Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Vulnerabilidade, essência da Educação pós-capitalista

» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

Rede Social


Edição francesa


» Qui veut en finir avec le modèle de la BBC ?

» Médicaments du Nord testés sur les pauvres du Sud

» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques


Edição em inglês


» What does Covid-19 mean for people displaced by climate change?

» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)

» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…


Comentários sobre esse texto:

Por que o Hamas (ainda) não reconhece Israel

A questão é muito mais religiosa que polílica, como poderiamos situar nosso Estado em solo Europeu se HaShen a nós o deu por direito no solo do oriente, ou será que devemos ver a cidade Santa abaixo da soberania islâmica que profana nosso solo como um pseudo-monoteísmo herdado de confusões católico-orientais, nem seuqre toda a terra dada aos palestinos resolveria a questão, pois enquanto Israel existir como povo (judeu) jamais haverá trégua do radicalismo islâmico, pois para tais é sagrado impor sua religião por meio da espada. Se querem tanto a cidade Santa, porque em suas orações se voltam pra Méca e não para Yerushalaím?


Alex Fridmann
2007-07-18 19:44:04

Por que o Hamas (ainda) não reconhece Israel

Primeiro gostaria de parabenizar o site criar discussoes a partir de textos lucidos ou pelo menos bem embasados e uma otima ideia so falta agora os debatedores pois ao que parece so um se dispos a tal...
Quanto ao texto me parece que o autor nao compreendeu bem a posicao politica do hamas e pretende situa-la dentro de um contexto de visao da realidade do estado judeu por este grupo. O problema do hamas e que ele apenas usa a situacao para seus particulares objetivos e a questao do reconhecimento que ilude muitos analistas e apenas cortina de fumaca de seus reais objetivos. A politica do Hamas tem como meta o controle do povo palestino eliminando o Fatah no processo e a partir dai um total engajamento do grupo a um projeto regional xiita de controle do mundo arabe, a retorica radical do grupo e apenas a maneira de controlar coracoes e mentes ou seja usar o ressentimento e frustacoes palestinas pela historia da implantacao do estado judeu e principalmente o estado de pressao em uma terra sitiada para atraves de uma pretensa dureza de tratamento com o estado judeu conseguir seus objetivos reais expostos acima, alias a declaracao padrao do eleitor que alcou o Hamas ao poder foi: "Queremos o Hamas porque ele vai tratar os judeus como eles nos trataram" nao precisa dizer mais nada sobre este esbulho eleitoral, o hamas vendeu uma posicao politica que nao tinha/tem meios de implementar mas que permitiu sua chegada ao poder com a complacencia para dizer pouco do Abbas que suposamente e lider do Fatah.
O Hamas jamais reconhecera Israel pois isto lhe tira sua justificativa de existencia, e sua acao politica e desordenada para nao dizer praticamente nula pois aposta todas as fichas num estado permanente de tensao num enfrentamento "de baixo impacto" que consome o capital politico conseguido pelo povo palestino atraves do reconhecimento mundial de suas aspiracoes politicas vindo da primeira intifada para atraves de sua acao de grupo ideologico infiltrado obter sua hegemonia, uma repeticao do modus operandi dos marxistas leninistas na revolucao russa.
O grande problema do povo palestino e nao ter no momento um lider politco ou seja um lider que tenha uma plataforma politica e forca para conduzi-la, Abbas desde a liberacao da faixa de gaza esconde-se de seu papel na manipulacao de escaramurcas diplomaticas que na pratica teve como resultado a ascencao do Hamas por manietacao do fatah. O real problema que o Hamas apresenta é sua intencao de nao respeitar o jogo politico passando a confrontacao armada em acoes de eficacia duvidosa criando um estado de confronto permanente que nao permite solucoes diplomaticas. A questao da parada da ajuda financeira colocou o hamas em graves problemas pois alem dos problemas economicos decorrentes demonstrou o quanto estava dissociado da realidade seu discurso de confronto pela sua real forca e toda enrolacao linguistica tentada atualmente visa tao somente a eliminacao deste problema ou seja a volta do dinheiro gratuito vindo das potencias economicas alias o poder economico do Hamas e obtido da administracao dos "martires" ou seja ele recebe dinheiro arabe para apoio das familias enlutadas e um estado de cessacao de hostilidades seria financeiramente ruim para ele mas seu real objetivo ja dito e o de manter a questao palestina irresolvida e potencialmente explosiva para dai haver combustivel para os xiitas usando as populacoes pobres arabes em transe forcar sua hegemonia na regiao.



2007-02-13 07:57:58

Por que o Hamas (ainda) não reconhece Israel

Conferencia Negacionista ou Revisionista ?!?

Cuidado com as palavras...

Segundo o próprio Ahmadinejad, o objetivo da conferência não é negar o holocausto e sim determinar a verdade para se chegar a duas conclusões:
Se houve realmente genocidio em série (Holocausto), então a culpa é da Europa e não dos palestinos, logo Israel deveria ser na Europa.
E se não houve o tal "genocidio em série" como afirmam, então que Israel deveria dissolver seu Estado.


Cassio
2007-01-21 15:22:50

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.