje, pelo menos em nosso país, este "começo do como" está entregue nas mãos daqueles que assumiram o Estado para transformá-lo em nação. Não lavo minhas mãos como indivíduo. Muito ao contrário! Serei eco de tudo que vier no sentido de sermos um país de fato e de direito. Força companheiros! nos convoquem! estaremos ao seu lado.


Humberto M Foohs
2007-01-17 22:14:11

Hegemonia e diversidade cultural

O papel dos Foruns é dar cara humana ao sistema capitalista. Sistema que agoniza, pois historicamente é assim: nasce, cresce e vai chegando no fim. E é isto que está acontecendo. O sistema não consegue mais resolver necessidades basicas dos homens, precisamos pensar, ter utopias, trabalhar a nossa conciencia para propiciarmos a passagem para um novo sistema, fomos criados de um jeito, podemos sobreviver em outras formas de organizaçao social e economica, e decididamente não mais sob a egide da exploraçao do homem pelo homem. O discurso do Ministro vai neste sentido, de defesa do estado de coisas que hoje segue. Sempre houve diferentes formas de cultura no mundo, hoje se emprega novas termilogias: diversidade, redes de discussão e por ai a fora. O capital financia a cultura procurando cooptar e se apoderar da mais valia intelectual. Conta com a colaboraçao dos sindicalistas, que sustentam este estado de coisas, e fazem discurso pela esquerda. Podemos discutir o papel do Estado? sim. Mas neste momento e futuramente ainda será ele o guardiao dos direitos dos homens. Temos que dinamitar esta politica feita para os mercados, enquanto a nossa juventude, se transforma em marginais e são assassinados precocimente. Devemos exigir saude de qualidade para os povos, ( vide o continente Africano ) publica e gratuita, ensino de qualidade, não este que se pratica no Brasil.


Carlitos Pires
2007-01-17 22:07:45

Hegemonia e diversidade cultural

Temos a sorte de ter um artista sensível e patriota iluminado à frente de um dos mais importantes Ministérios da República.

Obrigado Ministro pela sua postura honesta perante a vida!


Marcius Val De Casas
2007-01-17 21:40:18

Hegemonia e diversidade cultural

Essa diversidade de comentários é a própria diversidade cultural. Em cerca de 40 anos de vida pública, ninguém ouviu falar de uma desonestidade ou falta de caráter de Gil. Intuo que continua na Cultura por ambicionar a realização de uma nova experiencia. Mostrar que existem outros caminhos de construir o futuro. Mostrar que as civilizações podem compreender a si mesmas. Se o conhecimento do homem é o ponto de partida para o seu desenvolvimento, se uma mundo globalizado realiza a idéia da aldeia global, tudo ao final se centrará no homem e na sua capacidade de interagir com o mundo. A sociedade mais fraterna.
O uno indivisível, caminho de muitas gerações. A possibilidade de sobrevivencia , de povoar o universo.
É utópico. Mas utopias se realizam às vezes, mesmo que não se esteja mais
para vê-las. Um visionário ?
"Sobre a cabeça os aviões, sob os meus pés os caminhões, apontam contra os chapadões meu nariz..." será ?


andré
2007-01-17 21:36:22

Hegemonia e diversidade cultural

Um dos brasileiros mais conhecidos no exterior é o Ministro da Cultura - Gilberto Gil. Ele deveria ter recebido o prêmio "Nobel da Paz - 2006". Até em um evento da ONU, o “Ministro-artista” participou cantando "A PAZ" - palavra que ficou harmoniosa e intimista, ao som do violão de "Gil".

No outro lado do enredo, grande parte da classe artística brasileira, não está em paz com o Ministro. Esses brasileiros acham que foram entregues ao "Deus Dará" e estão atrás da "Parabolicamará". E agora José? E agora amigo Gil? Palavras bonitas e poemas elaborados precisam de sintonias. As constelações tupiniquins da criação, não perdoam! Os versos escritos há décadas viraram profecias: "Olha lá vai passando a procissão... Esperando o que Jesus prometeu".

