Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

» Ab’Sáber: Caetano Veloso do transe à transa e depois

» 11 de agosto de 2022

» O capitalismo à beira da Grande Estagflação

» Entre ver estrelas e apagar pessoas

» Os possíveis estertores do neoliberalismo autoritário

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne

» Retrouver le rire de Bertolt Brecht

» En campagne avec les troupes de Jeremy Corbyn

» Au Chiapas, la révolution s'obstine

» Profession : député

» La civilisation de la tomate

» Le capitalisme raconté par le ketchup


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

A aliança das civilizações

Parabéns ao sr.Kofi Annan, ex-Secretário Geral da ONU, pelo seu magnífico artigo sôbre uma possível "Aliança das Civilizações". Mostra um caminho que seria o ideal para a Civilização, mencionando o ocorrido entre os Hititas e Egípcios, no ano 1.279 a.C., após a batalha pela fortaleza de Kadesh, cujos resquícios ainda hoje podemos admirar, passados 3.286 anos. E a humanidade continua a mesma. Em 1.279 a.C., após Kadesh, os Hititas e Egípcios fizeram um pacto de ajuda mútua. Mas o que a história nos mostra depois disto? O mundo mudou? Os homens deixaram de ser belicosos e predativos por natureza ou pela sua civilização? Mostrem-me uma só década onde em nenhum lugar da Terra não houvessem conflitos, guerras. O homem é um animal belicoso, inconstante, eternamente insatisfeito com o seu atual "status quo", por melhor que ele o seja. Nunca deixaram de cometer hostilidades, ganância, etc. Oxalá fossem seguidas as pregações de tolerância, paz e harmonia. Que me perdoem a franqueza, mas vejo essa "Aliança das Civilizações" como uma utopia, como nos tem mostrado a história através dos séculos. Guerras, alianças, quebra de tratados, com a ganância e o poder sempre vindo das bocas dos canhões continuarão ocorrendo. Jerusalém está aí para nos convencer. A antiga Mesopotâmia onde florescia a fartura e a civilização, hoje aí está como o Iraque destruído pelos Estados Unidos da América do Norte, um impérialismo já decadente, mas que ainda lutará por longas décadas com o poder das bocas dos seus canhões. Após o esfacelamento de quem poderia enfrentá-los, através do Pacto de Varsóvia, a extinta União Soviética, viram os caminhos livres para suas arbitráriedades, realização das suas conquistas por ganância, sob falsos pretestos. Hoje, ninguém mais respeita a ONU, após os Estados Unidos desrespeitarem-na e não serem punidos. De nada vale mais a OTAN, a OEA, nem a ONU que perdeu sua autoridade, imparcialidade e justiça. Todas são siglas que futuramente cairaõ em desuso de tão desgastadas, sendo substituídas por outras que terão o mesmo fim. Deus o ouça e atenda, nobre sr. Kofi Annan.


Nilson de Souza Rodrigues
2007-03-09 05:14:56

A aliança das civilizações

diplo A guerra entre as civilizações não foi inventada pela Igreja Católica. Vem de antes das Cruzadas. O conceito de "jihad" (guerra santa) nasceu com o Islam, no século VII d.c. No momento é claro, para quem acompanha a cena internacional, que quem declara guerra aos "infiéis" ( leia-se Ocidente, ou tudo que não é islâmico) são as facções mais radicais do islamismo, que ganham espaço graças à debilidade de setores que visam a "paz com o agressor", como Chamberlain queria a paz com Hitler; também os ajuda muito a falta de tato político, realmente impressionante, de George W. Bush.
O resto é conversa fiada, de quem pensa tirar proveito da situação enfraquecendo os E.U.A., e vai ganhar a islamização do mundo como presente. Quem cairá primeiro será a tão civilizada e "tolerante" Europa.
Quem viver verá...


Site: A Aliança das civilizações
jean valjean
2007-03-09 04:16:11

A aliança das civilizações

Maravilhoso o artigo. De facto a visão deformada sobre "o outro" é o primeiro passo para a discriminação e a limitação das liberdades individuaus do homem. As cruzadas impulsionadas pela igreja sustentaram este preconceito que tende a reavivar-se, hoje, principalmente com a política belicista de Georg Bush. Precisamos unir forças para que o que nos une hoje a volta das novas tecnologias, passe a fazer parte, também, do nosso ego em relação aos outros fazendo da tolerância uma maneira de ser e estar. Temos a obrigação de fazer uma aliança de civilizações.


norberto carlos
2007-02-15 16:23:08

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.