O "Ministro-compositor" viajou muitas vezes ao exterior! Será que andou divulgando a “Milenar Cultura Universal Brasileira? Macunaíma está aposentado? No amado, idolatrado e problemático Brasil, as políticas culturais parecem serpentes no Sertão... Se o Ministério da Cultura realizou eventos importantes, quais foram os resultados para a pacificação dos “egos machucados”? Os "Morros Urbanos", as “Brasílias Teimosas” e outros centros explosivos - no talento e na violência - continuam dependendo da arte para o exercício de cidadania!

Alguns dados estimados da população artística no Brasil: 50.000 músicos, 40.000 compositores, 100.000 artesãos, 30.000 escritores, milhares de atores e atrizes, e outros não mencionados - dependendo das minguadas verbas governamentais. Faltam programas e incentivos culturais! Sejamos justos: o atual Presidente da República, não é o único culpado. Os presidentes anteriores e outros governos das esferas municipais e estaduais participaram da degradação cultural.

Nessa terra de "jabá", o velho "bacalhau" (antes - comida de pobre) perdeu o "status". A controvertida "Classe Artística Brasileira" já não escuta o "Guarani"... O Brasil canta “Festa no Apê...”


Site: POLÍTICA CULTURAL, ONU E GILBERTO GIL
LAILTON ARAÚJO
2007-01-17 21:17:10

Hegemonia e diversidade cultural

Gostei muito!


Site: Hegemonia e diversidade cultural
Roberto Miranda
2007-01-17 21:12:46

Hegemonia e diversidade cultural

Gostei muito!


Site: Hegemonia e diversidade cultural
Roberto Miranda
2007-01-17 21:09:28

Hegemonia e diversidade cultural

Gostei muito!


Site: Hegemonia e diversidade cultural
Roberto Miranda
2007-01-17 21:07:36

Hegemonia e diversidade cultural

haja canabis hein! caramba o cara continua a nao se fazer entender para os incultos , vai encher linguica na europa.


pala
2007-01-17 21:06:55

Hegemonia e diversidade cultural

Interessante, ao ler os comentários sobre o artigo, percebe-se que, as observações são literais, amor e ódio.
Apesar do conteúdo ter seus poréns, sobresai no mesmo uma idéia forte, a meu ver original, e como sempre, simples!
Assimilei de forma surpreendente, o que de certa forma percebo, mas não tenho a capacidade de discorrer.
Gil, como político,músico e poeta tanto como todos nós tem seus altos e baixos. O que me salta aos olhos é a qualidade do texto, o "conjunto da obra". Parabéns Ministro, Cantor, Poeta, Ser humano... Com certeza és tudo isso com qualidade bem acima da média,comungo com prazer sua genialidade.


Ernesto Ferreira de Almeida
2007-01-17 20:56:54

FALANDO DIFÍCIL....COMO SEMPRE!

GOSTARIA QUE O NOSSO MINISTRO ABANDONASSE ESSA VERDADEIRA MANIA DE SE PREOCUPAR TANTO COM A SEMÂNTICA E PROCURASSE TRABALHAR EFETIVAMENTE MAIS E MAIS EM PROL DA NOSSA CULTURA.QUE MANIA, HEIN MINISTRO!! TODO MUNDO SABE QUE VOCÊ É CULTO, QUE ESTUDOU, ETC...MAS FAÇA COMO EINSTEIN: ELE NÃO ARROTAVA FÍSICA POR ONDE ANDAVA. ESCREVER E FALAR BEM É ESCREVER DE FORMA SIMPLES E FALAR EXPRESSÕES QUE TODOS ENTENDAM.O CARO MINISTRO JÁ CHEGA ÀS RAIAS DA ESNOBAÇÃO COM ESSE COSTUME. JÁ É ALGO FOLCLÓRICO INCLUSIVE EXPLORADO POR PROGRAMAS CÔMICOS.


Geraldo
2007-01-17 20:48:21

Hegemonia e diversidade cultural

Uau F.S Luza! Quanta consternação!

Penso que é justamente a relativização do absoluto que poderia ser uma alternativa ao saturado mundo pós-cristão.
O estágio do conhecimento humano atual (lienar? ciclico?..enfim..)ofereçe subsidios suficientes para a compreensão da incertaza.
É a questão transdisciplinar que não teve dificuldades práticas para revelar como a fixação aos valores absolutos geram guerras e arrebanhamentos.


Thiago
2007-01-17 20:46:52

Hegemonia e diversidade cultural

Gostaria imensamente de perguntar ao Sr. Ministro da Cultura o que está substituindo a concepção linear do tempo. Será a a antiga concepção cíclica do tempo, tão antiga quanto a mitologia grega? Se a História não tem sentido, não tem começo, meio e fim, nada lhe resta a não ser cair no ciclo do eterno retorno pagão. Se, para o Sr.Ministro, a História não tem sentido a não ser o de repetir-se eternamente, este também seria o sentido da existência humana: não ter sentido nem significado algum. Infeliz o povo que tem um "Ministro da Cultura" que não se guia por valores perenes; se o valor é passageiro, ele é relativo, só é valor em determinado momento e em determinadas circunstâncias, ou seja, é um valor descartável... não é um valor; é uma acomodação, um faz-de-conta para me iludir momentaneamente. Sr. Ministro, "tempus fugit"! O tempo foge e não volta. Aliás, será que o Sr. Ministro poderia explicar "o que é o tempo?" e o que é a história? Se ele entende de antropologia (!), certamente não entende de filosofia.
F.S.Luza
17:16 de 17.01.2007


Site: Hegemonia e diversidade cultural
F.S.Luza
2007-01-17 20:22:14

Hegemonia e diversidade cultural

Uma luz para o século XXI

Em um lugar onde todos remam desordenadamente, este texto propõe um norte, um norte para o século XXI, sou brasileiro, latino americano e tenho um ministro negro que me dá muito orgulho.
George


George
2007-01-17 20:14:05

Hegemonia e diversidade cultural

hegemonia e diversidade cultural e muito mas muito bla,bla,bla é uma grande viagem do cantor e compositor que usa o cargo de ministro para faturar comercialmente e claro aparece em todo canto até o le monde da destaque a esse besteirol que não tem nem nunca terá resultado, porque não sai do papel e fica nisto, alguém conhece guaribas cidade do pobre estado piauí veja se mudou alguma coisa por lá, usada no inicio do mandato desse governo em quem eu votei com muita esperança de se mudar alguma coisa.agora os bobos continuam achando lindo o discurso do gilberto canabis gil.


gabriel barros
2007-01-17 20:01:17

Hegemonia e diversidade cultural

O texto é um dos mais substanciais e belos que já li. Gil conseguiu traduzir nossos sonhos e esperança na busca da construção de um mundo igualitário, fraterno, despojado de intolerância. Mesmo que tenha recebido colaboração de seus assessores, com dizem alguns, aí mesmo que ele se torna mais belo, por traduzir uma construção coletiva do sonho. Mesmo que assim não fosse, Gil sempre demonstrou sua cultura, capacidade, seu engajamento na busca deste mundo utópico, nas suas canções sempre belas. Luiz Carlos Teixeira - MG



2007-01-17 19:52:39

onanismo hegemônico

Não vi nada de estimulante ou de interessante em tudo o que Gilberto Gil escreveu aqui. Ele critica a "hegemonia" cultural, mas só se refere aos surrados temas "hegemônicos", cita autores "hegemônicos", usa um vocabulário pedantemente "hegemônico". Foram seis páginas de velhos chavões e nenhuma novidade, tudo isso envolvido num estilo verborrágico e pesporrento. Gilberto Gil simplesmente não está entendendo o que está acontecendo. Onanismo hegemônico.


Mateus
2007-01-17 19:46:48

Hegemonia e diversidade cultural

Essa abordagem da meritocracia é bastante razoável e ainda não tinha pensado assim, mas acho que vou leva-la em conta daqui pra frente


Pedro Ferreira de Freitas
2007-01-17 19:18:43

Hegemonia e diversidade cultural

O pensador baiano Antônio Risério uma vez disse que Gil é um lançador de enzimas democráticas na sociedade brasileira. O texto de Gil, mais uma vez, comprova muito bem o que foi dito dele. Uma proposta moderna, democrática,visionária de se pensar a cultura, o mundo e o Brasil dentro deste mesmo mundo!


Luiz Mota
2007-01-17 18:57:47

Hegemonia e diversidade cultural

Parabéns a equipe de assessores técnicos do ministro Gil pelo bonito, oportuno e bem elaborado discurso. Pena que o (excelente) cantor/compositor na condição de ministro não decore pelo menos parte de algumas das conceituações contidas nesse discurso para expressá-la em lugar daquelas suas breves e confusas manifestações verbais (a-lá Carlinhos Brown), sobretudo quando de improviso.


José Eudes - Natal-RN
2007-01-17 18:49:12

Hegemonia e diversidade cultural

O artigo do Ministro Gilberto Gil, Hegemonia e diversidade cultural traz algumas afirmações de pesquisadores da física, da bilogia e da sociologia arquitetado em palavras politicas. Mas não deixa de ser interessante e reflexivo. Nessa direção, o que ele está fazendo no interior do governo Lula que busca a todo custo a Hegemonia dominante dos corpos, que discorre em seu artigo como necessidade central de liberdade. Acredito que esse artigo deva ser discutido no interior da administração atual. Pois a parcialidade e falta de liberdade é evidente neste segundo mandato. Politicas afirmativas ainda é apenas cenário (palanque). A cultura em todos os seus níveis ainda é uma dominação dos legalizados (diplomas) e não dos legítimos (conhecedor das ciências, tecnologias, culturas e empreendimentos)que embora diplomados e com participação abrangente que melhoram a vida das pessoas ficam refem de Leis que não deixam ser livres para orientar e administrar.
Diversidade já, começando pelos governos de toda Federação Republicana.
Luiz



2007-01-17 18:47:33

Hegemonia e diversidade cultural

Meu querido Gil,

suas palavras me levam a uma associação quase imediata com as idéias de Hannah Arendt sobre o espaço público - onde o amor ao mundo e as diversidades deveriam ter garantido os seus lugares.
Que essas palavras propiciem pensamentos fortes o suficiente para levar à ação aqueles que merecerem por elas ser tocados.
Parabéns caro ministro, também por uma atitude sempre cosmopolita que nunca perde contato com as terras brasis.
Abraço,
Denise
Florianópolis/SC


Denise Stucchi
2007-01-17 18:42:48

Hegemonia e diversidade cultural

O artigo do Ministro Gilberto Gil, Hegemonia e diversidade cultural traz algumas afirmações de pesquisadores da física, da biologia e da sociologia arquitetado em palavras políticas. Mas não deixa de ser interessante e reflexivo. Nessa direção, o que ele está fazendo no interior do governo Lula que busca a todo custo a Hegemonia dominante dos corpos, que discorre em seu artigo como necessidade central de liberdade. Acredito que esse artigo deva ser discutido no interior da administração atual. Pois a parcialidade e falta de liberdade é evidente neste segundo mandato. Políticas afirmativas ainda são apenas cenários (palanque). A cultura em todos os seus níveis ainda é uma dominação dos legalizados (diplomas) e não dos legítimos (conhecedor das ciências, tecnologias, culturas e empreendimentos)que embora diplomados e com participação abrangente que melhoram a vida das pessoas ficam refém de Leis que não deixam ser livres para orientar e administrar.
Diversidade já, começando pelos governos de toda Federação Republicana.
ILuiz Pell



2007-01-17 18:32:51

Hegemonia e diversidade cultural

Lindo! A forma como a questao da meritocracia é tratada pelo ministro responde a muitas de minhas indagações pessoais sobre o lugar de cada um em nossa sociedade. parabéns Gil


Alfredo
2007-01-17 18:25:22

Ninguém entende o bichinho rouxinol...

Harmonizar diversidade cultural, tolerância, globalização econômica, sustentabilidade ambiental e igualdade social: Utopia? Necessidade? Quem viver verá! Problemas reais em dimensões cada vez maiores nos assolam no século XXI? Quando os poderosos e a humanidade acordarão para encarar na prática as soluções, com desapego, com espírito publico e amor? Não será esse o tempero que falta? Sob a ótica do amor incondicional, tudo pode ser resolvido.
Mesmo que muitos não compreendam, que a única solução prática (o amor universal e irrestrito) esteja longe de ser praticada, grandes homens iluminandos (em avançado processo de iluminação) continuarão a sonhar com ela e caminhar em sua direção, dando exemplos de como ela pode ser colocada simplesmente em prática JÁ! (Mesmo que dentro do governo Lula!). Axé Gil!!!
Marcelo G M, BA


Marcelo
2007-01-17 18:14:20

Hegemonia e diversidade cultural

Nosso Ministro Gilberto Gil no seu cargo político é tão brilhante quanto é brilhante como Artista genial. Evidentemente o seu discurso é de difícil compreensão para quem não o conhece. Estamos diante do gênio visionário, auto-desenvolvido, auto-libertado, emancipado das formas condicionadas de pensar, sentir e agir. É corajoso como um Messias contemporâneo como Osho, Ramana Maharshi, Papaji e tantos outros Mestres. Não foi discípulo formal de nenhum, mas de todos, e também de Jesus e Oxalá, obteve toda a sua guiança, e que agora, além de suas mensagens musicais, espalha sua sabedoria, nos guia e ensina. Salve Gilberto, hare Gil!!! Este seu discurso é um primor de entendimento, dinâmico, includente, moderno. Grato sou por te-lo lido. Que continue abençoado, que continue nos abençoando com sua clareza e inteligência!!!


ClaudioA. Raposo
2007-01-17 18:10:08

Hegemonia e diversidade cultural

O texto do "ministro" Gilberto Gil é como a fala do presidente : fala, fala, nem sabe o que e porquê.
Um besteirol que todo mundo escuta, dorme, acorda e aplaude sem entender nada.
O ministro seria mais útil ao país e aos brasileiros se voltasse a gravar, pois de frases sem nexo e vazias a nossa pobre MPB está cheia, mas para um Ministro da Cultura deixa muito a desejar.


Rima
2007-01-17 18:05:46

"GILBERTO GIL É O PRIMEIRO MINISTRO DA MUTICULTURA"

Governo Lula à parte, Gilberto Gil é o primeiro ministro da Cultura do Brasil com capacidade artística e intelectual para enfrentar e debater as questões de nossa época à altura das exigências.

Apesar da carência política dos nossos políticos(todos mais envolvidos com corrupção e polícia do que própriamente com política) e do governo e de o país em geral não ter respostas para as necessidades mais profundas da população que os elegem e os mantém , Gilberto Gil com sua liberdade de pensamento ousa e propõe questões pertinentes à essas necessidades.

Eleva a cultura ao patamar em que deve ser colocada.Óbviamente, não está imune as críticas, como todos nós, mas as assimila e as responde.

Gilberto Gil além do grande artista já consagrado que é, é também um estadista da cultura. Fundamental, para um país como o Brasil.

Pena que o orçamento da cultura continue sendo o que é - de 1%.

Temos cultura, temos ministro da cultura e não temos políticos à altura da cultura e do país. E só mesmo a cultura pode mudar essa situação de pobreza geral.


Thaelman Carlos
2007-01-17 17:57:55

Hegemonia e diversidade cultural

O texto do Gil é uma viagem. Lindo como suas músicas mas não passa de uma viagem politicamente bonitinha. Aliás, ao preencher a quota de afro-descedentes ministros de Estado o Lula fez uma boa escolha. Se ele não diz coisa com coisa pelo menos sabe cantar muito bem.


Heitor Abranches
2007-01-17 17:42:13

Hegemonia e diversidade cultural

A leitura do artigo do Sr. Ministro Gilberto Gil me leva a algumas reflexões. Quando existiria meritocracia no acesso e detenção de cargos em instituições públicas?
- Existem pessoas zelando por seus interesses pessoais e no máximo por interesse de pequenos grupos de amigos? (a resposta parece que é sim).
- Existem pessoas que por mérito têm cargos e além de terem acesso ao conhecimento sejam multiplicadores da informação/conhecmento de maneira que ela tenha um impacto abrangente e positivo na sociedade (a resposta tb me parece que é sim).
Deste modo, considero que é caso de se fazer um mapeamento de quem são os
"pinochets" das instituições que detêm o
conhecimento e quem são os que teriam outra postura. Talvez este possa ser um primeiro passo para integrar cidadões numa direção que se opõe à "museificação" de grupos ou sub-grupos
culturais.


juliao
2007-01-14 04:14:51

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.